Na base do conhecimento está o erro

Posts tagged “NATO

Caliphate, Islamic Republic or something else? The fate of Turkey’s democracy is dark.

sultan-erdogan.jpg

Coup d’état? I’m not buying it.

The lack of coordination evidenced yesterday by the military forces who carried out the alleged coup in Turkey is not consistent with the international reputation of the Turkish army. The televisions showed a helicopter firing, trying to hit targets on the ground. But where were the impact of the bullets? Neither human bodies nor the road, signs or anything else were hit.

I cannot shake the feeling that yesterday events in Turkey were orchestrated by Erdogan, aiming increase its power. We are witnessing a purge, designed to eliminate all those who oppose Erdogan. Both within the Turkish army as within his own party, the Justice and Development Party (AKP). This purge aims especially the military and the AKP members that still are Gulenists.

Historically, as it sees itself as the protector of Turkey’s secularism and democracy,  the Turkish army has intervened in the political sphere, whenever deemed necessary to preserve democracy. The military has had several tensions with Erdogan’s AKP over its brand of political Islamism. Moreover, Mr. Erdogan’s relationship with justice also is not peaceful, but so far the decisions of the Turkish Constitutional Supreme Court have been in accordance with the rule of law.

Since the 2007 General Staff’s E-memorandum, targeting Erdogan’s non-secular politics, the relation between Erdogan and the military worsened. The 2010 constitutional referendum, which gave Erdogan’s government more control over judicial system, allowed the creation of prosecutors with extraordinary powers to accuse secular high-rank officers in the military, for planning a coup against Erdogan’s government. These prosecutions originated a power shift within the Turkish army and the result was the end of the secular military position.

With this move, Erdogan will be able to full control the military and to remove any opposition. Including the press.

Make no mistake. What is at stake is power. Absolut power. And how that goal will materialize is irrelevant. As such, it does not matter if it will be a Caliphate, an Islamic republic or something else. Whatever it is, it will seriously affect Turkish democracy and the rule of law. Most likely, permanently.

A curfew, martial law and the preparation of a new constitution was announced. What will emerge from a new constitution is not important. Recep Tayyip Erdogan has long sought such circumstances. He wants to be Turkey’s ruler until his death. At least! Erdogan wants to be greater than Ataturk and in order to achieve that aura he will erase democracy in Turkey.

P.S. – NATO is the big question. I believe that is prudent to begin considering the possibility of Turkey leave NATO.


NATO Should Set Limits On Russia’s Actions In The East

The events leading to Crimea’s secession from Ukraine are not a series of ad-hoc moves, but part of a calculated plan by Russia’s leaders that fits Alexander Dugin’s vision of ‘Eurasianism’.
Accordingly, Russia is determined to follow its own Eurasian path, while the real goal of Eurasianism is the formation of a new political integration bloc. The European Union (EU) and NATO response must set limits on Russia.

A Retrospective View
Following the end of the Cold War, the North Atlantic Treaty Organization (NATO) did not disappear as did the Warsaw Pact. On the contrary, NATO grew in size and depth, welcoming former Soviet republics, such as the Baltic states, as members. As a result, in 1999 NATO changed its strategic concept, and the scope of NATO interventions expanded to remote 65ºE and 70ºE meridians of Afghanistan. In 2002, the establishment of the NATO-Russia Council reinforced the relationship between NATO and Russia. Later, at the November 2010 Lisbon Summit, NATO’s new Strategic Concept was published in response to the changing international security environment. This “Active Engagement, Modern Defense” concept reaffirmed the importance of strategic cooperation with Russia, and it strengthened the political consultations and practical NATO-Russia cooperation. The world has undergone radical change since the Cold War. In the 1980s, who would have thought that NATO and Russia would be partners?
However, almost all of this happened in a period of Russian economic weakness and political disorientation. After President Boris Yeltsin’s 1999 resignation, Vladimir Putin, a former KGB agent, took over control of Russia. Putin’s presidency coincided with an outstanding economic recovery (1) and soon Russia re-emerged as an economic and energy superpower. Yet nostalgia proved irresistible in 2014, when Vladimir Putin demonstrated that he had been living in the Cold War era. Russia’s new economic capacity permitted an increase in military spending. The political posture of the Russian leadership changed as well, as evidenced by Putin’s Munich speech in February 2007 and the 2008 Georgia war. Thus, Russia’s agenda clashed anew with NATO enlargement, which from 1999 to 2004 grew to include Czech Republic, Hungary, Poland, Bulgaria, Estonia, Latvia, Lithuania, Romania, Slovakia and Slovenia. Thus, Russian concerns over NATO resurfaced (2). Finally, the 2010 Russian Federation Military Doctrine expressed disapproval of NATO Eastern expansion and listed NATO as an external threat (3).

