Na base do conhecimento está o erro

artigo

NATO Should Set Limits On Russia’s Actions In The East

The events leading to Crimea’s secession from Ukraine are not a series of ad-hoc moves, but part of a calculated plan by Russia’s leaders that fits Alexander Dugin’s vision of ‘Eurasianism’.
Accordingly, Russia is determined to follow its own Eurasian path, while the real goal of Eurasianism is the formation of a new political integration bloc. The European Union (EU) and NATO response must set limits on Russia.

A Retrospective View
Following the end of the Cold War, the North Atlantic Treaty Organization (NATO) did not disappear as did the Warsaw Pact. On the contrary, NATO grew in size and depth, welcoming former Soviet republics, such as the Baltic states, as members. As a result, in 1999 NATO changed its strategic concept, and the scope of NATO interventions expanded to remote 65ºE and 70ºE meridians of Afghanistan. In 2002, the establishment of the NATO-Russia Council reinforced the relationship between NATO and Russia. Later, at the November 2010 Lisbon Summit, NATO’s new Strategic Concept was published in response to the changing international security environment. This “Active Engagement, Modern Defense” concept reaffirmed the importance of strategic cooperation with Russia, and it strengthened the political consultations and practical NATO-Russia cooperation. The world has undergone radical change since the Cold War. In the 1980s, who would have thought that NATO and Russia would be partners?
However, almost all of this happened in a period of Russian economic weakness and political disorientation. After President Boris Yeltsin’s 1999 resignation, Vladimir Putin, a former KGB agent, took over control of Russia. Putin’s presidency coincided with an outstanding economic recovery (1) and soon Russia re-emerged as an economic and energy superpower. Yet nostalgia proved irresistible in 2014, when Vladimir Putin demonstrated that he had been living in the Cold War era. Russia’s new economic capacity permitted an increase in military spending. The political posture of the Russian leadership changed as well, as evidenced by Putin’s Munich speech in February 2007 and the 2008 Georgia war. Thus, Russia’s agenda clashed anew with NATO enlargement, which from 1999 to 2004 grew to include Czech Republic, Hungary, Poland, Bulgaria, Estonia, Latvia, Lithuania, Romania, Slovakia and Slovenia. Thus, Russian concerns over NATO resurfaced (2). Finally, the 2010 Russian Federation Military Doctrine expressed disapproval of NATO Eastern expansion and listed NATO as an external threat (3).

A Russian Spring?
Russia’s subsequent actions indicate that Moscow has devised a new strategy aimed at the restoration of Russia’s past glory. Some preparatory steps along this route, including Russia’s exit from the Treaty on Conventional Armed Forces in Europe, should have been viewed as a tactical move rather than diplomatic protest (4). Such steps are consistent with a realization of a general assertive Russian strategy that paved the way to war with Georgia in 2008. In fact, Russian hawks were convinced after the intervention in Georgia
that they had found a way to prevent further NATO enlargement (5). President Dmitry Medvedev’s statements in November 2011 echo that conviction (6). The naval base in Gudauta, Abkhazia, and Russia’s “Sevastopol agreements” with Ukraine, which extended the Black Sea Fleet lease until 2042, advanced Russia’s military doctrine and also contained NATO.
NATO cannot grant membership to a country hosting a non-member military base on its territory. So far, Russia’s strategy has worked: neither Ukraine nor Georgia has joined NATO since Russia invaded them.
Crimea’s secession from Ukraine and inclusion into the Russian Federation may be seen as a continuation of the same strategy. Earlier this year, when Putin realized that Viktor Yanukovych was going to be impeached by the Ukrainian Parliament and that Ukraine would not join the Eurasian Customs Union, Putin responded according to the script he used with Georgia in 2008, the only difference being that Crimea requested formal inclusion in the Russian Federation. On March 18 the Treaty of Accession of the Republic of Crimea and Sevastopol to the Russian Federation was signed (7).
Seen from this perspective, Viktor Yanukovych’s call for a referendum towards a ‘federalization’ of Ukraine is just an act in Vladimir Putin’s screenplay. The fact that the city of Donetsk (8) and Eastern Ukraine (9) are already being targeted confirms that Russia likely is not going to stop. Furthermore, Odessa may follow the same path (10). Observing these events, one must assume that the most likely scenario is the creation of a new Eastern bloc of satellite states headed by Moscow. Having in mind both the psychological profile of the current Russian leaders, particularly Vladimir Putin, and the sequence in the evolution of Russia with the West, tiny regions like Transnístria (11) or Gagaúzia (12) are going to be disputed, as well.

