Na base do conhecimento está o erro

Latest

A favor dos jovens portugueses. Contra a arquitectura de Torremolinos!

Torremolinos.jpg

Portugal, segundo dizem, começa a (r)emergir das trevas da austeridade. Sim. Segundo dizem! Perdoem-me por não ser mais categórico, mas, enquanto não houver um consenso “geringôncio” sobre o assunto, não o poderei fazer (recentemente a Catarina Martins disse que ainda não estavam reunidas as condições para acabar com a austeridade).

Todavia (nestas coisas é sempre aconselhável seguir a cartilha oficial), agora que Portugal recomeça a trilhar o caminho para a luz e para o esclarecimento, é necessário ter uma atitude complacente e de compreensão para com aqueles que viveram tempos de um rigor obscurantista. Afinal, os efeitos da austeridade em Portugal foram tão nefastos que afectaram os alicerces do futuro, danificaram a estrutura das oportunidades e, pasme-se, até atingiram as desigualdades biológicas, repito, biológicas, inerentes à condição humana. Ou seja, não foi apenas a arquitectura que foi afectada. Os jovens foram-no muito mais!

Um país até pode dispensar a arquitectura, mas sem juventude não terá futuro. E o capital mais importante que os jovens possuem é a sua capacidade de expressão, independentemente da forma em que a mesma se manifesta.

É consciente desta circunstância que vou elaborar a petição – A favor dos jovens portugueses. Contra a arquitectura de Torremolinos! – para apoiar os jovens finalistas portugueses, cujo elevado comportamento merece ser reconhecido. E espero que a maioria dos portugueses a subscreva.

É impensável aplicar medidas de austeridade à criatividade dos jovens, especialmente, à física. Os pobrezinhos já se sentem demasiado diminuídos. É por isso que expurgam as suas frustrações na decoração, e por maioria de razão, naquela que implica um complemento físico. Sejamos honestos. Os actos dos jovens portugueses em Espanha não podem, nem devem ser perspectivados como uma mera expressão artística. Não. A sua postura atingiu um nível de sublimação! E pode muito bem ser o inicio duma revolução que irá modificar toda arquitectura da sociedade. Ora, oportunidades destas não surgem todos os dias.

Por esta razão, a petição, para além de defender que passe a ser obrigatório proporcionar aos jovens este tipo de oportunidades, também sugere que os passeios dos finalistas portugueses não se confinem a Espanha. A Europa tem outros países que merecem ser visitados. E, por fim, igualmente não esquece Portugal. Seria antipatriótico fazê-lo. Existe por aí muita construção que necessita dos melhoramentos que resultam deste tipo de expressão.

Que não haja enganos. Como este tipo de comportamento já está assegurado, devemos garantir a sua perpetuação. O Portugal de amanhã, tal como o de hoje, agradecerá.

Conto com a vossa assinatura!

Islam is peaceful religion. To whom?

Quran.jpg

It’s possible to watch several videos on the internet, mainly in social networks, advocating religious positions. There´s one, in particular, that tries to provide a defense of Islam as a peaceful religion (and, so far, I’m not arguing otherwise), stating that the word “jihad” is only 41 times written in the Qur’an, while the words “mercy”, “peace” and “compassion” are mentioned 355 times.
Unfortunately, this video is nothing but propaganda. It’s just a tool seeking to justify Islamic terrorism and to radicalize more people.

How many times is the word “jihad” written in the Qur’an is irrelevant. Ideally, it should never be mentioned, but arguing that Islam is a peaceful religion only because “jihad” is three times less mentioned than “mercy”, “peace” and “compassion” it’s a fallacy. And why?

The Qur’an isn’t the only source of religious law to Muslims. The Sunnah, the Hadith, the Fatwa also are mandatory and Muslims are required to obey them. As such, considering these other sources of Muslim law, one must ask how many times is the word “jihad” written on the Sunnah, on the Hadith and on the fatwa(s)?

A reference to Muhammad’s life and the writing of the Qur’an has to be made because both are inseparable. We know that Muhammad lived in Mecca, where he was born, and then emigrated to Medina (June 622). Mohammad wrote suras in both cities.  However, there’s a huge difference between these suras, both in form and in content or substance. 