A Russian Spring?
Russia’s subsequent actions indicate that Moscow has devised a new strategy aimed at the restoration of Russia’s past glory. Some preparatory steps along this route, including Russia’s exit from the Treaty on Conventional Armed Forces in Europe, should have been viewed as a tactical move rather than diplomatic protest (4). Such steps are consistent with a realization of a general assertive Russian strategy that paved the way to war with Georgia in 2008. In fact, Russian hawks were convinced after the intervention in Georgia
that they had found a way to prevent further NATO enlargement (5). President Dmitry Medvedev’s statements in November 2011 echo that conviction (6). The naval base in Gudauta, Abkhazia, and Russia’s “Sevastopol agreements” with Ukraine, which extended the Black Sea Fleet lease until 2042, advanced Russia’s military doctrine and also contained NATO.
NATO cannot grant membership to a country hosting a non-member military base on its territory. So far, Russia’s strategy has worked: neither Ukraine nor Georgia has joined NATO since Russia invaded them.
Crimea’s secession from Ukraine and inclusion into the Russian Federation may be seen as a continuation of the same strategy. Earlier this year, when Putin realized that Viktor Yanukovych was going to be impeached by the Ukrainian Parliament and that Ukraine would not join the Eurasian Customs Union, Putin responded according to the script he used with Georgia in 2008, the only difference being that Crimea requested formal inclusion in the Russian Federation. On March 18 the Treaty of Accession of the Republic of Crimea and Sevastopol to the Russian Federation was signed (7).
Seen from this perspective, Viktor Yanukovych’s call for a referendum towards a ‘federalization’ of Ukraine is just an act in Vladimir Putin’s screenplay. The fact that the city of Donetsk (8) and Eastern Ukraine (9) are already being targeted confirms that Russia likely is not going to stop. Furthermore, Odessa may follow the same path (10). Observing these events, one must assume that the most likely scenario is the creation of a new Eastern bloc of satellite states headed by Moscow. Having in mind both the psychological profile of the current Russian leaders, particularly Vladimir Putin, and the sequence in the evolution of Russia with the West, tiny regions like Transnístria (11) or Gagaúzia (12) are going to be disputed, as well.

Friends or Foes?
Russia does not have a high opinion of the European Union on defense and security issues, not only due to the EU’s lack of competence in this area but also because the EU is no match to Russia in military terms. Moreover, aware of its energy predominance over Europe, Russia favors bilateral negotiations with the EU member states. In addition, Russia not only challenged but also rejected EU’s most fundamental feature, its normative power or “Model Power Europe” (13). In fact, Russia was able to promote Europeanization from the East by reversing the political conditionality and asymmetry within the EU-Russia relation (14). Concerning Ukraine, EU actions were disappointing, to say the least. However, this is not surprising: EU action parallels what happened during and after the 2008 Georgia war. Back then, the Extraordinary European Council suspended negotiations with Russia until Russian troops’ withdrawal from Georgia. Talks resumed, notwithstanding the fact that the Russian troops had not withdrawn. Given the fact that the EU did not ponder political alternatives to these actions, the inevitable question arises about what the EU cherishes most, its energy or its values (15).
For its part, NATO decided to suspend cooperation with Russia, but Russia’s leadership does not seem too offended. Alexander Lukashevich, Russia’s foreign ministry spokesman, recalled that this is not the first time such a gesture was assumed by the West and that after Russia’s war with Georgia NATO-Russia militar cooperation resumed (16). But while Russia is not worried about the interruption of a dialogue with NATO, Moscow does fear the integration of Ukraine and Georgia into NATO. Thus far, Western sanctions do not seem to have had an effect on the Kremlin strategy (17). Quite the contrary (18). Hence, if “freezing assets” is not an issue for Russians, what is? The Kremlin propaganda at the same time does its best to discredit any proactive policy by the West towards Crimea. According to the notorious Director General of the Rossiya Segodnya International Information Agency, Dmitry Kiselev, even the present response of the West, restrained though it is, deserves the following label: “Western behavior borders on schizophrenia” (19).

Boldness: Unexpected and Necessary
None of the three countries that are victims of Russia’s actual or potential separatist policy – Ukraine, Georgia, and Moldova – can join NATO or the EU with a ‘pending’ territorial conflict with a neighbor. Therefore, the cost of their accession may well be giving up a part of their country. If these states are willing to pay such high price, NATO must welcome them as members as soon as possible. Speeding up Ukrainian, Georgian and Moldovan accession to NATO would be the bold move. Membership Action Plan would not be sufficient (20). Moscow, which has always claimed that NATO enlargement was a broken promise, may be surprised by a swift, unified response, as those in the Kremlin have come to expect feeble behavior and sluggish responses from the EU and even from NATO. A bold move by NATO would finally set limits on Russia’s assertiveness. New Russian interventions in Georgia and Moldova are possible (21). Alexander Grushko, Russia’s permanent representative to NATO, reaffirmed Russia’s warning about Ukraine and Georgia membership. But will Russia really intervene if these countries became NATO members? After all, if we are before a novum frigus bellum we know it will not be the same as the previous Cold War. The division lines are already different, perhaps to a higher degree than is commonly thought. Any move that checks Russia’s influence is welcome (22).
Already some positive signs that could be the necessary precondition for such actions are appearing. NATO Secretary-General, Anders Fogh Rasmussen, has stated that “Russia’s military aggression in Ukraine is in blatant breach of its international commitments and it is a violation of Ukraine’s sovereignty and territorial integrity” (23). In Athens on April 5, Sweden’s Foreign Minister Carl Bildt stated that the EU “should be very firm on international law and the rules that must apply”. Referring to the banner “Crimea is in my heart” placed behind Vladimir Putin during a rally last month, Bildt went further noting that we should wonder what else Putin cares about (24). Indeed, one must ask what is going to be the cost of the resurgence of Russian greatness, and how far Russia’s leadership might go. However, we know one thing already: any sign of hesitation from the West will be interpreted by Moscow as a license to proceed with Russia’s previous course. Presently, Russia is well ahead in the triggering of events. Should the EU and especially NATO conform? Now is the time for decision. Deciding according to convenience means a loss of credibility. It also shows a marked lack of values. EU countries must show cohesion and speak with a single voice. NATO must act according to its essential purpose. A refocusing and ‘returning’ to Europe on the part of NATO, rather than a stubborn maintenance of the “Asian pivot”, is wise. And taking a stand against Russia confirms NATO’s raison d’être.

Notes

1 International Monetary Fund, “Russia – Gross Domestic Product, constant prices” (IMF, World Economic Outlook, October 2013).
2 Vladimir Putin, “Press Statement and Answers to Journalists’ Questions Following a meeting of the Russia-NATO Council” (President of Russia, 4 April 2008).
3 Dmitry Medvedev, “The Military Doctrine of the Russian Federation” (President of Russia, 5 February 2010).
4 Yuri Zarakhovich, “Why Putin Pulled Out of a Key Treaty” (Time, 14 July 2007).
5 Denis Dyomkin, “Russia says Georgia war stopped NATO expansion” (Reuters, 21 November 2008).
6 Dmitry Astahov, “Russia’s 2008 war with Georgia prevented NATO growth – Medvedev” (Ria Novosti, 21 November 2011).
7 Bridget Kendall, “Crimea crisis: Russian President Putin’s speech annotated” (BBC News, 19 March 2014).
8 Maria Finoshina, “Eastern Ukrainian city of Donetsk rallies in favor of independence referendum” (RT, 5 April 2014).
9 “Ukraine crisis: What is happening where?” (BBC News, 14 April 2014).
10 Anastasia Vlasova and Oksana Grytsenko, “Ukrainian nationalists, pro-Russian separatists stage rival rallies in Odessa” (KyivPost, 6 April 2014).
11 Christian Oliver, “Tiny Transnistria becomes the frontline in east-west struggle” (Financial Times, 4 April 2014).
12 Tiago Ferreira Lopes, “Post-soviet Unfrozen Dilemmas: Profiling Gagauzia” (State Building and Fragility Monitor, No. 7, March 2014).
13 Laura Ferreira-Pereira, “The European Union as a ‘Model Power’: Spreading Peace, Democracy and Human Rights in the Wider World”, in Federiga Bindi (ed.), The European Union Foreign Policy: Assessing Europe’s Role in the World (Brookings Institution Press, 2012).
14 Alena Vysotskaya Guedes Vieira, “The many patterns of Europeanization: European Union Relations with Russia, Ukraine and Belarus”, in Teresa Cierco (ed.), The European Union Neighborhood. Challenges and Opportunities (Farnham: Ashgate, 2013).
15 Council of the European Union, “Council conclusions on Ukraine” (European Union, 20/21 March 2014).
16 Timothy Heritage, “Russia says NATO reverts to Cold War-era mindset” (Reuters, 2 April 2014).
17 “Russian Deputy PM Plays Down Western Sanctions” (Ria Novosti, 15 March 2014).
18 Igor Ivanov, “Western Sanctions Are a Sign of Weakness” (The Moscow Times, 27 March 2014).
19 “Western behavior borders on schizophrenia” (Ria Novosti, 5 April 2014).
20 Joshua Kucera, “Ivanishvili: We Will Get NATO MAP in 2014” (Eurasianet.org, 2 May 2013).
21 Nicu Popescu, “After Crimea: Putin’s Balance Sheet” (EUISS, Issue Alert No. 24, 4 April 2014); Giorgi Menabde, “Kremlin’s Followers in Georgia Become Active” (The Jamestown Foundation, 3 April 2014).
22 “Eurasian Economic Union Treaty Could Be Signed by May” (Ria Novosti, 3 April 2014).
23 Fred Dews, “NATO Secretary-General: Russia’s Annexation of Crimea Is Illegal and Illegitimate” (Brookings Now, 19 March 2014).
24 Demetris Nellas, “EU Working With Russia, Ukraine to Defuse Crisis” (Associated Press, 5 April 2014).

Read more here: IPRIS Viewpoint 144


To whom it may concern

Putin Dugin Karaganov

Concerning Europe, this is what Putin and “entourage” desire:

 

Russians want to be in,
throw the Americans out
and keep the germans down.

 

Which they will only accomplish with NATO disbanding.


Nostalgias (2)

O diferendo entre a NATO e a Rússia sobre o novo sistema de defesa antimissil, para a europa, relembra outros tempos.

E, a todos os níveis, outras circunstâncias!


Tolerância e paciência

 

Exemplos de tolerância (via O Insurgente) e de paciência (via Fiel Inimigo) no mundo que nos rodeia.


Na Encruzilhada: UE, Turquia e NATO

Já foram escritas muitas linhas sobre a possibilidade da integração da Turquia na União Europeia (UE). Mas, numa altura em que as negociações entre as duas partes se arrastam, inclusive estando suspensas em alguns sectores chave, tendo em consideração os acontecimentos vividos no Médio Oriente, em especial no Iraque e às ofensivas do exército turco contra o Partido dos Trabalhadores do Curdistão (PKK), não será perda de tempo reflectir um pouco mais sobre este assunto e equacionar alguns cenários.

