Na base do conhecimento está o erro

Posts tagged “globalização

Xi’s Gamble –

The Race to Consolidate Power and Stave Off Disaster

By Jude Blanchette

Xi Jinping is a man on a mission. After coming to power in late 2012, he moved rapidly to consolidate his political authority, purge the Chinese Communist Party (CCP) of rampant corruption, sideline his enemies, tame China’s once highflying technology and financial conglomerates, crush internal dissent, and forcefully assert China’s influence on the international stage. In the name of protecting China’s “core interests,” Xi has picked fights with many of his neighbors and antagonized countries farther away—especially the United States. Whereas his immediate predecessors believed China must continue to bide its time by overseeing rapid economic growth and the steady expansion of China’s influence through tactical integration into the existing global order, Xi is impatient with the status quo, possesses a high tolerance for risk, and seems to feel a pronounced sense of urgency in challenging the international order.

Why is he in such a rush? Most observers have settled on one of two diametrically opposite hypotheses. The first holds that Xi is driving a wide range of policy initiatives aimed at nothing less than the remaking of the global order on terms favorable to the CCP. The other view asserts that he is the anxious overseer of a creaky and outdated Leninist political system that is struggling to keep its grip on power. Both narratives contain elements of truth, but neither satisfactorily explains the source of Xi’s sense of urgency.

A more accurate explanation is that Xi’s calculations are determined not by his aspirations or fears but by his timeline. Put simply, Xi has consolidated so much power and upset the status quo with such force because he sees a narrow window of ten to 15 years during which Beijing can take advantage of a set of important technological and geopolitical transformations, which will also help it overcome significant internal challenges. Xi sees the convergence of strong demographic headwinds, a structural economic slowdown, rapid advances in digital technologies, and a perceived shift in the global balance of power away from the United States as what he has called “profound changes unseen in a century,” demanding a bold set of immediate responses.

By narrowing his vision to the coming ten to 15 years, Xi has instilled a sense of focus and determination in the Chinese political system that may well enable China to overcome long-standing domestic challenges and achieve a new level of global centrality. If Xi succeeds, China will position itself as an architect of an emerging era of multipolarity, its economy will escape the so-called middle-income trap, and the technological capabilities of its manufacturing sector and military will rival those of more developed countries.

Yet ambition and execution are not the same thing, and Xi has now placed China on a risky trajectory, one that threatens the achievements his predecessors secured in the post-Mao era. His belief that the CCP must guide the economy and that Beijing should rein in the private sector will constrain the country’s future economic growth. His demand that party cadres adhere to ideological orthodoxy and demonstrate personal loyalty to him will undermine the governance system’s flexibility and competency. His emphasis on an expansive definition of national security will steer the country in a more inward and paranoid direction. His unleashing of “Wolf Warrior” nationalism will produce a more aggressive and isolated China. Finally, Xi’s increasingly singular position within China’s political system will forestall policy alternatives and course corrections, a problem made worse by his removal of term limits and the prospect of his indefinite rule.

Xi believes he can mold China’s future as did the emperors of the country’s storied past. He mistakes this hubris for confidence—and no one dares tell him otherwise. An environment in which an all-powerful leader with a single-minded focus cannot hear uncomfortable truths is a recipe for disaster, as China’s modern history has demonstrated all too well.

A MAN IN A HURRY

In retrospect, Xi’s compressed timeline was clear from the start of his tenure. China had become accustomed to the pace of his predecessor, the slow and staid Hu Jintao, and many expected Xi to follow suit, albeit with a greater emphasis on economic reform. Yet within months of taking the reins in 2012, Xi began to reorder the domestic political and economic landscape. First came a top-to-bottom housecleaning of the CCP. The party had repeatedly demonstrated its ability to weather domestic storms, but pressures were building within the system. Corruption had become endemic, leading to popular dissatisfaction and the breakdown of organizational discipline. The party’s ranks were growing rapidly but were increasingly filled with individuals who didn’t share Xi’s belief in the CCP’s exceptionalism. Party cells in state-owned enterprises, private companies, and nongovernmental organizations were dormant and disorganized. Senior-level decision-making had become uncoordinated and siloed. The party’s propaganda organs struggled to project their messages to an increasingly cynical and tech-savvy citizenry.

Xi took on all these problems simultaneously. In 2013 alone, he initiated a sweeping anticorruption drive, launched a “mass line” campaign to eliminate political pluralism and liberal ideologies from public discourse, announced new guidelines restricting the growth of the party’s membership, and added new ideological requirements for would-be party members. The size of the party mattered little, he believed, if it was not made up of true believers. After all, he noted, when the Soviet Union was on the brink of collapse in the early 1990s, “proportionally, the Soviet Communist Party had more members than [the CCP], but nobody was man enough to stand up and resist.”

Next on Xi’s agenda was the need to assert China’s interests on the global stage. Xi quickly began land reclamation efforts in the South China Sea, established an air defense identification zone over disputed territory in the East China Sea, helped launch the New Development Bank (sometimes called the BRICS Bank), unveiled the massive international infrastructure project that came to be known as the Belt and Road Initiative, and proposed the Asian Infrastructure Investment Bank.

Xi continued to slash his way through the status quo for the remainder of his first term and shows no signs of abating as he approaches the end of his second. His consolidation of power continues uninterrupted: he faces no genuine political rivals, has removed term limits on his tenure in office, and has installed allies and loyalists in key positions. New research centers are dedicated to studying his writings and speeches, party officials publicly extol his wisdom and virtue, and party regulations and government planning documents increasingly claim to be based on “Xi Jinping Thought.” He has asserted the CCP’s dominance over vast swaths of Chinese society and economic life, even forcing influential business and technology titans to beg forgiveness for their insufficient loyalty to the party. Meanwhile, he continues to expand China’s international sphere of influence through the exercise of hard power, economic coercion, and deep integration into international and multilateral bodies.

Many outside observers, myself included, initially believed that the party’s inability to contain the outbreak of COVID-19 highlighted the weaknesses of China’s system. By the summer of 2020, however, Xi was able to extol the virtues of centralized control in checking the pandemic’s domestic spread. Far from undermining his political authority, Beijing’s iron-fisted approach to combating the virus has now become a point of national pride.

A UNIQUE MOMENT

Xi’s fast pace was provoked by a convergence of geopolitical, demographic, economic, environmental, and technological changes. The risks they pose are daunting, but not yet existential; Beijing has a window of opportunity to address them before they become fatal. And the potential rewards they offer are considerable.