In Meccan suras, Mohammed respects the Bible. Yet, in the Medinan suras, one can observe a deflection Mohammed’s attitude because there are numerous passages that warn Muslims to avoid the Jews and Christians. Moreover, while Meccan passages generally speak to the prophet himself or to the people, the Medinan passages are quite often addressed to his followers. And we also know that Meccan suras were overturned by the more recent suras (Medina) changing the Qur’an’s core message.

Islam may even be a peaceful religion. But, only for the faithful. At least, in principle (notwithstanding the pattern of behavior show otherwise). To everyone else, it’s intransigent and intolerant. And the Qur’an is quite clear about that!

The Qur’an can determine the conduct of Muslims, but who chooses the path to Allah are Muslims themselves. This can, eventually, represent another possibility. Nonetheless, the probability is low.

In Islam there’s no real separation between state and religion. Additionally, most people tend to forget that, unlike the other two main religions,  the Qur’an (as well as the Sunnah, the Hadith, the Fatwa) doesn’t only regulate religion and religious behavior. No. All aspects of life in society, including the juridical level, are regulated by them.

That said, one doubt remains. Can Muslims coexist with other faiths? Can Muslims live in western countries?

.

P.S. – I’ve read: The Shruti, The Tripiṭaka, The Hebrew Bible, The Talmud, The Christian Bible, The Dao de Jing, The Analects of Confucius, The Qur’an, The Guru Granth Sahib and the Zend Avesta.

I’m not saying that I’m an expert in these holy books, but, at least, I read them.

Como? A austeridade não acabou?

BE austeridade

.

Como? A austeridade não acabou?
Então, o que é que a senhora andou a fazer?
Porque razão andou a apoiar o executivo de António Costa?
Qual é a responsabilidade do Bloco de Esquerda nesse falhanço?

O BE, juntamente com o PCP e o PS, fizeram uma coligação parlamentar de apoio ao governo socialista que possuía a maioria dos votos na Assembleia da República. Não há, objectivamente, razão para a inexistência de condições ou da falta delas. Logo, somos confrontados com as seguintes evidências:

  1. A manifesta incapacidade negocial do BE e da sua presidente;

  2. Que o BE e os seus dirigentes são essencialmente antidemocráticos, não conseguindo dialogar  em condições de igualdade ou de paridade;

  3. E que o BE só está apto para negociar num ambiente de domínio total, ou seja, para impor a sua vontade.

Cara Catarina Martins, não sei se saberá, até porque é bem provável que não compreenda o contraditório, mas as suas opiniões só confirmam uma inclinação e preferência por uma ditadura.

Independentemente dessas circunstâncias, a verdade é que se a austeridade ainda não acabou foi porque o partido que a senhora dirige assim o permitiu.

Tudo o que tinha a fazer era ser mais assertiva e usar o seu capital negocial para concretizar as promessas que fez aos portugueses, particularmente ao seu eleitorado (incluindo aqueles que apenas circunstancialmente votaram bloco nas últimas legislativas). Se preferir, ou se a mesma lhe possibilitar uma melhor compreensão, podia ou devia ter feito uma chantagem, a qual, vinda de si, ninguém estranharia.

Finalmente, se a memória não me falha, a Catarina andou a apregoar aos ventos as magnificências do seu partido quanto ao virar da página e ao fim da austeridade.

Não me diga que, também aqui, vai sacudir a água do capote?

É um saldo, senhores. É um saldo!

Nacionalizações socialistas 3

O Novo Banco está à vista e os portugueses ou, pelo menos, alguns já se aperceberam do que se avizinha no horizonte.

PCP e BE são contra a venda. Como vivem num mundo ideal, cada vez mais distante da realidade, preferem uma nacionalização. Para este canto da geringonça, as debilidades estruturais – permanentes, diga-se – do Estado português são uma invenção dos mercados. Pura e simplesmente não existem. São uma ilusão! Já se esqueceram da CGD, cujos problemas ainda não foram resolvidos e com os quais vamos conviver por um tempo, e não tendo aprendido nada com a mesma defendem o mesmo procedimento para o Novo Banco. E como cereja no cimo do bolo, ainda advogam a saída do euro!?!?