Devido à importância da sua posição geográfica, a Turquia é, desde 1952, membro da Aliança Atlântica (NATO). Naturalmente que a data atrás referida remete-nos para o período da Guerra-fria. Não sendo a Turquia um país comunista não é estranhar que, juntamente com a Grécia, ambos os países tenham aderido à NATO e, assim, ficaram mais protegidos das tendências expansionistas da ex-União Soviética. Mas só porque a Guerra-fria já acabou com ela também se foram as tendências expansionistas da Rússia?

Há, desde 1725, na Rússia, um documento que, apócrifo ou não, tem influenciado o seu comportamento como Estado. Nem sequer a Revolução de 1917 e a consequente mudança de regime alterou a execução das ideias nele contidas. Refiro-me ao Testamento de Pedro, o Grande. Sendo que a mudança para o sistema capitalista tem acelerado o seu potencial de crescimento, não é de admirar que o germe da expansão se volte a manifestar.

Ora a Turquia, apesar de ser governada por um partido de natureza islâmica, é um Estado laico. São os militares quem garantem que assim continuará a ser. Como tal, se a sua candidatura à UE for adiada e/ou recusada e na hipótese de um regime teocrático ser estabelecido no Iraque, a Turquia passará a estar muito mais receptiva a uma eventual aliança com a Rússia.

Juntamente com a Turquia são potenciais candidatos à UE, países com uma forte presença muçulmana. Refiro-me à Albânia, Macedónia, Bósnia Herzegovina e Montenegro, países que estão geograficamente localizados entre Estados-Membros da UE, a Eslovénia e a Grécia. Como tal, na eventualidade de um conflito que envolva ocidentais e islâmicos, que género de reacções são de esperar das comunidades muçulmanas destes países? Quais são os tipos de ramificações que estas comunidades possuem com as comunidades muçulmanas em França, Inglaterra, Alemanha e Holanda? E que repercussões devemos esperar nos Balcãs?

Por sua vez, na suposição da transformação do Iraque num regime teocrático, países como a Arménia e Geórgia não ficarão sossegados e irão procurar protecção algures. Supondo que esse apoio virá da Rússia, que efeitos terá no xadrez, não apenas regional mas também mundial, uma aliança que una a Rússia, Turquia, Arménia e Geórgia? Pela mesma ordem de razão é claro que, devido à falta de alternativas, o Cazaquistão, Azerbeijão, Turquemenistão, Quirguistão, Tajiquistão e Uzbequistão também poderão aderir a essa coligação. Afinal, para além da protecção recebida estes Estados também conseguem impedir a sua transformação em regimes teocráticos de matriz islâmica. E, de todos estes países, qual é aquele que, devido ao seu passado histórico, está mais vulnerável a esse cenário? A Turquia, sem dúvida nenhuma.

Convém não esquecer que resultante da sua acção diplomática, particularmente sentida no âmbito da Organização de Cooperação de Xangai, a Rússia foi capaz de recuperar muita da sua anterior influência na região.

E, no que respeita a prováveis perspectivas para o Médio Oriente é prudente ter em mente que o Hezbollah ainda não desistiu do seu sonho de transformar o Líbano num Estado teocrático, que do cenário de guerra civil que se vive no Iraque pode muito bem também emergir um regime teocrático e que o Irão [rodeado por potências nucleares (Rússia, China, Paquistão, Índia e Israel)] não vai abandonar o seu programa nuclear pacificamente. A concretização de qualquer uma destas hipóteses não augura um aliviar de tensão entre ocidentais e árabes. Antes pelo contrário.

Assim, é de considerar que uma adesão da Turquia à UE pode alterar as jogadas do xadrez e teria, entre outras, duas vantagens fundamentais: A primeira, de nível psicológico, permitiria à UE abalar as ideias de superioridade segundo as quais é perspectivada, pelos povos árabes, ao aceitar no seu meio um país de matriz islâmica; a segunda, marcadamente estratégica, tornaria o território da Turquia numa espécie de zona tampão.

No entanto, dificilmente será consensual qualquer decisão que venha a ser tomada neste assunto. Tanto politicamente como historicamente. E, muito recentemente, o Presidente francês reafirmou a sua oposição à entrada da Turquia na UE.

Mas, será que a integração da Turquia na UE sem direito, pelo menos durante um período de tempo nunca inferior a dez anos, às prerrogativas do acordo de Schengen é prejudicial? E qual será o custo da sua não entrada?

Público: 28 de Julho de 2008


Reflexão

A eventual adesão da Túrquia à União Europeia (UE) é uma questão apaixonante e primordial. Ninguém fica indiferente à mesma.

Em princípio, se não se alterar a essência do Estado de Direito, sou favorável à adesão turca. Por várias razões e debaixo de algumas condicionantes, é certo, que não irei aqui elencar. Apenas deixo vários tópicos para maturação:

Relembro que a decisão do Supremo Tribunal Constitucional turco foi conforme o estado de Direito e deixo acesso a um excelente artigo sobre esta temática.

Se queremos que os outros nos aceitem como somos, então devemos aceitar os outros como eles são;  Compromissos serão necessários, é certo.

