Na base do conhecimento está o erro

Posts tagged “crime

Mr. 2,3 mil milhões de euros ou a quem passo o recibo?

PP 22a

Num só dia, a capitalização bolsista PSI-20 recuou 2,3 mil milhões de euros.

e não teve qualquer má intenção!


Image

Eu sou o mais caro!

ego ou poder

e não teve qualquer má intenção.


Registar o ADN?

Mudar de opinião é algo perfeitamente normal, principalmente se essa mudança estiver sustentada em mais informação.

Aparentemente, foi o que os partidos do Governo fizeram relativamente ao Acordo, entre o nosso país e os EUA, que visa reforçar a cooperação na prevenção e combate ao crime e que prevê a partilha, mútua, de dados pessoais como o ADN dos cidadãos portugueses. Enquanto oposição, PSD e CDS-PP, afirmaram as suas preocupações sobre o mesmo.

O que eu não percebo é a falta de elucidação aos cidadãos sobre as razões para esta alteração, especialmente quando o Estado Português não é o “propietário” dos dados pessoais dos portugueses.
Quando este tipo de situações, relativas a alterações de entendimento de partidos que eram oposição e passam a ser Governo, se verificam os esclarecimentos deviam ser imediatos.

Como tal não é a regra, será que cada cidadão deve registar ou patentear o seu ADN?


Sobre a prisão preventiva

Através da operação “Charlie” a Polícia Judiciária (PJ) deteve vários indivíduos suspeitos de vários crimes, entre eles, o homicídio de um inspector da PJ, mas igualmente crimes bastante mediáticos como o “carjacking”.

Devido a alterações recentes que foram introduzidas na lei, dos dez arguidos presentes ao juiz de instrução criminal, apenas um ficou preso preventivamente e os restantes meramente sujeitos a apresentações quinzenais.

Vamos reflectir um pouco sobre esta situação.

Julgo que ninguém discordará que os arguidos não devem ser pessoas de bem.
Então, que poderá representar para este tipo de pessoa uma apresentação quinzenal?
Se já antes não tinham nada a perder, agora muito menos terão. Logo, é mais provável que estes indivíduos utilizem os catorze dias para fazerem o que melhor sabem fazer do que ficarem em casa sossegados à espera do décimo quinto dia para se apresentarem ao juiz ou à polícia.

Presumo, mas poderei estar errado, que a revisão dos mecanismos de coação teve em mente os custos financeiros relativos à quantidade de presos preventivos que aguardavam o desenrolar dos respectivos processos nas cadeias portuguesas.

Ainda recordo que há uns anos atrás houve uma polémica por causa do dito exagero de prisões preventivas decididas pelos juízes. Foi, na altura, um caso com projecção mediática.

Para o Governo, o custo passou a ser a segurança dos cidadãos.
A todos os níveis o custo é muito maior. Em termos mediáticos, então …


Sobre a essência das leis

Julgo que os recentes desenvolvimentos na sociedade portuguesa não deveriam espantar ninguém.
O aumento da tensão social e aparecimento de crimes violentos, que amiúde se repetem, deviam ser analisados tendo em mente alguns pontos.

Já alguém reflectiu no porquê da vitória de António de Oliveira Salazar como o maior português?

Será que nenhum dos nossos políticos leu Dostoievski?

As leis devem, na sua essência, dissuadir e punir o crime. Ou estarei errado?

O que é que se passa com o legislador(es) português?