The first major change is Beijing’s assessment that the power and influence of the West have entered a phase of accelerated decline, and as a result, a new era of multipolarity has begun, one that China could shape more to its liking. This view took hold as the U.S. wars in Afghanistan and Iraq became quagmires, and it solidified in the wake of the 2008 financial crisis, which the Chinese leadership saw as the death knell for U.S. global prestige. In 2016, the British vote to leave the European Union and the election of Donald Trump as president in the United States fortified the consensus view that the United States, and the West more generally, was in decline. This might suggest that China could opt for strategic patience and simply allow American power to wane. But the possibility of a renewal of U.S. leadership brought about by the advent of the Biden administration—and concerns about Xi’s mortality (he will be 82 in 2035)—means that Beijing is unwilling to wait and see how long this phase of Western decline will last.

The second important force confronting Xi is China’s deteriorating demographic and economic outlook. By the time he assumed office, China’s population was simultaneously aging and shrinking, and the country was facing an imminent surge of retirees that would stress the country’s relatively weak health-care and pension systems. The Chinese Academy of Social Sciences now expects China’s population to peak in 2029, and a recent study in The Lancet forecast that it will shrink by nearly 50 percent by the end of the century. Although Beijing ended its draconian one-child policy in 2016, the country has still recorded a 15 percent decline in births during the past 12 months. Meanwhile, the government estimates that by 2033, nearly one-third of the population will be over the age of 60.

Contributing to these woes is China’s shrinking workforce and rising wages, which have increased by ten percent, on average, since 2005. Larger paychecks are good for workers, but global manufacturers are increasingly moving their operations out of China and to lower-cost countries, leaving a rising number of low-skilled workers in China unemployed or underemployed. And because only 12.5 percent of China’s labor force has graduated from college (compared with 24 percent in the United States), positioning the bulk of the country’s workforce to compete for the high-skilled jobs of the future will be an uphill battle.

Directly related to this worrying demographic picture is the slowdown of China’s economy. With annual GDP growth having dropped from a high of 14 percent in 2007 to the mid-single digits today, many of the long-standing problems Beijing had been able to sweep under the rug now require attention and a willingness to accept economic and political pain, from unwinding the vast sea of indebted companies to demanding that firms and individuals pay more into the country’s tax coffers. At the heart of China’s growth woes is flagging productivity. Throughout the first several decades of the post-Mao reform period, realizing productivity gains was relatively straightforward, as the planned economy was dissolved in favor of market forces and droves of citizens voluntarily fled the countryside for urban and coastal areas and the promise of higher-wage jobs. Later, as foreign companies brought investment, technology, and know-how to the country, industrial efficiency continued to improve. Finally, the massive amounts spent on infrastructure, especially roads and rail, boosted connectivity and thus productivity. All of this helped a poor and primarily agricultural economy rapidly catch up with more advanced economies.

Yet by the time Xi assumed power, policymakers were finding it increasingly difficult to maintain momentum without creating unsustainable levels of debt, just as they had done in response to the 2008 global financial crisis. What is more, the country was already saturated with transportation infrastructure, so an additional mile of road or high-speed rail wasn’t going to add much to growth. And because almost all able-bodied workers had already moved from the countryside to urban areas, relocating labor wouldn’t arrest the decline in productivity, either. Finally, the social and environmental costs of China’s previous growth paradigm had become both unsustainable and destabilizing, as staggering air pollution and environmental devastation provoked acute anger among Chinese citizens.

Perhaps the most consequential shifts to have occurred on Xi’s watch are advances in new technologies such as artificial intelligence, robotics, and biomedical engineering, among others. Xi believes that dominating the “commanding heights” of these new tools will play a critical role in China’s economic, military, and geopolitical fate, and he has mobilized the party to transform the country into a high-tech powerhouse. This includes expending vast sums to develop the country’s R & D and production capabilities in technologies deemed critical to national security, from semiconductors to batteries. As Xi stated in 2014, first-mover advantage will go to “whoever holds the nose of the ox of science and technology innovation.”

Xi also hopes that new technologies can help the CCP overcome, or at least circumvent, nearly all of China’s domestic challenges. The negative impacts of a shrinking workforce, he believes, can be blunted by an aggressive push toward automation, and job losses in traditional industries can be offset by opportunities in newer, high-tech sectors. “Whether we can stiffen our back in the international arena and cross the ‘middle-income trap’ depends to a large extent on the improvement of science and technology innovation capability,” Xi said in 2014.

New technologies serve other purposes, as well. Facial recognition tools and artificial intelligence give China’s internal security organs new ways to surveil citizens and suppress dissent. The party’s “military-civil fusion” strategy strives to harness these new technologies to significantly bolster the Chinese military’s warfighting capabilities. And advances in green technology offer the prospect of simultaneously pursuing economic growth and pollution abatement, two goals Beijing has generally seen as being in tension.

THE PARANOID STYLE IN CHINESE POLITICS

This convergence of changes and developments would have occurred regardless of who assumed power in China in 2012. Perhaps another leader would have undertaken a similarly bold agenda. Yet among contemporary Chinese political figures, Xi has demonstrated an unrivaled skill for bureaucratic infighting. And he clearly believes that he is a figure of historical significance, on whom the CCP’s fate rests.

In order to push forward significant change, Xi has overseen the construction of a new political order, one underpinned by a massive increase in the power and authority of the CCP. Yet beyond this elevation of party power, perhaps Xi’s most critical legacy will be his expansive redefinition of national security. His advocacy of a “comprehensive national security concept” emerged in early 2014, and in a speech that April, he announced that China faced “the most complicated internal and external factors in its history.” Although this was clearly hyperbole—war with the United States in Korea and the nationwide famine of the late 1950s were more complicated—Xi’s message to the political system was clear: a new era of risk and uncertainty confronts the party.

The CCP’s long experience of defections, attempted coups, and subversion by outside actors predisposes it to acute paranoia, something that reached a fever pitch in the Mao era. Xi risks institutionalizing this paranoid style. One result of blurring the line between internal and external security has been threat inflation: party cadres in low-crime, low-risk areas now issue warnings of terrorism, “color revolutions,” and “Christian infiltration.” In Xinjiang, fears of separatism have been used to justify turning the entire region into a dystopian high-tech prison. And in Hong Kong, Xi has established a “national security” bureaucracy that can ignore local laws and operate in total secrecy as it weeds out perceived threats to Beijing’s iron-fisted rule. In both places, Xi has demonstrated that he is willing to accept international opprobrium when he feels that the party’s core interests are at stake.

At home, Xi stokes nationalist sentiment by framing China as surrounded and besieged by enemies, exploiting a deeply emotional (and highly distorted) view of the past, and romanticizing China’s battles against the Japanese in World War II and its “victory” over the United States in the Korean War. By warning that China has entered a period of heightened risk from “hostile foreign forces,” Xi is attempting to accommodate Chinese citizens to the idea of more difficult times ahead and ensure that the party and he himself are viewed as stabilizing forces.