Para além disso, devemos considerar duas nuances.
Primeiro, imaginemos que Recep Tayyip Erdogan continua a respeitar os valores e princípios do Estado de Direito, mas que vê recusada a adesão à UE; Segundo, que Erdogan transforma a Turquia num estado islâmico, o que automaticamente significará a não entrada na UE.

Considerando uma eventual saída da Turquia da NATO, e uma possível aliança com a Rússia, valerá a pena integrar a Turquia na UE? Será essa circunstância suficiente para manter a Turquia como um estado laico?

Pessoalmente, neste último caso, passarei a ser desfavorável quanto à entrada da Turquia na UE e da sua permanência na NATO.

P.S. – as acções do AKP (Partido da Justiça e Desenvolvimento) sobre os militares e o poder judicial sinalizam uma mudança de postura dos órgãos de soberania turcos relativamente ao estado de Direito, uma mudança que não augura bons sinais. Receio que Erdogan tenha uma estratégia de manutenção do poder que não seja compatível com os cânones ocidentais. Tenho notado uma subtil alteração no comportamento dos responsáveis do AKP nesse sentido.
Evidentemente, poderei estar errado.


Repensar perspectivas

A época actual, no que respeita a temáticas relacionadas com relações internacionais, geopolítica, geoeconomia, etc., está a revelar-se muito interessante.

Consideremos a problemática dos centros de influência mundial. Primeiro, se recordarmos os tempos da Guerra fria, lembraremos que o mundo esteve bipolarmente dividido, em dois blocos, com a predominância de duas superpotências, os Estados Unidos da América (EUA) e a União Soviética e as respectivas conexões de sistemas; segundo, com o colapso do sistema soviético, globo passou a ter uma única superpotência, os EUA; e, terceiro, devido ao desenvolvimento, particularmente económico, daí decorrente, qual Fénix renascida, a divisão bipolar parece estar a regressar.

Quais são as diferenças que podemos observar? Se a nossa análise se focalizar na geopolítica, é facilmente perceptível que a predominância do Atlântico é transversal aos três períodos acima mencionados. No entanto, se os pressupostos de observação forem geoeconómicos, então a bipolaridade é mais inteligível, pois notamos que apesar do centro político mundial ainda permanecer no Atlântico, o centro económico mundial mudou-se para o Pacífico.

Por outras palavras, a globalização teve a consequência de provocar uma dissonância no binómio político/económico e fez com que o mundo contemporâneo seja geopoliticamente visto a partir do Atlântico e geoeconomicamente observado do Pacífico.

A crescente capacidade económica de países geograficamente localizados no Pacífico ou na orla deste, nomeadamente no Índico, coloca algumas questões. Afinal, não é só nos nossos dias que riqueza é poder. Todo e qualquer exemplo histórico de expansão pode ser utilizado para ilustrar esta afirmação. Consequentemente, a possibilidade de uma transferência do centro político mundial para esta região deve ser, pelo menos, encarada e pensada.

E só esta hipótese já levanta problemas consideráveis. Senão vejamos. No caso de uma efectiva deslocalização dos pólos, político e económico, de influência mundial para o Pacífico, no que concerne à transferência dos centros de decisão políticos transatlânticos e internacionais para as imediações para aquela região, os dos EUA serão facilmente deslocáveis, mas para os das Nações Unidas a dificuldade será maior e os da União Europeia (UE) serão quase impraticáveis.

Mas, para já, ainda mais relevante é reter que a União Europeia, que é uma potência económica mundial, terá que se afirmar num mundo economicamente centrado no Pacífico, ou seja, fora da sua zona geográfica, cenário que acontece pela primeira vez na sua história.

Só segundo os prismas acima referidos as elações já são interessantes, mas concomitantemente, também devemos ponderar o ressurgimento da Rússia no palco mundial e a afirmação do Irão como potência regional, e, se preferirem, examinar este mundo com dois centros de decisão distantes segundo as tensões religiosas e as dinâmicas civilizacionais.

Ficará para outra altura a abordagem a esta problemática de acordo com estas duas últimas perspectivas. Por agora, ficaremos pela óptica que temos vindo a desenvolver.

E, na nossa opinião (que já anteriormente defendemos e sustentamos em outros fóruns), para contrariar esta tendência, a Aliança Transatlântica precisa de evoluir no sentido da sua vocação, i.e., uma vez que valores universais estão na sua génese, é chegada a altura de efectivar essa aptidão e de se transformar numa organização mundial.

Há muito mais em jogo do que o aqui considerado. Nos tempos que passam, repensar perspectivas não é um mero exercício intelectual. É uma obrigação. Só assim estaremos preparados quando as probabilidades se concretizarem.

16 de Maio de 2008 – O Primeiro de Janeiro


Citações e os tempos

Passados seis anos dos atentados de 11 de Setembro de 2001, o mundo mudou. Os tempos são outros. Será que pensamentos expressos outrora são capazes de reflectir os dias de hoje?

Por exemplo, a problemática gerada à volta do acontecimento supra mencionado levou, um pouco por todo o mundo, mas com especial ênfase nos Estados Unidos da América, ao implementar de variadas medidas que, ao reforçar a segurança, restringiram as liberdades cívicas dos seus cidadãos.

