Na base do conhecimento está o erro

Posts tagged “falta de vergonha

Image

Estão empenhadíssimos!

EC MT1


Hipocrisia bloquista

BE hipocrisia.jpg

Mais um exemplo da pouca vergonha do BE.

Os incêndios são ideológicos.


Bom senso (falta de…)

fc0

Do (imparável) moralismo cânciano


Image

OE 2020 e os ministérios

Orça ministérios


Dizem que é uma espécie de …

No que respeita à dívida vencida, o Estado deve ao SNS 1,3 mil milhões.

Daí que António Costa tenha anunciado a boa nova de 800 milhões.

É a isto que se chama invessocialismo, uma espécie de investimento, que nunca soluciona nada mas que garante a continuação do desperdício.

 

P.S. – Cuidado com a promessas socialistas.


Onde estava o Ferro?

Onde estava o ferro

Vergonha só não envergonha Ferro quando é o próprio a expressá-la!

Vergonha – de facto – é não aceitar opiniões contrárias.


A austeridade das cativações

Sabemos que a existência é caracterizada por um processo não-linear. Daí que não seja de estranhar que a convivência social também seja ambígua. E que dizer do percursos dos políticos, como governantes ou oposição, e dos partidos e dos seus respectivos líderes? A passagem do tempo até pode exigir decisões diferentes. Contudo, estas dependerão da coerência para serem credíveis. Infelizmente, a regra e a conduta demonstram que os princípios são esmagados pelos interesses. Sobretudo pelos interesses partidários.

Eis o exemplo do Mário Soares.
– “Quem vê, do estrangeiro, este esforço e a coragem com que estamos a aplicar as medidas impopulares aprecia e louva o esforço feito por este governo” (JN, 28 de Abril de 1984);
– “Portugal habituara-se a viver, demasiado tempo, acima dos seus meios e recursos” (JN, 28 de Abril de 1984);
– “O que sucede é que uma empresa quando entra em falência… deve pura e simplesmente falir. (…) Só uma concepção estatal e colectivista da sociedade é que atribui ao Estado essa responsabilidade” (JN, 28 de Abril de 1984);
– “Os problemas económicos em Portugal são fáceis de explicar e a única coisa a fazer é apertar o cinto” (DN, 27 de Maio de 1984);
– “A Associação 25 de Abril é qualquer coisa que não devia ser permitida a militares em serviço” (La Republica, 28 de Abril de 1984);
– “Basta circular pelo País e atentar nas inscrições nas paredes. Uma verdadeira agressão quotidiana que é intolerável que não seja punida na lei. Sê-lo-á.” (RTP, 31 de Maio de 1984);
– “A política de austeridade, dura mas necessária, para readquirirmos o controlo da situação financeira, reduzirmos os défices e nos pormos ao abrigo de humilhantes dependências exteriores, sem que o pais caminharia, necessariamente para a bancarrota e o desastre” (RTP, 1 de Junho de 1984);
– “A CGTP concentra-se em reivindicações políticas com menosprezo dos interesses dos trabalhadores que pretende representar” (RTP, 1 de Junho de 1984);

E que diz António Costa? Cativações não são austeridade.