Xi has placed China on a risky trajectory, one that threatens the achievements his predecessors secured.

Meanwhile, to exploit a perceived window of opportunity during an American retreat from global affairs, Beijing has advanced aggressively on multiple foreign policy fronts. These include the use of “gray zone” tactics, such as employing commercial fishing boats to assert territorial interests in the South China Sea and establishing China’s first overseas military base, in Djibouti. China’s vast domestic market has allowed Xi to threaten countries that don’t demonstrate political and diplomatic obedience, as evidenced by Beijing’s recent campaign of economic coercion against Australia in response to Canberra’s call for an independent investigation into the origins of the virus that causes COVID-19. Similarly, Xi has encouraged Chinese “Wolf Warrior” diplomats to intimidate and harass host countries that criticize or otherwise antagonize China. Earlier this year, Beijing levied sanctions against Jo Smith Finley, a British anthropologist and political scientist who studies Xinjiang, and the Mercator Institute for China Studies, a German think tank, whose work the CCP claimed had “severely harm[ed] China’s sovereignty and interests.”

Mao Zedong and Deng Xiaoping demonstrated strategic patience in asserting China’s interests on the global stage. Indeed, Mao told U.S. President Richard Nixon that China could wait 100 years to reclaim Taiwan, and Deng negotiated the return of Hong Kong under the promise (since broken by Xi) of a 50-year period of local autonomy. Both leaders had a profound sense of China’s relative fragility and the importance of careful, nuanced statesmanship. Xi does not share their equanimity, or their confidence in long-term solutions.

That has sparked concerns that Xi will attempt an extraordinarily risky gambit to take Taiwan by force by 2027, the 100th anniversary of the founding of the People’s Liberation Army. It seems doubtful, however, that he would invite a possible military conflict with the United States just 110 miles from China’s shoreline. Assuming the PLA were successful in overcoming Taiwan’s defenses, to say nothing of surmounting possible U.S. involvement, Xi would then have to carry out a military occupation against sustained resistance for an indeterminate length of time. An attempted takeover of Taiwan would undermine nearly all of Xi’s other global and domestic ambitions. Nevertheless, although the more extreme scenarios might remain unlikely for the time being, Xi will continue to have China flaunt its strength in its neighborhood and push outward in pursuit of its interests. On many issues, he appears to want final resolution on his watch.

THE MAN OF THE SYSTEM

Xi’s tendency to believe he can shape the precise course of China’s trajectory calls to mind the economist Adam Smith’s description of “the man of system”: a leader “so enamored with the supposed beauty of his own ideal plan of government, that he cannot suffer the smallest deviation from any part of it.” In order to realize his near-term goals, Xi has abandoned the invisible hand of the market and forged an economic system that relies on state actors to reach predetermined objectives.

Critical to this shift has been Xi’s reliance on industrial policy, a tool of economic statecraft that had fallen out of favor until near the end of the tenure of Xi’s predecessor, Hu, when it began to shape Beijing’s approach to technological innovation. The year 2015 marked an important inflection point, with the introduction of supersized industrial policy programs that sought not just to advance a given technology or industry but also to remake the entire structure of the economy. These included the Made in China 2025 plan, which aims to upgrade China’s manufacturing capabilities in a number of important sectors; the Internet Plus strategy, a scheme to integrate information technology into more traditional industries; and the 14th Five-Year Plan, which outlines an ambitious agenda to decrease China’s reliance on foreign technology inputs. Through such policies, Beijing channels tens of trillions of yuan into companies, technologies, and sectors it considers strategically significant. It does this by means of direct subsidies, tax rebates, and quasi-market “government guidance funds,” which resemble state-controlled venture capital firms.

Thus far, Beijing’s track record in this area is decidedly mixed: in many cases, vast sums of investment have produced meager returns. But as the economist Barry Naughton has cautioned, “Chinese industrial policies are so large, and so new, that we are not yet in a position to evaluate them. They may turn out to be successful, but it is also possible that they will turn out to be disastrous.”

Xi believes he can mold China’s future as did the emperors of the country’s storied past.

Related to this industrial policy is Xi’s approach to China’s private-sector companies, including many of the technological and financial giants that just a few years ago observers viewed as possible agents of political and social change. Technological innovation put firms such as Ant Group and Tencent in control of critical new data flows and financial technology. Xi clearly perceived this as an unacceptable threat, as demonstrated by the CCP’s recent spiking of Ant Group’s initial public offering in the wake of comments made by its founder, Jack Ma, that many perceived as critical of the party.

Xi is willing to forgo a boost in China’s international financial prestige to protect the party’s interests and send a signal to business elites: the party comes first. This is no David and Goliath story, however. It’s more akin to a family feud, given the close and enduring connections between China’s nominally private firms and its political system. Indeed, nearly all of China’s most successful entrepreneurs are members of the CCP, and for many companies, success depends on favors granted by the party, including protection from foreign competition. But whereas previous Chinese leaders granted wide latitude to the private sector, Xi has forcefully drawn a line. Doing so has further restricted the country’s ability to innovate. No matter how sophisticated Beijing’s regulators and state investors may be, sustained innovation and gains in productivity cannot occur without a vibrant private sector.

GRAND STRATEGY OR GRAND TRAGEDY?

In order to seize temporary advantages and forestall domestic challenges, Xi has positioned himself for a 15-year race, one for which he has mobilized the awesome capabilities of a system that he now commands unchallenged. Xi’s truncated time frame compels a sense of urgency that will define Beijing’s policy agenda, risk tolerance, and willingness to compromise as it sprints ahead. This will narrow the options available to countries hoping to shape China’s behavior or hoping that the “Wolf Warrior” attitude will naturally recede.

The United States can disprove Beijing’s contention that its democracy has atrophied and that Washington’s star is dimming by strengthening the resilience of American society and improving the competence of the U.S. government. If the United States and its allies invest in innovation and human capital, they can forestall Xi’s efforts to gain first-mover advantage in emerging and critical technologies. Likewise, a more active and forward-looking U.S. role in shaping the global order would limit Beijing’s ability to spread illiberal ideas beyond China’s borders.

Unwittingly, Xi has put China into competition with itself, in a race to determine if its many strengths can outstrip the pathologies that Xi himself has introduced to the system. By the time he assumed power, the CCP had established a fairly predictable process for the regular and peaceful transition of power. Next fall, the 20th Party Congress will be held, and normally, a leader who has been in charge as long as Xi has would step aside. To date, however, there is no expectation that Xi will do so. This is an extraordinarily risky move, not just for the CCP itself but also for the future of China. With no successor in sight, if Xi dies unexpectedly in the next decade, the country could be thrown into chaos.