Friends or Foes?
Russia does not have a high opinion of the European Union on defense and security issues, not only due to the EU’s lack of competence in this area but also because the EU is no match to Russia in military terms. Moreover, aware of its energy predominance over Europe, Russia favors bilateral negotiations with the EU member states. In addition, Russia not only challenged but also rejected EU’s most fundamental feature, its normative power or “Model Power Europe” (13). In fact, Russia was able to promote Europeanization from the East by reversing the political conditionality and asymmetry within the EU-Russia relation (14). Concerning Ukraine, EU actions were disappointing, to say the least. However, this is not surprising: EU action parallels what happened during and after the 2008 Georgia war. Back then, the Extraordinary European Council suspended negotiations with Russia until Russian troops’ withdrawal from Georgia. Talks resumed, notwithstanding the fact that the Russian troops had not withdrawn. Given the fact that the EU did not ponder political alternatives to these actions, the inevitable question arises about what the EU cherishes most, its energy or its values (15).
For its part, NATO decided to suspend cooperation with Russia, but Russia’s leadership does not seem too offended. Alexander Lukashevich, Russia’s foreign ministry spokesman, recalled that this is not the first time such a gesture was assumed by the West and that after Russia’s war with Georgia NATO-Russia militar cooperation resumed (16). But while Russia is not worried about the interruption of a dialogue with NATO, Moscow does fear the integration of Ukraine and Georgia into NATO. Thus far, Western sanctions do not seem to have had an effect on the Kremlin strategy (17). Quite the contrary (18). Hence, if “freezing assets” is not an issue for Russians, what is? The Kremlin propaganda at the same time does its best to discredit any proactive policy by the West towards Crimea. According to the notorious Director General of the Rossiya Segodnya International Information Agency, Dmitry Kiselev, even the present response of the West, restrained though it is, deserves the following label: “Western behavior borders on schizophrenia” (19).

Boldness: Unexpected and Necessary
None of the three countries that are victims of Russia’s actual or potential separatist policy – Ukraine, Georgia, and Moldova – can join NATO or the EU with a ‘pending’ territorial conflict with a neighbor. Therefore, the cost of their accession may well be giving up a part of their country. If these states are willing to pay such high price, NATO must welcome them as members as soon as possible. Speeding up Ukrainian, Georgian and Moldovan accession to NATO would be the bold move. Membership Action Plan would not be sufficient (20). Moscow, which has always claimed that NATO enlargement was a broken promise, may be surprised by a swift, unified response, as those in the Kremlin have come to expect feeble behavior and sluggish responses from the EU and even from NATO. A bold move by NATO would finally set limits on Russia’s assertiveness. New Russian interventions in Georgia and Moldova are possible (21). Alexander Grushko, Russia’s permanent representative to NATO, reaffirmed Russia’s warning about Ukraine and Georgia membership. But will Russia really intervene if these countries became NATO members? After all, if we are before a novum frigus bellum we know it will not be the same as the previous Cold War. The division lines are already different, perhaps to a higher degree than is commonly thought. Any move that checks Russia’s influence is welcome (22).
Already some positive signs that could be the necessary precondition for such actions are appearing. NATO Secretary-General, Anders Fogh Rasmussen, has stated that “Russia’s military aggression in Ukraine is in blatant breach of its international commitments and it is a violation of Ukraine’s sovereignty and territorial integrity” (23). In Athens on April 5, Sweden’s Foreign Minister Carl Bildt stated that the EU “should be very firm on international law and the rules that must apply”. Referring to the banner “Crimea is in my heart” placed behind Vladimir Putin during a rally last month, Bildt went further noting that we should wonder what else Putin cares about (24). Indeed, one must ask what is going to be the cost of the resurgence of Russian greatness, and how far Russia’s leadership might go. However, we know one thing already: any sign of hesitation from the West will be interpreted by Moscow as a license to proceed with Russia’s previous course. Presently, Russia is well ahead in the triggering of events. Should the EU and especially NATO conform? Now is the time for decision. Deciding according to convenience means a loss of credibility. It also shows a marked lack of values. EU countries must show cohesion and speak with a single voice. NATO must act according to its essential purpose. A refocusing and ‘returning’ to Europe on the part of NATO, rather than a stubborn maintenance of the “Asian pivot”, is wise. And taking a stand against Russia confirms NATO’s raison d’être.

Notes

1 International Monetary Fund, “Russia – Gross Domestic Product, constant prices” (IMF, World Economic Outlook, October 2013).
2 Vladimir Putin, “Press Statement and Answers to Journalists’ Questions Following a meeting of the Russia-NATO Council” (President of Russia, 4 April 2008).
3 Dmitry Medvedev, “The Military Doctrine of the Russian Federation” (President of Russia, 5 February 2010).
4 Yuri Zarakhovich, “Why Putin Pulled Out of a Key Treaty” (Time, 14 July 2007).
5 Denis Dyomkin, “Russia says Georgia war stopped NATO expansion” (Reuters, 21 November 2008).
6 Dmitry Astahov, “Russia’s 2008 war with Georgia prevented NATO growth – Medvedev” (Ria Novosti, 21 November 2011).
7 Bridget Kendall, “Crimea crisis: Russian President Putin’s speech annotated” (BBC News, 19 March 2014).
8 Maria Finoshina, “Eastern Ukrainian city of Donetsk rallies in favor of independence referendum” (RT, 5 April 2014).
9 “Ukraine crisis: What is happening where?” (BBC News, 14 April 2014).
10 Anastasia Vlasova and Oksana Grytsenko, “Ukrainian nationalists, pro-Russian separatists stage rival rallies in Odessa” (KyivPost, 6 April 2014).
11 Christian Oliver, “Tiny Transnistria becomes the frontline in east-west struggle” (Financial Times, 4 April 2014).
12 Tiago Ferreira Lopes, “Post-soviet Unfrozen Dilemmas: Profiling Gagauzia” (State Building and Fragility Monitor, No. 7, March 2014).
13 Laura Ferreira-Pereira, “The European Union as a ‘Model Power’: Spreading Peace, Democracy and Human Rights in the Wider World”, in Federiga Bindi (ed.), The European Union Foreign Policy: Assessing Europe’s Role in the World (Brookings Institution Press, 2012).
14 Alena Vysotskaya Guedes Vieira, “The many patterns of Europeanization: European Union Relations with Russia, Ukraine and Belarus”, in Teresa Cierco (ed.), The European Union Neighborhood. Challenges and Opportunities (Farnham: Ashgate, 2013).
15 Council of the European Union, “Council conclusions on Ukraine” (European Union, 20/21 March 2014).
16 Timothy Heritage, “Russia says NATO reverts to Cold War-era mindset” (Reuters, 2 April 2014).
17 “Russian Deputy PM Plays Down Western Sanctions” (Ria Novosti, 15 March 2014).
18 Igor Ivanov, “Western Sanctions Are a Sign of Weakness” (The Moscow Times, 27 March 2014).
19 “Western behavior borders on schizophrenia” (Ria Novosti, 5 April 2014).
20 Joshua Kucera, “Ivanishvili: We Will Get NATO MAP in 2014” (Eurasianet.org, 2 May 2013).
21 Nicu Popescu, “After Crimea: Putin’s Balance Sheet” (EUISS, Issue Alert No. 24, 4 April 2014); Giorgi Menabde, “Kremlin’s Followers in Georgia Become Active” (The Jamestown Foundation, 3 April 2014).
22 “Eurasian Economic Union Treaty Could Be Signed by May” (Ria Novosti, 3 April 2014).
23 Fred Dews, “NATO Secretary-General: Russia’s Annexation of Crimea Is Illegal and Illegitimate” (Brookings Now, 19 March 2014).
24 Demetris Nellas, “EU Working With Russia, Ukraine to Defuse Crisis” (Associated Press, 5 April 2014).