Em comentários elaborados sobre conjunturas análogas, experimentadas em distintos períodos da história, foram, entre outras, expressas as seguintes afirmações:

“Aqueles que prescindem de liberdade por segurança temporária, não merecem nem liberdade nem segurança” BENJAMIN FRANKLIN;
“Mas, quando a Constituição de um governo se desvia da liberdade, esta nunca será reposta. A liberdade, uma vez perdida, é-o para sempre” JOHN ADAMS;
“Eu não defendo mudanças frequentes nas leis e nas Constituições, mas as leis e as instituições devem andar de mão dada com o progresso da mente humana. À medida que este se desenvolve, se torna mais esclarecido, que novas descobertas e verdades são feitas e que os comportamentos e opiniões mudam, com a transformação das circunstâncias, as instituições devem evoluir para acompanharem os tempos.” THOMAS JEFFERSON.

Por sua vez, ainda dentro deste tema, realçando uma perspectiva diferente, talvez devido ao correr do tempo, WOODROW WILSON disse: “A liberdade nunca nasceu do governo. A história da liberdade é uma história de resistência. A história da liberdade é uma história de limitações ao poder governamental, e não do seu aumento”.

Sabendo quem foram os perpetuadores dos atentados às torres gémeas e os motivos por eles sustentados como justificação para esses actos, não deixa de ser irónico que, segundo LORD ACTON, “a maneira mais fidedigna de se ajuizar o grau de liberdade de um país seja a amplitude de segurança gozada pelas suas minorias”.

E que outras consequências emergiram do já referido momento?

Das opções tomadas, resultou a guerra contra o terrorismo. Ora, os tempos de guerra não são períodos normais. E, de acordo com JIMMY CARTER, “às vezes, a guerra pode ser um mal necessário. Mas, apesar da sua urgência, será sempre um mal e nunca um bem. Não é pela matança dos nossos filhos que nós aprenderemos a viver juntos em paz”. Contudo, uma vez tomada a decisão, devemos apoia-la até ao fim. Mesmo quando não concordamos com ela. Mesmo quando más decisões estratégicas são postas em pratica.

Ter iniciado as operações no Iraque sem ter consolidado a situação no Afeganistão, poderá representar um preço muito alto. Como consequência, temos duas frentes de guerra e estamos em maus lençóis em ambas. Já não se trata apenas de retirar do Iraque. Possivelmente, também estamos perante o primeiro desaire da NATO. Assim, no limite, o seu custo será tanto a segurança como a liberdade. Consequentemente, será necessário cerrar ainda mais as fileiras.

E até à reposição da normalidade, as palavras de ADAMS, CARTER, FRANKLIN, JEFFERSON e WILSON permanecerão a ecoar nas nossas mentes.

Ler ou, para alguns, reler pensamentos anteriormente expressos e tentar adequa-los aos tempos experimentados não deixa de ser um exercício engraçado. Foi precisamente essa a intenção desta reflexão. No entanto, é pertinente equacionarmos se os autores referenciados fariam as mesmas afirmações nas circunstâncias de hoje.

Independentemente dessa possibilidade, o dilema – se assim for encarado – é que se não estamos dispostos a prescindir da liberdade por segurança, então é bom estarmos prontos a lutar, e morrer, por essa liberdade. Como muito bem disse JOHN QUINCY ADAMS: “o dever é nosso, o resultado é de Deus”.

Por incrível que pareça, consciente ou inconscientemente, a escolha será sempre efectuada. Talvez até já esteja pré seleccionada! Afinal, todos (?), possuímos o instinto da sobrevivência.

Os tempos são de escolhas. E as escolhas fazem as citações dos tempos.

13 de Setembro de 2007


A (de)pendencia da defesa europeia (III)

Com esta terceira, e última, parte de considerações versando a temática da questão da defesa europeia, é apropriado fazer uma recapitulação das perspectivas abordadas nas duas anteriores reflexões.

Primeiro, vimos que as oscilações observadas nas relações entre os Estados Unidos da América (EUA) e a Rússia têm profundas implicações na Europa. Segundo, que a Europa hoje é o que é porque os EUA continuam a defender-nos.

Igualmente observamos que o mundo não é idealista, mas sim realista. E que a Aliança Transatlântica, razão de ser do mundo de hoje, terá que se adaptar num planeta centrado no Pacifico. Para tal, é necessário que ambos os seus pólos sejam fortes tanto económica como militarmente.

Por isso, não são suficientes as reformas, programas e iniciativas que foram implementadas pelos dirigentes da Aliança Atlântica (NATO) na Cimeira de Praga de 2002. Tendo em vista que a NATO deixou de estar geograficamente limitada, que os vários contingentes europeus que integram as forças da Aliança no Afeganistão irão sofrer mais baixas ao ponto de afectar seriamente opinião publica europeia e considerando a possibilidade de um falhanço dos objectivos delineados para a Força Internacional de Assistência à Segurança (ISAF), não podemos deixar que mesquinhices nacionais afectem a coesão europeia e que, consequentemente, abalem a ligação euro-atlântica. Como tal, era muito importante que a União Europeia (UE), e não somente alguns dos seus Estados-Membros, tomasse diligências concretas neste domínio, como a criação de uma verdadeira política comum de defesa. Tal posição representaria um sinal inequívoco que a Aliança Transatlântica é constituída por dois pilares decididos e coesos.