Even assuming that Xi remains healthy while in power, the longer his tenure persists, the more the CCP will resemble a cult of personality, as it did under Mao. Elements of this are already evident, with visible sycophancy among China’s political class now the norm. Paeans to the greatness of “Xi Jinping Thought” may strike outsiders as merely curious or even comical, but they have a genuinely deleterious effect on the quality of decision-making and information flows within the party.

It would be ironic, and tragic, if Xi, a leader with a mission to save the party and the country, instead imperiled both. His current course threatens to undo the great progress China has made over the past four decades. In the end, Xi may be correct that the next decade will determine China’s long-term success. What he likely does not understand is that he himself may be the biggest obstacle.


Shariah controlled zone

Sharia Controlled Zone

.

When visiting England,
pay attention to the signs and be aware of the circumstances.
The Islamic Emirates Project
is working to change your stay (and future)!

.

Quando visitarem a Inglaterra,
prestem atenção aos sinais e estejam cientes das circunstâncias.
O Projeto Emiratos Islâmicos
está a trabalhar para mudar a sua estadia (e futuro)!


Crise? Ainda não, mas está à porta


O JP Morgan Chase, o maior banco de investimento do mundo, surpreendeu o mercado com a apresentação dos seus mais recentes resultados:
perdas superiores a 2 mil milhões de dólares.

No mundo financeiro actual, quando mais elevado for o risco da operação, maior será o lucro obtido.
Daí que não seja de admirar que os bancos pratiquem operações de elevado risco e que igualmente não seja difícil chegar à conclusão que a Direcção do JP Morgan estava ao corrente das operações realizadas pelo seu CIO (Chief Investment Officer), cujas acções encobriu até não poder mais (bastante pior seria admitir que não controlam a empresa que dirigem).

Infelizmente, este tipo de situações demonstra que os bancos não aprenderam nada com o passado recente. Principalmente depois de terem “garantido” o apoio público como resgate.

Também deve ser equacionada a postura dos seus accionistas, que agora processam o banco. Se nada disto tivesse acontecido, continuaria o business as usual.

Infelizmente, as perdas do JP Morgan Chase ainda podem aumentar substancialmente devido às operações de investimento de risco em derivados.

O futuro da bolsa de derivados ou derivativos [ironicamente, futuros e opções mas também termos e swaps (a invenção de uma variação deste instrumento, o credit default swap, foi altamente negativa, pois o seu principal objectivo era a eliminação do risco)] é a destruição da economia.

Salvo erro, a nível global há mais de um trilião de dólares investido na bolsa de derivados.
Que efeitos terá, por exemplo, a queda da Chicago Board of Trade (ou o Chicago Mercantile Exchange, ou o New York Mercantile Exchange), na economia mundial?
Principalmente quando a bolsa de derivados é como um casino, com a particularidade de a casa só parcialmente controlar o jogo, onde apenas se joga roleta russa. Como tal, está sujeita a levar com um tiro na cabeça.

Não podia deixar de voltar a referir o perigo que advém do enorme desiquilíbrio verificado entre os âmbitos económico e financeiro.
Se um negócio é uma transacção que envolve um determinado risco, qualquer mecanismo que venha subtrair esse risco está a desvirtuar a essência da operação, pois dificilmente haverá só partes ganhadoras e havendo-as, o retorno será muito menor do que o investimento. Para além disso, várias questões podem ser consideradas quanto aos prazos já estabelecidos por estes mecanismos. Uma delas é se a continua diminuição de matérias-primas foi contemplada?

Repito o que já referi em vários posts e artigos. Os problemas que vivemos surgiram com a autonomização das finanças face à economia. E, na sua origem está a suspensão unilateral do sistema de Bretton Woods, decidida por Richard Nixon, que acabou com a conversão do dólar em ouro.

Crise? ainda não. Mas está à porta.
(E eu nem quero pensar no que pode ocorrer).

Por fim,  à margem desta temática, existe ainda um factor a referir que é o conflito “surdo” entre o dólar e o euro. É notório que o excessivo défice dos Estados Unidos começa a colocar pressão sobre a sua própria moeda (note-se que parte significativa das perdas da JP Morgan derivam do não enfraquecimento do euro).

Declaração de interesses: Sou liberal. Mas nunca serei neoliberal!


Ricardo Salgado e o FMI

Ricardo Salgado, presidente do BES, manifestou a sua preocupação com uma intervenção do FMI no nosso país (aqui), pois esta, se for feita com a mesma metodologia que foi utilizada na Grécia e na Irlanda, será danosa para a banca portuguesa e consequentemente para Portugal.

Não é que não concorde com as afirmações feitas, mas não consigo deixar de pensar no significado desta frase: “uma diminuição dos depósitos nos bancos portugueses.”


5ª coluna?

Aparentemente, já não basta o “capital” político de Portugal – momentâneamente acrescido pela presença, como membro não-permanente, no Conselho de Segurança da ONU.

A China, país amigo que está a comprar a nossa dívida, quer disseminar o seu poder económico na Europa.
Consequentemente, a “entrada” nos bancos portugueses é uma jogada estratégica.

Será Portugal uma 5ª coluna?
E até quando será útil como tal?


Como é que pode?

 

Ben Bernanke, o Presidente da Reserva Federal Norte-americana deu uma entrevista ao 60 Minutes (aqui).

Como é que é possível que este homem seja o responsável pela formulação e execução da política monetária dos Estados Unidos???

P.S. – foi pena não ter explicado em mais detalhe quais os mecanismos e instrumentos que utilizou para a compra da dívida pública norte-americana. O Ministro Teixeira dos Santos gostaria de perceber.

 


Realidades alternativas ou cenários reais?

Os recursos naturais não são inesgotáveis. O ar, a água, os combustíveis fósseis, etc., são recursos naturais que, por acção directa e indirecta do homem e por necessidade de alimentação dos mecanismos de sustentação dos vários modelos de agregação social que civilização humana originou, tem um período de duração. Naturalmente, uns mais do que os outros. Isto não é novidade.

O que é novidade é o que nos diz o estudo “Metal Stocks and Sustainability” da autoria de Robert Gordon e Thomas Graedel da Universidade de Yale e Marlen Bertram da Organização Europeia dos Refinadores de Alumínio. Segundo este estudo, as reservas de cobre, zinco e de outros metais poderão não ser capazes de provir eternamente as necessidades da população global, mesmo tendo em conta intensos programas de reciclagem.