Read more here: IPRIS Viewpoint 144

Advertisements

Estaline, PSD, Pluralidade e o cidadão

Confesso que estive para dar outro título a esta reflexão. Afinal, a época da caça ao cidadão abriu mais cedo este ano.

Estamos em ano de eleições. Autárquicas, além do mais, onde o grau de aproximação e de identificação com o cidadão é maior. Como tal, os partidos políticos preparam-se para atirar “charme” aos eleitores. Vão falar de cidadania, da importância do papel do cidadão e de pluralidade. Vão falar da utilidade da participação dos cidadãos nos projectos que defendem, da necessidade dum melhor futuro e de pluralidade. Vão falar dos seus candidatos, das maravilhas da gestão dos mesmos e de pluralidade. Vão falar, sobretudo, de pluralidade, mas não a praticarão! Principalmente, se os cidadãos questionarem a legitimidade da sua perpetuação ao cargo público.

A interpretação da lei 46/2005, de limitação dos mandatos, e a procura de esclarecimento sobre a leitura do extenso articulado deste diploma, composto por dois artigos, que alguns cidadãos procuraram junto do órgão indicado para o efeito, o tribunal, provocou uma reacção muito pouco democrática por parte do PSD e de alguns dos seus candidatos.

Porque é que tal aconteceu? Porque, aparentemente, o PSD e os seus candidatos, que deviam ser pluralistas, não lidaram bem com a diversidade de leituras, particularmente com as que não foram concordantes com os seus objectivos. Ora, este tipo de postura é muito mais condizente com o comportamento com um partido totalitarista do que com um partido social-democrata.

Note-se que os cidadãos não precisam da autorização dos partidos políticos para esclarecerem as suas dúvidas. Nem os candidatos dos partidos devem encarar as interrogações dos seus concidadãos como uma ofensa pessoal. Antes, pelo contrário. Até porque se o tribunal sustentar a pretensão dos candidatos, estes ficam mais legitimados. E, simultaneamente, os cidadãos ficam esclarecidos quanto à significação da lei.

Efectivamente, a época de caça ao cidadão já abriu. Infelizmente, alguns deles, por terem a ousadia de questionar, estão a ser atingidos no seu bom nome. Isto é inaceitável!

Ao saber que outro recurso aos tribunais foi movido contra a sua candidatura ao Porto, Luís Filipe Menezes, apenas proferiu esta frase: “Volta Estaline que estás perdoado”.

Quem é que se está a comportar como tal? O cidadão ou o candidato?


Luís Filipe Menezes ou o presidente de câmara vitalício!

Ao personalizar o título desta pequena reflexão, talvez esteja a ser injusto. Afinal, há mais autarcas em circunstâncias idênticas. Álvaro Amaro, Fernando Seara, Fernando Costa, Francisco Amaral, João Rocha, Jorge Pulido Valente, José Estevens, entre outros, e todos eles quiçá tenham o mesmo objectivo. Mas, Luís Filipe Menezes é especial porque quer ser candidato à minha cidade. Porém, encontrou alguns obstáculos: a lei, a sua interpretação e os cidadãos.

Todos os políticos manifestam apreço pela pluralidade e cidadania. Todavia, quando os cidadãos questionam a perpetuação dos actores políticos cai a Sé e a Torre dos Clérigos e reclama-se contra uma possível anarquia cívica e institucional. Se já tribunais é o diabo, cidadãos a interpretar a lei é uma heresia. É aqui que a “tolerância” política se desmorona. Os cidadãos não podem querer esclarecer as suas dúvidas quanto à observância da lei. Não. Cidadãos como estes estão contra os partidos e os políticos. Logo, podem ser denegridos, ou melhor, gentilmente classificados.