Mas não é somente este cenário que devemos brandir como argumento. Também não devemos descurar as intenções que alguns (Al-Qaeda, Taliban, Bin Landen, Hezbollah, etc) manifestam pela destruição dos princípios e valores que nos identificam. E igualmente não são de descartar as ameaças económicas e o risco que a ausência do poderio militar significam quando confrontados com alianças geoeconómicas, mesmo que temporárias, como as verificadas entre Pequim, Teerão e Moscovo.

Por sua vez, os diversos alinhamentos políticos que se verificam entre os grandes Estados-membros da UE face ao poderio alemão, em virtude do novo sistema de votação, levantam fantasmas do passado. Haverá o risco do reacendimento dos antigos ódios nacionalistas e novas divisões fracturantes na Europa? Felizmente que aqui, mais uma vez, será o vínculo transatlântico que proporcionará o pender para o equilíbrio e para a manutenção do diálogo intra-europeu.

A Europa, e tudo que ela representa, é algo por que vale a pena lutar e morrer. Martin Luther King, Jr., disse: “Se um homem não descobriu nada pelo qual morrer, não está pronto para viver”. Não me parece que abdicar de parte do investimento na esfera económica e social em prol da defesa e segurança, que permite a manutenção do nosso modo de vida, seja realmente pernicioso.

Para a Europa, o aumento do investimento em defesa não é apenas uma questão de afirmação internacional. Também é um imperativo para a sua sobrevivência e para a manutenção do seu nível de vida. Mas não só, porque ao analisar as circunstâncias que caracterizam o mundo, percebemos que tal decisão pode ser fundamental para o futuro da Aliança Transatlântica e, quiçá, da civilização ocidental. E o futuro, como nos ensinou Mohandas Gandhi, depende do que fazemos no presente.

Em suma, o tempo, para a Europa, é de consolidação dos mecanismos e meios que permitam a continuação da sua afirmação num mundo em convulsão. Ou seja, a Europa não deve ficar dependente, nem de outros nem das diferentes preferências que cada um dos seus Estados-membros tem.

E, como muito bem disse Francis Bacon, “Escolher o tempo próprio é ganhar tempo”.

16 de Agosto de 2007 – O Primeiro de Janeiro


A (de)pendencia da defesa europeia (II)

Já vinha de trás, mas a perda da primazia europeia no palco mundial deu-se definitivamente após a segunda grande guerra. Apesar de ser parte no lado vencedor da guerra, a Europa, principal campo de batalha do conflito mundial, estava completamente de rastos. Necessitava de se reconstruir e também de precaver futuras altercações entre os países europeus.

O auxílio norte-americano também aqui foi precioso e a constituição da North Atlantic Treaty Organization (NATO) tornou-se numa peça fundamental na elaboração da Europa pós-guerra. Ajudando, tanto aliados como inimigos, os Estados Unidos da América (EUA) lançaram as bases – e o exemplo – que veio a efectivar o entendimento franco-alemão e, consequentemente, uma nova Europa unida e convergida em objectivos comuns.

Contudo, se tal sentido foi conseguido nas áreas económica, social e política, não foi passível de obtenção, sem a presença dos EUA no seu meio, na área militar. Note-se o fracasso da Comunidade Europeia de Defesa. Assim, foi para a NATO que se transferiram a maior parte dos aspectos englobados nessa temática. Por outras palavras, os norte-americanos defendiam-nos.

É curioso notar que sessenta anos depois, os inimigos de ontem são os aliados de hoje. Mas apesar da estreita aliança que liga os EUA ao Japão e da protecção militar que aqueles dão a estes, o Japão dá sinais de uma insatisfação relativamente ao disposto no artigo IX da sua Constituição. Ora este artigo, para além de estipular o limite de gastos até 1% do PIB em aquisição de equipamentos destinados à defesa também impede o Japão de declarar guerra a outro Estado.

Os mesmos pressupostos são visíveis na base da recuperação europeia. Foi a capacidade de defesa norte-americana e o seu «compromisso» em nos proteger que viabilizou a nossa ascensão económica, pois uma vez que não tivemos necessidade em dispensar quantias consideráveis em defesa canalizamo-las para o crescimento económico e para o bem-estar social. No entanto, se os Estados europeus mantiveram as suas capacidades tout court, não parecem minimamente preocupados com a sua dependência militar, apesar do mundo estar a transformar-se.

O que é que nos diz a história? Que se repete. E a humanidade? Que aprende pouco. Reiterando as questões, respondo fazendo uso das palavras de Charles Snow, “a história não tolera as derrotas” e de Jonathan Swift “como é possível esperar que a humanidade ouça conselhos, se nem sequer ouve as advertências”.

O mundo altera-se e o seu centro desloca-se para o Pacifico. A regra vigente é que não há regras. As ameaças são transnacionais e as guerras são assimétricas. Então, podemos dar-nos ao luxo de ignorar a defesa e a segurança? Nos dias de hoje não basta ser economicamente forte. Num planeta centrado no Pacifico, a aliança Transatlântica precisa de ter dois elos resistentes, tanto económica como militarmente. Para além disso, nós, europeus, não podemos estar sempre a contar com as garantias dos outros. Também temos que as prestar.

Wu Ch’i (430 a.C. – 381 a.C.) disse: “A forma de manter o país seguro está na precaução”. Hoje, mais do que nunca, a precaução é uma responsabilidade. E para a Europa não é perda de tempo ou de recursos investir mais em defesa e segurança. Afinal, não é apenas o interior das nossas casas que devemos proteger. Também o local onde as edificamos deve ser protegido.