Actualmente, existe um “equilíbrio” que resulta da grande procura dos países desenvolvidos pelos recursos minerais face à fraca procura dos países do terceiro mundo. Mas adivinham-se tensões e disputas entre os países desenvolvidos para responderem às suas necessidades de recursos naturais e minerais, uma vez que a procura não dá mostras de abrandar. Antes pelo contrário, a tendência é de aumento.

Tendo em conta a escassez dos recursos energéticos e minerais, a fraca implementação, por parte dos países desenvolvidos, das orientações e práticas contidas na ideia do desenvolvimento sustentável e não esquecendo as consequências que o aumento do preço destes recursos têm nos orçamentos dos Estados e no nível de vida dos cidadãos, é conveniente ponderar os seguintes cenários:

1. Consciente que o ouro negro não é um recurso eterno e contrariamente às políticas estratégicas que outros países árabes, igualmente produtores de petróleo, implementaram, o Irão optou pelo desenvolvimento de um programa nuclear, alegando, entre outros argumentos, as insuficiências das suas infra-estruturas para o fornecimento de energia à sua população.

Considerando os recentes desenvolvimentos nas relações da comunidade internacional, as directrizes de política externa que a administração norte-americana pôs em pratica na sequência dos atentados de 11 de Setembro, acordos previamente estabelecidos e as realidades inerentes à teocracia iraniana é muito natural a preocupação que a comunidade internacional – encabeçados pelos Estados Unidos e pela União Europeia – manifestou pela possibilidade de o Irão usar esse programa não apenas para fins civis mas também para a criação de um arsenal nuclear.

Aquilo que me leva a referir este cenário é a possibilidade de as reservas de petróleo iraniano não serem tão grandes como se diz serem. Daqui podem-se tirar duas ilações: Se as reservas de petróleo que o Irão diz ter são reais e estão correctas, não devem restar dúvidas que o Irão tenciona dar um uso militar, para além de um uso civil, ao seu programa nuclear. Se, por outro lado, as reservas de petróleo iraniano não correspondem à realidade, então a principal utilização do seu programa nuclear visa o uso civil, não descartando o uso militar. Apesar de ambas as deduções não serem nada tranquilizadoras e de irem estimular o aumento do preço do crude, esta última possibilidade, caso seja confirmada, terá um efeito desproporcional no mercado mundial cuja primeira consequência será um desmesurado aumento no preço do barril de petróleo.

2. Nas duas últimas décadas, o desenvolvimento industrial à escala mundial tem sido continuamente crescente tendo-se vindo a notar o incremento da importância de dois países na economia mundial.
A Índia e a China são dois dos países com maior taxa de crescimento mundial e são os mercados mais atractivos do mundo. De entre os dois, destaca-se o caso da China pelo seu potencial em vários sectores de actividade económica e com taxas de crescimento sustentáveis bem acima da média global. Aliás, o mercado chinês é já o mercado que atrai mais investimento directo estrangeiro.
Para suportar as taxas de crescimento originadas pelo boom da sua economia interna, a China passou, em vinte anos, de maior exportador de petróleo da Ásia a segundo maior consumidor e terceiro maior importador mundial. Por sua vez, no que se refere à procura por recursos minerais, o consumo chinês aumentou, no período de quinze anos, de 7% para cerca de 20%, e este valor pode duplicar no fim desta década.
Esta necessidade de recursos levou o Governo chinês a estabelecer uma rede de posições estratégicas, principalmente através de acordos bilaterais, nos locais e trajectos das fontes mundiais destes recursos procurando apenas assegurar o seu fornecimento e consequentemente o continuar do seu crescimento económico. Este é o objectivo da diplomacia económica chinesa que, segundo Wang Jisi, reitor da Escola de Estudos Internacionais de Beijing, não pretende desafiar a ordem mundial, mas apenas aproveitar a conjuntura favorável que a imagem actual dos Estados Unidos permite.

Paralelamente a estes panoramas, a China tem vindo a desenvolver um programa espacial que recentemente lhe possibilitou ser o terceiro país do mundo a colocar um homem em órbita. Com o sucesso alcançado, os responsáveis chineses anunciaram uma missão tripulada à lua e a construção de uma estação espacial.
Ora, todos estes pormenores dão uma nova perspectiva ao programa espacial chinês pois, o exaurir das reservas dos recursos naturais e minerais terrestres vai acelerar a exploração do espaço. Talvez estejam alicerçados nas ideias de John S. Lewis (Mining the Sky: Untold Riches from the Asteroids, Comets and Planets). Quem é que nos diz que a China não pretende ser o primeiro país a explorar as fontes de minérios extra-planetárias?

Com as vantagens adquiridas nesta iniciativa, a China, para além de usufruir directamente dessas novas fontes de recursos minerais, pode vender, a terceiros países, o know-how e os produtos, obtendo lucros adicionais. Mas a principal relevância que advirá, ao ser o primeiro a utilizar este tipo de recursos e de novas tecnologias, é a posição dominante que terá na estratégia de desenvolvimento espacial.

Publicado: 26 de Abril de 2007 – O Primeiro de Janeiro


Intervenção

(capa jornal i)

 Há demasiados interesses a exigi-lo. Até o nacional!

Vai haver uma intervenção em Portugal.
Mas, de que tipo?


nova temporis

China, exportador de capital.

 

 

Vivemos novos tempos!

 


E depois dos 7,5%?

Depois de os juros da dívida pública portuguesa (a 10 anos) terem ultrapassado os 7,5%, é provavel que este valor diminua e que se estabilize na orla dos 6-6,5%, o que continua a não ser bom para Portugal, mas que nos permitirá respirar um pouco.

Então, quais são os problemas e os cenários que se podem considerar?

Entre vários, um deles será a continua persistência do Governo de José Sócrates na cegueira e na recusa da diminuição da despesa, o que provocará um aumento dos juros da dívida pública portuguesa e a uma pressão reforçada para a necessidade de Portugal recorrer à ajuda financeira europeia e na vinda do FMI ao nosso país.

Nem José Sócrates nem Teixeira dos Santos perceberam (ou querem perceber) que os mercados não confiam neles. E, para o bem e para ou mal, são os mercados que nos financiam.

Até lá, os “boys” e afins, continuarão a encher o bolso sem qualquer tipo de impedimento moral, ético ou solidário. 

Muito naturalmente, mesmo quando o FMI já estiver em Portugal, quem nos conduziu a esta situação irá continuar a enjeitar as suas responsabilidades e tudo dirá e fará para se manter no poder.

Tudo isto são hipóteses. Vamos ver como vai correr a próxima emissão de dívida que o Governo tem agendada.

Se o nosso país for obrigado a aceitar juros altos, tenho sérias dúvidas que os grandes países europeus fiquem impávidos e serenos. Há coisas maiores que o nosso país em jogo.

