Na base do conhecimento está o erro

Posts tagged “liberalismo

“Isto é Gozar com quem Trabalha” – João Cotrim de Figueiredo

JCF IL

Sou suspeito, obviamente, mas o João Cotrim de Figueiredo esteve muito bem na entrevista que o Ricardo Araújo Pereira (RAP) lhe proporcionou, no “Isto é Gozar com quem Trabalha“.

Não só foi objectivo e claro como igualmente desmistificou a maioria das críticas ao que a Iniciativa Liberal defende.

Contudo, não tenho apreciado, nem gostado da generalidade dos comentários respeitantes ao RAP, o qual, apesar de ser de esquerda, não deixa de convidar pessoas de outras áreas ideológicas para o(s) seu(s) programa(s).

Nesse sentido, para além dum agradecimento – é, praticamente, o único que convida a IL (ou os seus representantes) para programas de televisão – desejo reconhecer uma atitude de pluralidade por parte de RAP.

Parabéns, João!

Obrigado, Ricardo!


O Neo-socialismo perdeu

Eleiçoes UK2019

Não quero tirar nenhum mérito à vitória de Boris Johnson, que está (como já estava) inteiramente legitimado para formalizar a saída da União Europeia. Porém, estou em crer que os britânicos, mais do que a questão do Brexit, recusaram o socialismo de Jeremy Corbyn.

O neo-socialismo, que diluiu as diferenças entre o socialismo e o comunismo, teve uma pesada derrota e demonstra ser uma receita errada.

Estou igualmente em crer que semelhante resultado irá verificar-se nos Estados Unidos. Nem Alexandria Ocasio-Cortez, nem Bernie Sanders são liberais. São socialistas que se infiltraram no Partido Democrata. Poderão ter algum sucesso ao nível estadual, mas dificilmente conseguirão ser eleitos para o poder executivo federal.


Sobre o liberalismo que a IL defende.

A IL está a ser continuamente atacada por ser liberal nos costumes. Curiosamente, ou não, estes ataques são feitos por apoiantes do Chega. Note-se que o adversário da IL é o socialismo. Todo e qualquer socialismo, incluindo o PSD que Rui Rio afirmou (e bem) ser de esquerda. Não me parece que o Chega seja um partido socialista.

O Chega também não é um partido liberal. Adoptou algumas ideias de liberalismo económico, mas na sua essência impera o conservadorismo. Perante o comportamento que evidenciam alguns dos seus apoiantes são mesmo ultraconservadores e tão intolerantes ou intransigentes como aqueles que dizem combater. Fazendo uso da história, estamos perante potenciais herdeiros do Miguelismo e/ou de pessoas que não se importariam nada de viver numa teocracia católica.

Um Estado conservador, à semelhança dum estado marxista, também procura condicionar a esfera e o comportamento do indivíduo. Como bem sabemos, não existem apenas ditaduras de esquerda.

Dito isto, vamos aos pontos.

Há uma diferença substancial entre uma opção individual e a sua prática dentro dos limites do individuo, que deve ser integralmente respeitada por todos, e querer impor essa opção aos outros como norma, diminuindo a liberdade e visando uma alteração de comportamentos. A minha opção merece o mesmo respeito que é dado a qualquer outra.

Eu vejo o IL a participar em marchas e paradas para defender o critério da opção e responsabilização individual contra a imposição normativa, e não só, do Estado. Algo está errado quando afirmam que há uma adesão à agenda de esquerda.

Será que os homossexuais são todos de esquerda? Ou ser de esquerda é uma condição para a afirmar da opção de sexualidade? Claro que não. O que nos leva à seguinte pergunta. Sabem qual é o principal problema da direita em Portugal: Falta de comparência.

Quando dizem que o eleitorado da IL não está no BE ou no PAN, eu não concordo. É claro que também está. Não totalmente, é certo, mas não deixa de estar. Alguns desses jovens que são votantes no PAN ou no BE, e que não são de esquerda, fazem-no porque na direita não encontram quem responda às suas expectativas. Para além disso, qualquer voto que a IL vá buscar ao PAN e/ou ao BE é menos um voto na esquerda.

Se é verdade que há pouco conhecimento do que é o liberalismo e as suas correntes, também é verdade que a IL tem possibilitado a divulgação das ideias liberais a muitas pessoas. Principalmente aos curiosos que se aproximam de nós.

Por fim, a IL defende um estado mínimo. Não defende o fim do Estado.

 

P.S. – Esta reflexão resulta duma troca de ideias com o João Pereira da Silva, que em boa hora conheci.


Para 2018? Um Portugal mais Liberal!

IL 2018.jpg


Boas Festas!

IL Natal


Liberalism vs Socialism

“Liberalism has its own history and its own tradition. Socialism has its own formulas and its own aims. Socialism seeks to pull down wealth; Liberalism seeks to raise up poverty. Socialism would destroy private interests; Liberalism would preserve private interests in the only way in which they can be safely and justly preserved, namely, by reconciling them with public right. Socialism would kill enterprise; Liberalism would rescue enterprise from the trammels of privilege and preference. Socialism assails the pre-eminence of the individual; Liberalism seeks, and shall seek more in the future, to build up a minimum standard for the mass. Socialism exalts the rule; Liberalism exalts the man. Socialism attacks capital; Liberalism attacks monopoly. These are the great distinctions which I draw, and which, I think, you will think I am right in drawing at this election between our philosophies and our ideals. Don’t think that Liberalism is a faith that is played out; that it is a philosophy to which there is no expanding future. As long as the world rolls round Liberalism will have its part to play – a grand, beneficent, and ameliorating part to play – in relation to men and States.”

Winston Churchill speech – May 4, 1908. Kinnaird Hall, Dundee


Portugal vai ter um partido liberal!

IL

Iniciativa Liberal