Por sua vez, George Bernard Shaw disse: “O homem razoável adapta-se ao mundo; o homem que não é razoável obstina-se a tentar que o mundo se lhe adapte. Qualquer progresso, portanto, depende do homem que não é razoável”. Para o melhor e, infelizmente, para o pior, tal é verificável.

Como a improbabilidade tem a propensão para se transformar numa possibilidade que mais cedo ou mais tarde é uma inevitabilidade, é chegada a altura de o homem razoável servir de contraponto ao homem que não é razoável.

2 de Agosto de 2007 – O Primeiro de Janeiro


A (de)pendencia da defesa europeia

As ocorrências nas relações entre os Estados Unidos da América (EUA) e a Rússia, por causa do escudo anti-míssil, e os seus efeitos na temática da defesa europeia merecem alguma reflexão.

A concepção de um guarda-chuva contra um ataque de mísseis balísticos intercontinentais não é nova. Data da década dos anos 60 do século passado e, apesar de ter sido recusada pelo então Secretário de Defesa dos EUA, Robert S. McNamara, nunca foi completamente esquecida. É precisamente aqui que encontramos a génese do programa “StarWars” que o Presidente Ronald Reagan, em 23 de Março de 1983, no seu discurso sobre segurança nacional, anunciou à Nação americana e ao mundo.

Após o colapso da ex-União Soviética, a perspectiva geopolítica mundial alterou-se e, em 1999, na revisão do conceito estratégico da Aliança Atlântica (NATO) o tema foi alvo de breve alusão, apenas no que respeitava às eventuais ameaças sobre os destacamentos de forças. Com os atentados de 11 de Setembro de 2001, os EUA abandonaram unilateralmente as convenções internacionais que proibiam o desenvolvimento deste tipo de sistemas e iniciaram a construção que um escudo contra eventuais ataques de países inimigos (Irão e Coreia do Norte). Os europeus, na Cimeira de Praga de 2002, aquiescendo com as propostas norte-americanas, foram dizendo que talvez não fosse má ideia pensar na problemática da protecção anti-míssil.

Ao contrário do que se verificou com as administrações norte-americanas e a administração Yeltsin, as relações entre a administração Bush e a administração Putin foram sempre tensas. Se o alargamento da NATO foi sempre visto com alguma desconfiança, a entrada dos Estados Bálticos na Aliança e as posições da actual administração dos EUA, no que respeita ao Iraque, Ucrânia, Bielo-Rússia e Geórgia, só serviram para aumentar essa suspeita. Alexei Arbatov (Vice-presidente do partido YABLOKO e membro da Academia de Ciências Russa) ao referir-se sobre a defesa anti-míssil afirmou que não há argumentos que convençam os russos que os projécteis a colocar na Polónia não são ameaça, pois estes só o perspectivam como tal. Igualmente refere que, contrariamente à sua posição de intolerância sobre a proliferação nuclear, com a instalação desses mísseis interceptores os EUA estão a aceitar que o Irão desenvolva armas atómicas ou não teriam a necessidade de se defender delas.

Porque é que a proposta de utilização do radar que a Rússia possui no Azerbeijão (Gabala) não é suficiente? Usualmente são três as fases do trajecto de um míssil balístico: Boost, mid-course, e terminal. Ora, o radar russo apenas faz a detecção de lançamentos e o sistema norte-americano, para além de a requerer também implica o seguimento para intercepção do alvo durante a 2ª fase do percurso, que é mais longa e onde a trajectória já está definida. Um sistema deste tipo visa a destruição do engenho, por uma “defesa sucessiva por camadas”, durante as duas primeiras fases do voo através de uma intercepção e não por uma perseguição ao alvo.

Então, para a Europa, que tipo de impacto provoca a elaboração de um sistema deste género? Uma vez que a construção do escudo anti-míssil que os EUA pretendem efectivar implica a colocação de dois dispositivos, um radar raios X e dez mísseis interceptores, em dois dos países europeus que durante a Guerra-fria estiveram para lá da Cortina de Ferro, respectivamente na Republica Checa e Polónia, os europeus devem considerar as implicações político-militares que emergem da utilização do território europeu para concretização de tal escudo: a segurança interior da Europa e o contacto exterior, i.e., diplomático, particularmente com a Rússia.

Qual é o risco, para a segurança europeia, da atitude tomada por Vladimir Putin de suspensão do Tratado sobre Forças Convencionais na Europa (FCE)? Respondendo à questão, convém lembrar que um dos pilares fulcrais da segurança e estabilidade europeia é precisamente o FCE. Foi através deste instrumento que a redução dos armamentos convencionais foi negociada e que foi estipulado um mecanismo de inspecções recíprocas e de comunicação mútua de grandes manobras militares que visavam o melhoramento da confiança Este/Oeste. Para além das suposições implícitas nesta suspensão note-se que, recentemente, a Rússia lançou o “Yury Dolgoruky”, o primeiro de uma nova classe (Borei) de submarinos de mísseis balísticos.

O mundo em que vivemos é regido pelo realismo e não pelo idealismo. Para a Europa, talvez fosse prudente um reequacionar das suas capacidades militares e das suas políticas de defesa.

19 de Julho de 2007 – O Primeiro de Janeiro