Na base do conhecimento está o erro

Posts tagged “corrupção

O Socialismo e a intransigente defesa da legalidade.

No Estado Novo havia corrupção, leis feitas à medida, cartéis. E não existia liberdade, responsabilidade, ética. É deveras curioso mas, considerando a realidade de 2018, devemos viver no Estado Velho!

Algumas notas introdutórias são necessárias para a compreensão desta reflexão. Primeiro, ética tem origem na palavra grega ethos que significa «costume superior» ou «portador de carácter» abrangendo pensamento e comportamento. Segundo, a maioria das pessoas desconhece que Adam Smith antes da Riqueza das Nações escreveu a Teoria dos Sentimentos Morais, cujo objecto de análise é a filosofia moral através do carácter. Sendo complementares não é possível dissociar os conceitos destas duas obras. Terceiro, a liberdade é um valor e não um instrumento ou um mecanismo. A liberdade é o mais alto dos valores e dela decorre toda a responsabilidade.

Sabemos que o socialismo opta pela igualdade em detrimento da liberdade. Ora, exigindo a liberdade responsabilidade e responsabilização, esta não é possível sem sustentação ética. Logo, a ética não é um requisito fundamental para o socialismo.

Meu artigo no Observador. Podem continuar a ler aqui!

Advertisements

Estado Novo

Estado Novo.jpg

Durante o Estado Novo havia nepotismo, favorecimento ilícito, corrupção, leis feitas à medida, cartéis, etc.

Então, considerando a nossa realidade, devemos viver no Estado Velho!


Coerência, constância e menos influência: limitação de dois mandatos a todos os cargos públicos

CRP

Indubitavelmente, um dos principais problemas do sistema político português é a perpetuação das mesmas pessoas nos cargos públicos e/ou políticos.

Ora, sabendo-se que o mais alto cargo da República pertence à Presidência da República e que o mesmo está limitado a dois mandatos consecutivos, porque razão todos os outros cargos públicos não estão sujeitos à mesma limitação? Porque razão os presidentes dos órgãos locais estão limitados a três mandatos consecutivos e os deputados não observam nenhum limite?

Não há soluções perfeitas. Só humanas. É sempre neste pressuposto que penso sobre as questões. Igualmente tenho sempre presente que uma má decisão é preferível a uma indecisão. Em 1976, a Constituição da República Portuguesa (CRP) estabeleceu um conjunto de regras cujas pressuposições foram erodidas pelo tempo. E, goste-se ou não, as boas intenções que estão na génese da CRP também já foram corrompidas. Em 2017, é indisfarçável a sensação de impunidade, compadrio e de tráfico de influências que grassa em Portugal. Por outras palavras, não é possível continuar a manter esta degradação.

É evidente que a decisão de limitar os cargos públicos a dois mandatos consecutivos não vai resolver todos os problemas de Portugal. Mas seria, inquestionavelmente, um passo na direcção certa. Esta solução, na pior das hipóteses, provocaria uma mudança e um rejuvenescimento em todo o sistema público português: E, potencialmente, também poderia transformar o sistema partidário.

Todavia, tendo em mente o enquadramento constitucional português, quem possui a capacidade para fazer este tipo de alteração são os partidos políticos, particularmente os partidos com representação parlamentar, através dos respectivos deputados. Infelizmente, devido a essa prerrogativa, uma proposta deste género dificilmente será aprovada por ser contrária aos interesses pessoais dos deputados. Não posso afirmar que todos os deputados vetariam esta medida, mas posso dizer que nenhum partido português coloca os interesses do país à frente dos seus próprios interesses.

Assim, não se admirem com a existência de mais Raríssimas, nem com a manutenção e repetição destes tristes episódios da vida política portuguesa.

 

P.S. – não é a primeira vez que faço esta sugestão.

 


Corrupção? Impunidade?

Paulo Brito Costa

Paula Brito Costa da Raríssimas

Impunidade? Corrupção?

Haja paciência. São ambas raríssimas em Portugal.

Isto é uma manifestação da força do socialismo, exemplificada pela presença de socialistas que, apenas por mera coincidência, são membros do governo e/ou deputados(as).

 


Do esquema socretino

Esquema Sócrates.jpg

Milhões. Falamos de milhões!


É só uma questão de escala!

Ref Galp

 

Os presidentes das câmaras municipais e Sines e de Santiago do Cacém — Nuno Mascarenhas (PS) e Álvaro Beijinha (CDU) — também aceitaram convites da Galp para irem assistir aos jogos do Euro2016. Independentemente da reacção do PCP ao caso Galp, isto é motivo para admiração?

O “Galpgate” é apenas a ponta do iceberg. Se investigações a sério fossem realizadas, certamente seriam reveladas circunstâncias muito interessantes sobre os partidos mais moralistas do parlamento.

Para aqueles que me entendem, o PCP, os Verdes e o BE também participam na festa. A diferença para os restantes partidos é apenas uma questão de escala.

Até agora!

 


Lula da Silva ou o futuro do Brasil

Lula 1988

 

O meu avô sempre me disse: “Quem não deve, não teme!”

Lula da Silva teme e não é pouco. Ao refugiar-se atrás de instrumentos políticos – imunidade – que impedem o curso normal das investigações judiciais, Lula da Silva está apenas a aumentar as suspeitas que recaem sobre si.
Se tivesse a sua consciência tranquila, não agiria desta forma. Admito que não seja fácil estar nas bocas do mundo por estes motivos, mas indo a tribunal e sendo por este considerado inocente, Lula ficaria com a sua imagem integralmente reabilitada. Mas não foi essa a sua opção. Antes pelo contrário.

Como muito bem notou o Rui Albuquerque, “o que se está a passar no Brasil é coisa nunca vista em lado nenhum. Com raríssimas excepções, não há na classe dirigente desse imenso país um só político que não esteja envolvido em escândalos de corrupção. E se me pedirem para pôr as mãos no fogo por qualquer uma dessas «excepções raríssimas», garantidamente não o farei. A verdade é que atrás de um sempre vêm outros e que os acusadores de hoje são os acusados de amanhã.”

E esta é a circunstância que me deixa mais perplexo. A corrupção não é um fenómeno exclusivo da direita. Também existe na esquerda. E se revisitarmos a história, percebemos que a corrupção da esquerda não é brincadeira nenhuma.

Contudo, ao ler o que expressam os partidários de Lula da Silva, até parece que o homem pode ser corrupto porque os que estiveram antes dele também o foram. Pensava que um homem que se afirmou contra a corrupção, e seus efeitos na sociedade, agisse, ou procurasse agir, doutra forma? Mas não. Pelos vistos, Lula da Silva usufrui do beneplácito de quem o apoia e de quem o sucedeu. Quiçá, para alguns, até deve ser corrupto?

A corrupção não está adstrita à ideologia ou ao posicionamento partidário. É uma particularidade humana. No limite, qualquer é um pode ser corrupto.

Há mais de trinta anos escrevi isto: “No universo físico, tudo é uma questão de escala. No universo social, tudo é uma questão de opção”.
A opção tomada por Lula da Silva, não abona em seu favor. E, pelos vistos, a corrupção não termina com ele. Dilma Rousseff também tem muito a explicar.

No meio disto tudo, lamento pelo povo brasileiro. Não mereciam este tipo de comportamento, nem este exemplo.

A história também nos ensina que os totalitarismos e as ditaduras estão sempre à espera. Só é preciso que a democracia falhe!

Independentemente das circunstâncias, esta frase, expressa por Lula em 1988, ameaça revelar-se profética.