Por sua vez, não tendo alternativa, o governo de António Costa anda a negociar a venda do Novo Banco. Mas, poderá esta operação ser classificada como uma venda? Não será antes um saldo? Ora vejamos. Segundo o governo, não se trata duma nacionalização, mas duma venda. Contudo, manter 25% do Novo Banco, sem direito a voto, é quase um cheque em branco. É fazer precisamente o oposto do que se afirmou não ir fazer: prestar uma garantia. Logo, pode não ser uma nacionalização. Porém, também não é uma venda. É um saldo!
Por outras palavras, António Costa e correligionários vão fazer precisamente o que acusaram os seus predecessores de terem feito, e que tanto criticaram.

O que é que sobra para os portugueses?
Algumas certezas e garantias. Primeiro, a certeza que nenhum banco irá suportar os encargos impostos ao fundo de resolução. Assim que os mesmos forem imputados, os bancos irão transferi-los aos seus clientes; Segundo, a garantia que, não sendo recuperada a totalidade da verba inicialmente alocada ao BES, a diferença irá ser paga pelos contribuintes. E, terceiro, a certeza que a má gestão pública (Governo e Banco de Portugal), aliada, neste caso, à má gestão privada (Ricardo Salgado), irá continuar.

Nota final:

António Costa faz tudo o que pode para se manter no poder. É, desde o início, refém da geringonça que ajudou a criar. E assim vai continuar. Os portugueses não são a sua preocupação. Os comunistas, que afirmam apoiar a venda mas que realmente não a desejam, tendo provado o poder começam a vender-se para o preservar. E o BE, apesar de já se ter apercebido que nunca será poder por uma via revolucionária, ainda não desistiu da mesma. Todavia, segue uma estratégia dupla através do seu Processo Ditatorial em Curso (PDEC).

The costs of making America great again!

Trumpcares

Trump campaign slogan was “Make America Great Again”. His inauguration speech was all about “America first, America first”. Evidently, these are catchy words that echo in peoples minds. And there’s nothing that prohibits Trump of expressing such kind of ideas. But, how exactly does Trump plan to do it? How will America be great again? And what are the costs inherent to such endevour? The future!

President Trump advocates that only a wall will enable American grandeur. And in order to finance the wall construction, Trump is cutting nearly $18B in medical research, infrastructure and community development grants. If this is his understanding on how to make America great again, I pity the american people. They got more than they bargained for and their future looks sad.

Even after discovering that unlike Trump’s campaign promise, Mexicans aren’t going to pay the wall I’m sure that americans prefer pay the building of a border wall instead of benefit from medical advances or scientific discoveries that will improve its lives. Why shouldn’t they?

But, hey, like Trump’s usually says “I’m the President and you’re are not!”. This phrase alone is enough to silence anyone and to solve any discussion or question. It’s magic! It’s “yugly” magic. All that Trump has to do is say it and immediately all problems will vanish. Just like that!

The main problem is that Trump deeply believes that this is true. Pure and simply, he isn’t aware of his own ignorance. As such, President Trump acts as if he knew everything and could do everything. The Constitution, the Bill of Rights, the courts, the law, the american people happiness and future are nothing but obstacles that he must remove from his path. Why? Because America has to be great again. And an America with medical and scientific progress, with several infrastructures rather than solely a border wall, with community development grants, and with social development can’t be great.

Finally, America will once again be first, mainly because it will lose its natural environment. Forests, flowers, bears and wolves, who needs that? Climate change is just a hoax! Just ask President Trump. He will tell you!

Ingratidão!

Caviar ESq.jpg

 

A Catarina Martins, o Francisco Louçã, o Daniel Oliveira e o Jerónimo de Sousa, entre outros, são mesmo ingratos. Se estão onde estão hoje, é principalmente devido aos recursos financeiros de terceiros.

A Europa foi o caviar que alimentou a esquerda portuguesa!

%d bloggers like this: