Na base do conhecimento está o erro

Posts tagged “varoufakis

Sem qualquer dúvida

Dois burgueses. Jamais fizeram ou conseguiram representar o proletariado. Dois manipuladores oportunistas. Nada mais, nada menos.


Mirror faces

Varoufakis 2011 vs 2015


Reality shock / Choque de realidade

Syriza rally


Varoufakis
and Tsipras are on the verge of learning (at least, one can expect), how easier and more comfortable is to be opposition.
It is the government that the really tough decisions must and have be made. And usually, the idyllic promises made during election campaigns can not be fulfilled.

Every so often, a shock of reality is indispensable.
While these “Syrizans” characters are being struck by reality, their supporters still were not. Nevertheless, my sympathy goes to all them.

Varoufakis e Tsypras estão prestes a aprender (pelo menos, esperamos), que é muito mais fácil e confortável de ser oposição.
É no governo que as decisões realmente difíceis devem e tem de ser tomadas. E, normalmente, as promessas idílicas feitas durante as campanhas eleitorais não podem ser mantidas.

De vez em quando, um choque de realidade é indispensável.
Embora as personagens “Syrizanas” estejam a ser atingidas pela realidade, os seus partidários ainda não foram. Seja como for, a minha simpatia vai para todos eles.

 


Prisoner dilemma / Dilema do prisioneiro

Varoufakis V

 

It is easier to point the finger than look at the mirror.

Varoufakis problem is that he’s a prisoner in his own dilemma!

É mais fácil apontar o dedo do que olhar para o reflexo.

O problema de Varoufakis é estar prisioneiro
no seu próprio dilema!


Coherence, consistency and consequences (Coerência, consistência e consequências)

To the best of my knowledge, no one is telling Mr.Tsipras and Mr. Varoufakis they can not fulfil the promises made to the greek people, expressed in Syriza’s political manifesto. They were legitimately elected and must be the first ones to know if it is possible to reconcile such promises with the Greek external obligations.

The greek government is within its rights to stop payments to creditors, an option consistent with the electoral promises.
And if they are not willing to come to terms with the Eurogroup, because of promises made, then they should be consistent with this position and accept the inherent responsibility: Leave the Euro and become the master of their own destiny.

Greece’s problem is much more endogenous than exogenous. Quite naturally, they want and cherish the welfare state. However, Greece is unable to support and sustain its own welfare state due to poor collection of taxes. This is a chronic problem, which the current greek government has not yet addressed.

Ironically, Tsipras and Varoufakis seem to be loyal followers of a german philosopher. Kant believed that one must do what is right regardless of the consequences.
But, in this case, the consequences will be experienced by the greeks.

Be that as it may, Portugal has a lot to gain with this standoff.

=====

Ninguém diz a Tsipras e Varoufakis que não podem cumprir as promessas feitas ao povo grego, expressas no manifesto político do Syriza.
Eles foram legitimamente eleitos e devem ser os primeiros a saber se é possível conciliar tais promessas com as obrigações externas gregas.

O governo grego está no seu direito de parar de pagamentos aos credores, uma opção consistente com as promessas eleitorais.
E se não estão dispostos a entrar em acordo com o Eurogrupo, por causa de promessas feitas, então eles devem ser coerentes com esta posição e aceitar a responsabilidade inerente: Deixar o Euro e tornarem-se mestres do seu próprio destino.

O problema da Grécia é muito mais endógeno do que exógeno. Muito naturalmente, os gregos querem e valorizam o estado social. No entanto, a Grécia é incapaz de apoiar e sustentar seu próprio estado social devido à má cobrança de impostos. Este é um problema crônico, que governo grego atual ainda não abordou.

Ironicamente, Tsipras e Varoufakis parecem ser fiéis seguidores de um filósofo alemão. Kant acreditava que um deve fazer o que é certo, independentemente das consequências.
Mas, neste caso, as conseqüências serão sentidas pelos gregos.

Seja como for, Portugal tem muito a ganhar com este impasse.