Ora, a Constituição da República Portuguesa, pelo seu art.º 118, impede o exercício vitalício de cargos políticos e prevê a possibilidade de limitação à renovação sucessiva de mandatos aos titulares de funções executivas e a já célebre lei 46/2005, que o PSD ajudou a redigir, efectivamente estabelece limites à renovação sucessiva de mandatos dos presidentes dos órgãos executivos das autarquias. Curiosamente, este diploma tem uma particularidade que torna complicadíssima a sua interpretação. Só tem dois artigos, sendo que o segundo apenas expressa a entrada em vigor. Por sua vez, o primeiro artigo é constituído por três números. São eles:

  1. “O presidente de câmara municipal e o presidente de junta de freguesia só podem ser eleitos para três mandatos consecutivos, salvo se no momento da entrada em vigor da presente lei tiverem cumprido ou estiverem a cumprir, pelo menos, o 3º mandato consecutivo, circunstância em que poderão ser eleitos para mais um mandato consecutivo.”
  2. O presidente de câmara municipal e o presidente de junta de freguesia, depois de concluídos os mandatos referidos no número anterior, não podem assumir aquelas funções durante o quadriénio imediatamente subsequente ao último mandato consecutivo permitido.”
  3. “No caso de renúncia ao mandato, os titulares dos órgãos referidos nos números anteriores não podem candidatar-se nas eleições imediatas nem nas que se realizem no quadriénio imediatamente subsequente à renúncia.”

Felizmente para nós, os partidos e respectivos intervenientes políticos estão sempre dispostos a ensinar a sociedade. Luís Filipe Menezes está a candidatar-se às mesmas funções que ainda exerce sem nenhum intervalo de tempo, mas de acordo com a sua argumentação, e do PSD, não se verifica nenhuma ilegalidade porque uma vez que não se recandidata a Gaia não se trata de uma renovação de mandato. Ficamos assim a saber que funções e quadriénio são sinónimos de geografia.

Contudo, a nossa aprendizagem não cessa aqui. Também aprendemos que Luís Filipe Menezes não quer ser Presidente da Câmara Municipal de Gaia eternamente. Nem do Porto ou de qualquer outra no futuro. Aparentemente, Luís Filipe Menezes só quer ser Presidente de Câmara vitalício!

É neste contexto que posso vislumbrar o dilema que terá em 2025.
Matosinhos? Gondomar? ou Maia?


Leituras indispensáveis (10)

Até já – por Pedro Santos Guerreiro

“Um desconhecido demitiu-se do Governo. Querem fazer uma algazarra disso. Fazer do desconhecido um mártir. Alinhar no populismo fácil de atacar a EDP. Invocar a lenga-lenga de que os lóbis ganham sempre. Pois querem. Querem e fazem bem.

Henrique Gomes era um desconhecido. Depois do bulício destes dias, vai continuar a sê-lo: as polémicas em Portugal são como o Carnaval, duram dois dias e, no fundo, ninguém leva a mal. Mas a política de subsidiação energética está longe de ser uma desconhecida. Henrique Gomes quis alterá-la, não conseguiu, então demitiu-se. Álvaro Santos Pereira e Passos Coelho também quiseram mudá-la, não conseguiram, então mudaram de opinião.

O sector da energia é sempre subsidiado. Na construção ou na operação, há sempre subsídios, evidentes ou evanescentes, até no petróleo. O primeiro mito a desfazer é portanto que a alternativa a subsidiar produção de energia é… não subsidiar produção de energia. O que há é muitos lóbis a disputar as fatias do bolo. Quando Patrick Monteiro de Barros quis construir uma refinaria em Sines, ela seria paga pelo Estado; quando se ataca as eólicas para construir nuclear, é com subsídios; quando as indústrias defendem a cogeração, querem subsídios; quando se anunciam carros eléctricos, micro-produção caseira ou os maiores parques de solar fotovoltaica da Europa, é porque há subsídios, subsídios, subsídios. Pronto: é só para desintoxicar dos paladinos da boa utilização dos dinheiros públicos que não querem mais que apropriar-se deles.

