Na base do conhecimento está o erro

artigo

Xi’s Gamble –

The Race to Consolidate Power and Stave Off Disaster

By Jude Blanchette

Xi Jinping is a man on a mission. After coming to power in late 2012, he moved rapidly to consolidate his political authority, purge the Chinese Communist Party (CCP) of rampant corruption, sideline his enemies, tame China’s once highflying technology and financial conglomerates, crush internal dissent, and forcefully assert China’s influence on the international stage. In the name of protecting China’s “core interests,” Xi has picked fights with many of his neighbors and antagonized countries farther away—especially the United States. Whereas his immediate predecessors believed China must continue to bide its time by overseeing rapid economic growth and the steady expansion of China’s influence through tactical integration into the existing global order, Xi is impatient with the status quo, possesses a high tolerance for risk, and seems to feel a pronounced sense of urgency in challenging the international order.

Why is he in such a rush? Most observers have settled on one of two diametrically opposite hypotheses. The first holds that Xi is driving a wide range of policy initiatives aimed at nothing less than the remaking of the global order on terms favorable to the CCP. The other view asserts that he is the anxious overseer of a creaky and outdated Leninist political system that is struggling to keep its grip on power. Both narratives contain elements of truth, but neither satisfactorily explains the source of Xi’s sense of urgency.

A more accurate explanation is that Xi’s calculations are determined not by his aspirations or fears but by his timeline. Put simply, Xi has consolidated so much power and upset the status quo with such force because he sees a narrow window of ten to 15 years during which Beijing can take advantage of a set of important technological and geopolitical transformations, which will also help it overcome significant internal challenges. Xi sees the convergence of strong demographic headwinds, a structural economic slowdown, rapid advances in digital technologies, and a perceived shift in the global balance of power away from the United States as what he has called “profound changes unseen in a century,” demanding a bold set of immediate responses.

By narrowing his vision to the coming ten to 15 years, Xi has instilled a sense of focus and determination in the Chinese political system that may well enable China to overcome long-standing domestic challenges and achieve a new level of global centrality. If Xi succeeds, China will position itself as an architect of an emerging era of multipolarity, its economy will escape the so-called middle-income trap, and the technological capabilities of its manufacturing sector and military will rival those of more developed countries.

Yet ambition and execution are not the same thing, and Xi has now placed China on a risky trajectory, one that threatens the achievements his predecessors secured in the post-Mao era. His belief that the CCP must guide the economy and that Beijing should rein in the private sector will constrain the country’s future economic growth. His demand that party cadres adhere to ideological orthodoxy and demonstrate personal loyalty to him will undermine the governance system’s flexibility and competency. His emphasis on an expansive definition of national security will steer the country in a more inward and paranoid direction. His unleashing of “Wolf Warrior” nationalism will produce a more aggressive and isolated China. Finally, Xi’s increasingly singular position within China’s political system will forestall policy alternatives and course corrections, a problem made worse by his removal of term limits and the prospect of his indefinite rule.

Xi believes he can mold China’s future as did the emperors of the country’s storied past. He mistakes this hubris for confidence—and no one dares tell him otherwise. An environment in which an all-powerful leader with a single-minded focus cannot hear uncomfortable truths is a recipe for disaster, as China’s modern history has demonstrated all too well.

A MAN IN A HURRY

In retrospect, Xi’s compressed timeline was clear from the start of his tenure. China had become accustomed to the pace of his predecessor, the slow and staid Hu Jintao, and many expected Xi to follow suit, albeit with a greater emphasis on economic reform. Yet within months of taking the reins in 2012, Xi began to reorder the domestic political and economic landscape. First came a top-to-bottom housecleaning of the CCP. The party had repeatedly demonstrated its ability to weather domestic storms, but pressures were building within the system. Corruption had become endemic, leading to popular dissatisfaction and the breakdown of organizational discipline. The party’s ranks were growing rapidly but were increasingly filled with individuals who didn’t share Xi’s belief in the CCP’s exceptionalism. Party cells in state-owned enterprises, private companies, and nongovernmental organizations were dormant and disorganized. Senior-level decision-making had become uncoordinated and siloed. The party’s propaganda organs struggled to project their messages to an increasingly cynical and tech-savvy citizenry.

Xi took on all these problems simultaneously. In 2013 alone, he initiated a sweeping anticorruption drive, launched a “mass line” campaign to eliminate political pluralism and liberal ideologies from public discourse, announced new guidelines restricting the growth of the party’s membership, and added new ideological requirements for would-be party members. The size of the party mattered little, he believed, if it was not made up of true believers. After all, he noted, when the Soviet Union was on the brink of collapse in the early 1990s, “proportionally, the Soviet Communist Party had more members than [the CCP], but nobody was man enough to stand up and resist.”