A Grécia e a Irlanda já estão. Faltam Portugal e a Espanha, para não falar de outros. Mas a ordem será quase de certeza esta. E até Espanha nos vai pressionar!


OE 2011

Para aqueles que ainda não se aperceberam, seja através duma abstenção, pela liberdade de voto ou com a conveniente falta de alguns deputados, o orçamento de estado vai passar no Parlamento.

São outras coisas que ficam por explicar.

E depois, há sempre a China (aqui).


Transitoriedade – eis o regente dos nossos dias … e dos que virão

É urgente olhar para o mundo que nos rodeia com olhos de ver.

Acabaram-se os empregos duradouros e também vão terminar os empregos de 5 anos. Aliás, muito provavelmente, os meus filhos irão trabalhar em actividades e/ou funções que ainda não foram desenvolvidas e/ou criadas.

A transitoriedade é inevitável. E esta condição não decorre do capital ou da exploração.  Decorre do avanço tecnológico!

O mundo já não é o dos nossos pais. E não será o dos nossos filhos ou netos. A robótica e a inteligência artificial (IA), entre outros campos, irão (r)evolucionar o mundo

O que fica em aberto é o seguinte:

Paralelamente aos progressos que se verificam na conjugação da IA com a robótica, assistimos a evoluções na imunologia, biotecnologia e neurologia, entre outros campos, que irão, simultaneamente, prolongar consideravelmente a esperança de vida dos humanos, mantendo ou desenvolvendo a suas capacidades cognitivas.

Desta circunstância, aliada aos pressupostos inerentes à sustentabilidade da segurança social, decorre a necessidade de as pessoas terem de se reformar mais tarde. E possuirão capacidade para tal.

Tendo em mente que estes dois fenómenos poderão ser antagónicos – IA e a robótica desempenharão tarefas que poderiam ser executadas por pessoas que terão de trabalhar mais tempo – e considerando que o rácio da segunda lei da termodinâmica tende a aumentar, pensa que estas alterações irão acontecer naturalmente ou que iremos viver um período de ruptura e convulsão sociais?

Será que a próxima guerra vai ser por empregos?


Nova ameaça?

 

Decorem este acrónimo: NDM-1

Segundo um estudo publicado no The Lancet, poderá tratar-se na nova ameaça à saúde mundial.


Exploração espacial(?)

Há muito que sabemos que as reservas do nosso planeta não são inesgotáveis.
Infelizmente, só agora começamos a ter consciência desse facto.

Felizmente, há alternativas no nosso canto do espaço.

Leiam este artigo da Wired (aqui).

Mas fica esta pergunta.
Será que seremos capazes de ir para o espaço como humanos ou a ganância irá prevalecer?


Apresentação

Amanhã, terça-feira, dia 26 de Janeiro, terei a honra de apresentar o livro:
 
Humanidade – Despertar para a Cidadania Global Solidária
do Presidente da AMI, Dr. Fernando Nobre
 
O evento decorrerá no fórum da Fnac de Sta. Catarina, no Porto, às 18:30.
 
Apareçam!


Restrições ao comércio?

Num mundo globalizado, caracterizado pela abertura económica, onde todos precisam de todos, se há coisa que não é necessária é o proteccionismo. Medidas como esta não ajudam a economia e só revelam que os responsáveis políticos não aprendem.

E por vivermos num mundo assim, é que tenho sérias dúvidas da perspectiva keynesiana, cujo pressuposto de aplicação é um espaço delimitado.


Avisos à navegação (2)

 

Nova crise financeira irá assolar o mundo (aqui).


Avisos à navegação

À atenção dos candidatos às legislativas 2009:

Devido aos excessos que nos conduziram à crise económica mundial, um pouco de prudência e de contenção verbal com os sinais que se vislumbram não será demais. A retoma poderá ser curta.

E mesmo considerando esta possibilidade, há que não cair na tentação da demagogia e não criar falsas expectativas nem à população, nem aos agentes económicos.


A Crise

 

O funcionamento dos mercados (em humor)


Novos proteccionismos?

Eis o real custo da Globalização!

A (mesma) abertura das diferentes economias nacionais irá permitir o crescimento global, principalmente nos países asiáticos, e vai precipitar a queda da civilização ocidental.
O que se iniciará na Europa irá terminar nos Estados Unidos da América.

Como de costume, os nossos governantes só irão reagir no último momento, quando já for tarde demais.
Previsivelmente, não vão optar pelo que deve ser feito, mas pela receita habitual.
Preparem-se para novos proteccionismos!

Será que vamos ser capazes de nos reerguer?

 

This is the real cost of Globalization!

The opening of domestic economies will enable global growth, especially in Asian countries, and will precipitate the downfall of Western civilization.
What will start in Europe will end in the United States of América.

Inevitably, our governments will only react at the last moment, when it’s too late and predictably they won’t choose what should be done, but the usual recipe.
Prepare for new protectionism!

Will we be able to raise again?


Repensar perspectivas

A época actual, no que respeita a temáticas relacionadas com relações internacionais, geopolítica, geoeconomia, etc., está a revelar-se muito interessante.

Consideremos a problemática dos centros de influência mundial. Primeiro, se recordarmos os tempos da Guerra fria, lembraremos que o mundo esteve bipolarmente dividido, em dois blocos, com a predominância de duas superpotências, os Estados Unidos da América (EUA) e a União Soviética e as respectivas conexões de sistemas; segundo, com o colapso do sistema soviético, globo passou a ter uma única superpotência, os EUA; e, terceiro, devido ao desenvolvimento, particularmente económico, daí decorrente, qual Fénix renascida, a divisão bipolar parece estar a regressar.

Quais são as diferenças que podemos observar? Se a nossa análise se focalizar na geopolítica, é facilmente perceptível que a predominância do Atlântico é transversal aos três períodos acima mencionados. No entanto, se os pressupostos de observação forem geoeconómicos, então a bipolaridade é mais inteligível, pois notamos que apesar do centro político mundial ainda permanecer no Atlântico, o centro económico mundial mudou-se para o Pacífico.

Por outras palavras, a globalização teve a consequência de provocar uma dissonância no binómio político/económico e fez com que o mundo contemporâneo seja geopoliticamente visto a partir do Atlântico e geoeconomicamente observado do Pacífico.

A crescente capacidade económica de países geograficamente localizados no Pacífico ou na orla deste, nomeadamente no Índico, coloca algumas questões. Afinal, não é só nos nossos dias que riqueza é poder. Todo e qualquer exemplo histórico de expansão pode ser utilizado para ilustrar esta afirmação. Consequentemente, a possibilidade de uma transferência do centro político mundial para esta região deve ser, pelo menos, encarada e pensada.