Subsidiar não é em si mesmo errado. No caso da cogeração, é preciso separar os escandalosos casos de quem anda a queimar “a seco” só para receber subsídio das indústrias que incluem a energia no seu processo produtivo. No caso das barragens e das eólicas, já aqui foi dito, essa opção estratégica está tomada, não se desmantela agora, aproveita recursos naturais de Portugal e será mais competitiva à medida que o petróleo inexoravelmente encarece. O problema não é pois a subsidiação, mas a escolha tecnológica que assiste e, no caso, é o seu valor, se é justo ou excessivo. Porque “subsídio” é apenas um nome fino para impostos que pagamos cegos e tarifas que suportamos mudos. A factura energética é uma fartura energética. Para muita, muita gente, incluindo autarquias.

O subsídio é excessivo? A “troika” diz que sim. Santos Pereira e Passos diziam, antes, que sim. Um estudo encomendado pelo Governo diz que sim. Quem diz que não? Quem recebe. A EDP, pois claro. Mas não só: a Endesa, a Iberdrola, todos os operadores de renováveis, que andam calados atrás das costas largas de António Mexia.

Os CMEC são contratos com uma origem antiga, custam 27 euros por ano a cada família portuguesa e são, já aqui foi escrito, um excelente negócio para a EDP, pois o Estado assume o risco da operação. Era isso que Henrique Gomes queria desfazer. Debalde. E porquê?

Essa é a grande pergunta: porquê? O Governo queria. A troika exigiu. O Ministério da Economia avançou com um imposto especial para tirar de um lado o que os subsídios davam por outro. Adiou-se tudo por causa da privatização. Perdeu-se o tempo certo. A secretária de Estado do Tesouro anunciou no dia da venda aos chineses que o Governo continuava livre para decidir tarifas. Não continuou nada: os chineses enfureceram-se. O Governo, se os queria enganar, enganou-se. E calou-se.

Não foi só um secretário de Estado que se demitiu de um cargo, foi um Governo que se demitiu da sua função, tornando-se perigosamente parecido com quem criticara violentamente no passado.

O encaixe brutal da privatização tem contrapartidas, como se viu nas nomeações de políticos para a administração, como se vê agora nesta postura obediente aos chineses. No fundo, percebe-se agora, parte desse encaixe da privatização será pago por nós, consumidores e indústrias. É por isso que este é o país “até já”: Santos Pereira diz até já a Henrique Gomes, Passos diz até já a Sócrates, todos dizemos até já aos lóbis, mudamos para que tudo fique na mesma, neste até já Portugal, até já sectores não transaccionáveis, até já cepa torta, sempre “até” e sempre “já” e sempre “nunca”, nunca, nunca mais saímos disto.”


Leituras indispensáveis (9)

 

Macaquinhos do Chinês


A civilização da pobreza

“History is again on the move”
Arnold Toynbee

Os recentes motins ocorridos em Inglaterra e a manifesta incapacidade de actuação por parte do Estado inglês e seus agentes evidenciaram o estado de espírito a que chegámos na Europa e no mundo.

De um lado são os “indignados” nas Portas do Sol, em Madrid, e os que já tiveram o seu momento de glória nos arredores de Paris quando permitiram ao então ministro do Interior, Nicolas Sarkozy, brilhar na reposição da ordem; do outro lado são os ataques à dívida soberana dos Estados que integram o euro e a Primavera Árabe da Tunísia à Líbia.

A meio do ano de 2011, vivemos um ambiente fortemente desequilibrado na avaliação da situação política. As agências de notação financeira são hoje agentes de perturbação nessa avaliação da situação política das economias mundiais. Não adianta votar, seja em quem for, quando dois ou três senhores, fechados numa sala qualquer, decidem quem continua em jogo, mesmo que se esteja a falar do presidente dos Estados Unidos. O escrutínio popular vale muito pouco nesta democracia.

Em Portugal, basta-nos o programa da troika e mostrar que temos um Governo com grande capacidade para aumentar a receita mas sem rapidez para diminuir a despesa.

Desde a Revolução de Abril de 1974, há 37 anos, que os diferentes governos têm tentado reformar o Estado. Sem êxito. O que tem sido grave é que, por isso, afecta aquilo que se pretendia: aumentar o bem–estar social e económico da população; promover a igualdade de oportunidades entre os cidadãos; orientar o desenvolvimento económico e social no sentido de um crescimento equilibrado de todos os sectores e regiões.

Acontece que, analisando todos os índices aferidores e qualidade de vida e bem-estar, concluímos que continuamos a ser um dos países mais pobres da Europa.

É verdade que foram dados passos importantes para a integração europeia, mas a nossa dinâmica evolutiva foi sempre mais lenta, vendo, por isso, todos os parceiros a distanciarem-se, relegando-nos para a cauda da Europa.

Isto tem conduzido a que o aparelho administrativo do Estado, que regulamenta a vida de todos os cidadãos, tenha crescido com uma enorme acumulação de defeitos e vícios, criando uma estrutura pesada e burocrática, cujos custos de manutenção, adicionados à sua má gestão, originaram incalculáveis prejuízos muito difíceis de contabilizar.

O Estado está a burocratizar-se e a centralizar-se cada vez mais! Há que tornear esta situação, implementando uma verdadeira e integral descentralização político-administrativa que acabe com as ligações de dependência entre o poder central e os débeis poderes autárquicos.

O papel do Estado não é de certeza estar no controle da economia, mas também não é o de criar condições para existirem, cada vez mais, poucos ricos e muitos pobres.

O Estado tem de ser regulador e não se pode demitir dessa função, bem como das demais funções de soberania: a segurança e a administração da justiça.

A civilização da pobreza não pode ser a alternativa ao fim do Estado social. Não acreditamos que a resposta de reduzir a despesa social seja a caridade de alguns no cumprimento do que deve ser a missão de todos, pois, como afirma o insuspeito Hayek, considerado por muitos como o paladino da liberdade e da responsabilidade individuais, “não há razão para que, numa sociedade livre, o Governo não deva assegurar a todos protecção contra severa carência, na forma de um rendimento mínimo garantido, ou um limiar abaixo do qual ninguém tenha necessidade de descer”.

Estou convicto de que os responsáveis políticos sabem que não basta pedir sacrifícios à maioria dos portugueses – e que é preciso dar o exemplo. Um exemplo que tem de ser uma prática e uma ideologia.

Quanto à prática, estamos todos numa grande expectativa. Quanto à ideologia, basta aprender com Francisco Sá Carneiro, segundo o qual “é preciso transformar Portugal numa democracia do tipo europeu e ocidental. Uma democracia onde a vontade do povo fosse soberana, onde vigorasse o primado da pessoa humana, onde se eliminassem as injustiças sociais, sem perverter, nem violar as liberdades individuais e onde a criatividade dos portugueses se afirmasse plenamente”.

António Tavares
Diário de Notícias de 8 de Setembro de 2011


Registar o ADN?

Mudar de opinião é algo perfeitamente normal, principalmente se essa mudança estiver sustentada em mais informação.

Aparentemente, foi o que os partidos do Governo fizeram relativamente ao Acordo, entre o nosso país e os EUA, que visa reforçar a cooperação na prevenção e combate ao crime e que prevê a partilha, mútua, de dados pessoais como o ADN dos cidadãos portugueses. Enquanto oposição, PSD e CDS-PP, afirmaram as suas preocupações sobre o mesmo.

O que eu não percebo é a falta de elucidação aos cidadãos sobre as razões para esta alteração, especialmente quando o Estado Português não é o “propietário” dos dados pessoais dos portugueses.
Quando este tipo de situações, relativas a alterações de entendimento de partidos que eram oposição e passam a ser Governo, se verificam os esclarecimentos deviam ser imediatos.

Como tal não é a regra, será que cada cidadão deve registar ou patentear o seu ADN?