Na base do conhecimento está o erro

Posts tagged “morte

Não, Senhor Ministro. Lamentável é brincar com a memória dos mortos!

Conselho de Ministros

No início deste mês, Bruxelas, Eduardo Cabrita, ministro da Administração Interna (MAI), afirmou em Bruxelas que a criação do mecanismo europeu de protecção civil é “uma prioridade de topo” para o governo português e para os portugueses. Lamentou resposta dada pelo Europa na altura e reafirmou o “nunca mais”.

Contudo, quando proferiu estas afirmações, Eduardo Cabrita já sabia que o concurso público internacional que o Governo Português abriu no final do ano passado, apenas conseguiu atingir 20% dos objectivos a que se propunha. Ou seja, dos 50 meios aéreos de combate a incêndios previstos, só 10 estão contratualizados.

A reacção dada a esta situação é significativa e esclarecedora. O MAI abriu um novo concurso, urgente, para assegurar as 40 aeronaves em falta. Porém, vai gastar o mesmo dinheiro (48,9 milhões de euros) por menos serviços (menos horas de voo, meios aéreos diferentes e alterações ao gel retardante usado para apagar as chamas).

Não sei qual é o entendimento que Eduardo Cabrita tem sobre o “nunca mais” mas, na minha opinião, este tipo de expedientes não honra a memória dos que morreram nos incêndios de 2017.  Nem o futuro mecanismo europeu de protecção civil, nem a referência à resposta da ajuda europeia, ou falta dela, mitigam a responsabilidade do governo pela falta de preparação do dispositivo planeado e, pior ainda, pela decisão de manter um plano de acção que se tinha revelado insuficiente. Muito menos o faz a vergonha que se verifica com o aluguer dos meios aéreos. Antes pelo contrário. Demonstra a irresponsabilidade na gestão do assunto.

P.S. –  Os kamov, herança socialista de 2006, continuam parados a custar dinheiro.

Advertisements

O que é um fim digno?

“O governo de ocupação de Tsolakoglou retirou-me o meu último meio de sobrevivência – uma pensão de reforma inteiramente financiada por mim (sem qualquer apoio do Estado) ao longo de 35 anos.
Uma vez que a minha idade não me permite recorrer à força (ainda que, se algum compatriota pegasse numa Kalashnikov, eu seria o primeiro a juntar-me a ele), não encontro outra solução que não seja procurar um fim digno, antes de me ver forçado a vasculhar no lixo em busca de comida.
Acredito que, um dia, a nossa juventude sem futuro pegará em armas e pendurará os traidores desta nação de cabeça para baixo na Praça Syntagma, como os italianos fizeram em 1945 com Mussolini (na Piazza Loreto, em Milão).”

Ontem suicidou-se um cidadão grego em plena Praça Syntagma, defronte do Parlamento Grego, deixando com ele a carta/bilhete acima reproduzida.

Pessoalmente, considero que há sempre uma opção relativamente às adversidades da vida. Contudo, não questiono a opções de terceiros e espero, sinceramente, nunca ser confrontado com as circunstâncias que este homem viveu.
Ora, segundo um Estudo da Universidade de Cambridge, publicado na Lancet, o número de suicídios aumentou significativamente na Grécia, devido à crise social que aquele país atravessa, pelo que, aparentemente, o mesmo não é novidade.
Aceito perfeitamente, apesar da minha formação católica,  que existam situações em que o suicídio seja um fim digno.
Mas quando o mesmo é transformado num espetáculo, tenho as minhas duvidas.

P.S. – Também não gostei nada do espetáculo feito com o enforcamento de Saddam Hussein e a execução de Kadhafi. Toda a morte deve ser digna.