E só esta hipótese já levanta problemas consideráveis. Senão vejamos. No caso de uma efectiva deslocalização dos pólos, político e económico, de influência mundial para o Pacífico, no que concerne à transferência dos centros de decisão políticos transatlânticos e internacionais para as imediações para aquela região, os dos EUA serão facilmente deslocáveis, mas para os das Nações Unidas a dificuldade será maior e os da União Europeia (UE) serão quase impraticáveis.

Mas, para já, ainda mais relevante é reter que a União Europeia, que é uma potência económica mundial, terá que se afirmar num mundo economicamente centrado no Pacífico, ou seja, fora da sua zona geográfica, cenário que acontece pela primeira vez na sua história.

Só segundo os prismas acima referidos as elações já são interessantes, mas concomitantemente, também devemos ponderar o ressurgimento da Rússia no palco mundial e a afirmação do Irão como potência regional, e, se preferirem, examinar este mundo com dois centros de decisão distantes segundo as tensões religiosas e as dinâmicas civilizacionais.

Ficará para outra altura a abordagem a esta problemática de acordo com estas duas últimas perspectivas. Por agora, ficaremos pela óptica que temos vindo a desenvolver.

E, na nossa opinião (que já anteriormente defendemos e sustentamos em outros fóruns), para contrariar esta tendência, a Aliança Transatlântica precisa de evoluir no sentido da sua vocação, i.e., uma vez que valores universais estão na sua génese, é chegada a altura de efectivar essa aptidão e de se transformar numa organização mundial.

Há muito mais em jogo do que o aqui considerado. Nos tempos que passam, repensar perspectivas não é um mero exercício intelectual. É uma obrigação. Só assim estaremos preparados quando as probabilidades se concretizarem.

16 de Maio de 2008 – O Primeiro de Janeiro


Será possível globalização sem mobilidade?

É comummente aceite que o mundo mudou com o derrube do Muro de Berlim. A todos os níveis.

No entanto, é no termo globalização que a maior parte da atenção está concentrada. Qualquer vocábulo a ele associado, ainda que remotamente, parece ter adquirido outra dimensão. E, seja a que grau for, é inegável que anda nas bocas do mundo.

Ora, no que respeita ao seu sentido mais usual – o económico – com o desaparecimento do bloco socialista soviético, e a gradual adaptação do regime comunista chinês ao sistema capitalista de mercado, nenhum entrave restava capaz de impedir o aparecimento do comércio global e à interligação mundial.

Desde 1995, foram estabelecidos, segundo a Organização Mundial do Comércio, cerca de 110 acordos regionais de comércio. Considerando os países que coexistem no planeta, o número não parece ser significativo. Mas, se indicarmos que, segundo a mesma fonte, nos 40 anos precedentes, “apenas” 124 acordos similares foram celebrados, então o panorama passa a ser perspectivado de outra maneira.

Esta dinâmica de colaboração regional é indicativa do processo de globalização. Ao serem constituídos mercados regionais de comércio, estão-se a dar passos para o concretizar do mercado global, pois de nacionais – muitos – passamos a regionais – alguns – para atingirmos o global – um.

Acontece que para se atingir o actual grau de conexão global, foram necessárias fontes energéticas abundantes e baratas. Não apenas para as indústrias de produção, mas também para todas aquelas que lhe estão adjacentes e permitem a não menos importante mobilidade de pessoas e bens.

Se a energia foi imprescindível para o desenvolvimento económico do Ocidente, igualmente o é para os países que actualmente se afirmam no palco mundial. Uma vez que os recursos energéticos normalmente utilizados são finitos e que a sua procura aumentou, não devia ser difícil perceber que o custo também aumentaria.

Alias, foi precisamente a constatação que os combustíveis fósseis não eram eternos, por parte dos países árabes, que originou, em 1973, o primeiro choque petrolífero. O segundo ocorreu em 1979, devido à revolução iraniana que instaurou o actual regime teocrático. Em ambos os casos, o aumento do preço do barril de petróleo foi superior a 200%.

Por sua vez, os governos ocidentais, ao verificarem a sua dependência energética, no seguimento dos choques petrolíferos dos anos setenta do século passado, decidiram taxar a venda de combustíveis com impostos que seriam utilizados no desenvolvimento de formas de energia alternativas. Este é um dos principais argumentos utilizados pela Organização dos Países Exportadores de Petróleo, que afirma que o preço do crude é barato. São os impostos acrescidos que o fazem demasiado caro. Note-se que na União Europeia, estes tributos rondam os 50% do valor de venda. Em Portugal, as taxas rondam os 61% e os 51%, respectivamente, para a gasolina e gasóleo.

Sabemos que o aperfeiçoamento de novas formas energéticas não se verificou ao ritmo desejado. Pelo menos, de acordo com os pressupostos que ocasionaram os impostos sobre os combustíveis.

Segundo o anuário de estatística sobre da energia global da British Petroleum (BP), o preço do barril de crude aumentou, no período de 1965 a 2006, com altos e baixos pelo meio, de 11,56 para 65,14 dólares. Desde então, escalou até aos 120 dólares e já há quem afirme que o barril de petróleo poderá atingir os 200 dólares. E a estes valores devem-se acrescentar as ditas taxas.

Se esta tendência se mantiver, quantos sectores de actividade económica, cultural e social serão afectados? Será possível globalização sem mobilidade?

Estaremos preparados para tal?

1 de Maio de 2008 – O Primeiro de Janeiro


Paradoxos

1. Reflexos das conjunturas vividas ou resultado de antagónicos ou diferentes pontos de vista, as ideias que defendemos muitas vezes são reféns das posições que essa mesma razão implica.

Praticamente ninguém aceita ou gosta de ser confrontado com as incoerências próprias. Poder-se-á dizer que tal é humano. Tão comummente humano que é quase compreensível.

O trabalho executado pela presidência portuguesa na União Europeia teve resultados e não foram quaisquer proveitos. As negociações realizadas, que conduziram à assinatura do Tratado de Lisboa, não foram simples e o bom termo das mesmas só nos enchem de orgulho. Pelo menos a alguns de nós. Afinal, como diz o adágio popular, não se pode agradar a gregos e troianos.

Claro que os bons resultados cedo deixam de ser notícia. O que agora anda na boca do mundo é a problemática quanto à realização de um referendo, através do qual a população se pode manifestar. Por um lado, e até um certo ponto, é admissível que aqueles que defendem posições diferentes do Governo utilizem os mesmos meios para se fazerem ouvir. Não é o marketing para todos? Por outro, é inquestionável que a ratificação parlamentar, que os titulares de cargos públicos manifestamente preferem, reacende a questão da distância entre eleitores e eleitos e até que limite estes verdadeiramente representam aqueles.

2. Devido à interligação global, como deverá ser o mundo dividido? Em zonas geopolíticas ou em zonas geoeconomicas?

A organização política do mundo actual, particularmente a da civilização ocidental, é determinada pelo Estado nascido da Revolução Industrial. Ora, o Estado, tal como o conhecemos, há muito que está em crise e declínio. Já não consegue provir os fins para que foi criado, devido a duas situações que caracterizam as democracias ocidentais: primeiro, assim que um candidato é eleito, o seu próprio bem-estar passa a ser a sua primeira prioridade. Em segundo lugar, os grupos de pressão ou lobbies, pela sua acção na defesa dos seus interesses, provocam desvios na condução das políticas sociais governamentais fazendo que com estas percam a perspectiva do bem-estar de toda a sociedade. Consequentemente, o poder do Estado foi depauperado com o aparecimento de agentes sociais que, por um lado, ao assumirem responsabilidades que pertencem aquele, o ajudam, pelo outro, ao roubar-lhe autoridade, o enfraquecem.

Por causa da revolução tecnológica que vivemos, que está a ter o duplo efeito de provocar o colapso das indústrias e do modo de vida, ao mesmo tempo que os substitui por outros completamente novos, o mundo está a mudar e a actual estrutura do Estado apenas subsiste devido à resistência do poder político. Considerando os elementos, social, económico e político do Estado, é precisamente este última que mais resiste e ignora esta mudança, continuando a agir como se o mundo fosse o mesmo. A resistência à mudança é um instinto humano, mas pior do que resistir à mudança é não aceitá-la e, consequentemente, não se preparar para ela, porque a mudança é inevitável. Por isso, o poder político não poderá continuar a ter este tipo postura sob risco de não se adaptar à evolução tecnológica e civilizacional, o que terá efeitos negativos no todo da sociedade.

3. A amplitude de mudança que se nota no dia-a-dia vê-se em situações tão simples como esta. Antes dos avanços tecnológicos que nos proporcionaram, entre outros, os telemóveis, quando se ligava para alguém a primeira pergunta que colocávamos era: Quem fala? Hoje, a pergunta é: Onde estás?

Mas esta mobilidade não deixa de ser aparente, uma vez que a tecnologia também nos deu a virtualidade. Viajar sem nos movermos é outras das possibilidades modernas. Infelizmente, no que respeita às relações sociais, a virtualidade, que para alguns é um verdadeiro santuário existencial, pois aí podem criar vidas que são completamente opostas às reais, provoca a perda de contacto com o semelhante e da vida em sociedade. Logo, e não menos absurdamente, o globo poderá vir a ser composto por mundos individuais dentro das conexões da globalização. Será que o indivíduo acabará por também se distanciar do seu próprio mundo?

10 de Janeiro de 2008 – O Primeiro de Janeiro


Contra a corrente?

Os «herdeiros» de Pedro, o Grande parecem estar revitalizados. Pelo menos, no que respeita ao seu actual sucessor.

O Presidente da Rússia, Vladimir Putin, está a demonstrar, ou melhor, a personificar o ressurgimento do seu país no palco mundial. E não o faz de qualquer maneira. Afirma a condição de superpotência russa, alicerçado nos pressupostos e mecanismos económicos do capitalismo. Por outras palavras, faz uso do sistema de controlo característico do aparelho político da ex-União Soviética mas abandona o sistema comunista fundindo estes factores na equação da democracia.

Atente-se nas afirmações proferidas aquando da aceitação como candidato do partido Rússia Unida às eleições legislativas de Dezembro, quando disse que para além de ser necessário a vitória do partido nas eleições também era “preciso eleger como Presidente uma pessoa honesta, capaz e moderna com quem possa trabalhar em equipa” (A nós, portugueses, esta afirmação devia recordar-nos algo ocorrido num passado não muito longínquo).

Aproveitando-se do aumento da volatilidade que emergiu na região do Médio Oriente após a invasão do Iraque e que nos últimos dias têm atingido as relações entre a Turquia e os Estados Unidos, depois de pacientemente ter utilizado a Organização de Cooperação de Shanghai para recuperar grande parte da antiga influência russa na região, Putin demonstrou visão diplomática ao participar na Cimeira dos Países do Mar Cáspio, em Teerão. Para além de ter sido a figura central do encontro, também conseguiu incrementar a posição russa junto do regime iraniano e reforçar a diplomacia russa nas reuniões e instâncias internacionais que discutem o programa nuclear iraniano.

Igualmente é de reter a estratégia seguida pela administração russa no que respeita ao projecto de defesa antimíssil norte-americano e à instalação de vários dispositivos na periferia das fronteiras da Federação Russa.

Incapazes de convencer os russos que o seu sistema não os ameaça e colocados perante as sucessivas tomadas de posição, decididas pelo Presidente russo, de abandono das convenções internacionais em armamento (não apenas do Tratado sobre Forças Convencionais na Europa, como também e principalmente do Tratado de Forças Nucleares de Médio Alcance), no investimento, durante 8 anos, de 100 biliões de dólares na modernização das suas capacidades militares e no recente anúncio do desenvolvimento russo em sistemas de mísseis nucleares completamente novos, deixaram os norte-americanos perante a possibilidade de serem responsabilizados, pela opinião pública, por uma nova corrida às armas nucleares na Europa.

É precisamente fazendo uso das conjunturas que se capitalizam as situações. E nisso, Vladimir Putin está a ser magistral.

Acontece que as medidas que o Presidente russo anuncia e toma têm implicações no sistema internacional. E estando o mundo de hoje cada vez mais interligado, as repercussões desses choques fazem-se sentir em primeiro lugar, na própria globalização.

Assim, na dicotomia entre a esfera económica e a esfera política global, aparentemente, os comportamentos dos actuais responsáveis dos Estados parecem estar a levar-nos para os tempos da Guerra Fria. Isto, numa altura em que o anterior Presidente da Reserva Federal norte-americana, Alan Greenspan, alertou para os perigos resultantes duma contra-corrente à globalização por parte dos políticos.

A ressurgência da Rússia na cena internacional deve-se ao capitalismo e ao know-how recebido das multinacionais ocidentais. Vladimir Putin sabe-o. Mas os norte-americanos também o sabiam e mesmo assim foram para o Iraque. Infelizmente, para e graças a nós, a Rússia de hoje acede muito melhor às suas riquezas naturais. Infelizmente, para e graças nós, também recupera a sua influência de outrora à conta dos nossos equívocos.

Seguir, de vez em quando, contra a corrente parece ser um refúgio humano. Ou é assim que vamos com a corrente?

25 de Outubro de 2007 – O Primeiro de Janeiro