Next on Xi’s agenda was the need to assert China’s interests on the global stage. Xi quickly began land reclamation efforts in the South China Sea, established an air defense identification zone over disputed territory in the East China Sea, helped launch the New Development Bank (sometimes called the BRICS Bank), unveiled the massive international infrastructure project that came to be known as the Belt and Road Initiative, and proposed the Asian Infrastructure Investment Bank.

Xi continued to slash his way through the status quo for the remainder of his first term and shows no signs of abating as he approaches the end of his second. His consolidation of power continues uninterrupted: he faces no genuine political rivals, has removed term limits on his tenure in office, and has installed allies and loyalists in key positions. New research centers are dedicated to studying his writings and speeches, party officials publicly extol his wisdom and virtue, and party regulations and government planning documents increasingly claim to be based on “Xi Jinping Thought.” He has asserted the CCP’s dominance over vast swaths of Chinese society and economic life, even forcing influential business and technology titans to beg forgiveness for their insufficient loyalty to the party. Meanwhile, he continues to expand China’s international sphere of influence through the exercise of hard power, economic coercion, and deep integration into international and multilateral bodies.

Many outside observers, myself included, initially believed that the party’s inability to contain the outbreak of COVID-19 highlighted the weaknesses of China’s system. By the summer of 2020, however, Xi was able to extol the virtues of centralized control in checking the pandemic’s domestic spread. Far from undermining his political authority, Beijing’s iron-fisted approach to combating the virus has now become a point of national pride.

A UNIQUE MOMENT

Xi’s fast pace was provoked by a convergence of geopolitical, demographic, economic, environmental, and technological changes. The risks they pose are daunting, but not yet existential; Beijing has a window of opportunity to address them before they become fatal. And the potential rewards they offer are considerable.

The first major change is Beijing’s assessment that the power and influence of the West have entered a phase of accelerated decline, and as a result, a new era of multipolarity has begun, one that China could shape more to its liking. This view took hold as the U.S. wars in Afghanistan and Iraq became quagmires, and it solidified in the wake of the 2008 financial crisis, which the Chinese leadership saw as the death knell for U.S. global prestige. In 2016, the British vote to leave the European Union and the election of Donald Trump as president in the United States fortified the consensus view that the United States, and the West more generally, was in decline. This might suggest that China could opt for strategic patience and simply allow American power to wane. But the possibility of a renewal of U.S. leadership brought about by the advent of the Biden administration—and concerns about Xi’s mortality (he will be 82 in 2035)—means that Beijing is unwilling to wait and see how long this phase of Western decline will last.

The second important force confronting Xi is China’s deteriorating demographic and economic outlook. By the time he assumed office, China’s population was simultaneously aging and shrinking, and the country was facing an imminent surge of retirees that would stress the country’s relatively weak health-care and pension systems. The Chinese Academy of Social Sciences now expects China’s population to peak in 2029, and a recent study in The Lancet forecast that it will shrink by nearly 50 percent by the end of the century. Although Beijing ended its draconian one-child policy in 2016, the country has still recorded a 15 percent decline in births during the past 12 months. Meanwhile, the government estimates that by 2033, nearly one-third of the population will be over the age of 60.

Contributing to these woes is China’s shrinking workforce and rising wages, which have increased by ten percent, on average, since 2005. Larger paychecks are good for workers, but global manufacturers are increasingly moving their operations out of China and to lower-cost countries, leaving a rising number of low-skilled workers in China unemployed or underemployed. And because only 12.5 percent of China’s labor force has graduated from college (compared with 24 percent in the United States), positioning the bulk of the country’s workforce to compete for the high-skilled jobs of the future will be an uphill battle.

Directly related to this worrying demographic picture is the slowdown of China’s economy. With annual GDP growth having dropped from a high of 14 percent in 2007 to the mid-single digits today, many of the long-standing problems Beijing had been able to sweep under the rug now require attention and a willingness to accept economic and political pain, from unwinding the vast sea of indebted companies to demanding that firms and individuals pay more into the country’s tax coffers. At the heart of China’s growth woes is flagging productivity. Throughout the first several decades of the post-Mao reform period, realizing productivity gains was relatively straightforward, as the planned economy was dissolved in favor of market forces and droves of citizens voluntarily fled the countryside for urban and coastal areas and the promise of higher-wage jobs. Later, as foreign companies brought investment, technology, and know-how to the country, industrial efficiency continued to improve. Finally, the massive amounts spent on infrastructure, especially roads and rail, boosted connectivity and thus productivity. All of this helped a poor and primarily agricultural economy rapidly catch up with more advanced economies.

Yet by the time Xi assumed power, policymakers were finding it increasingly difficult to maintain momentum without creating unsustainable levels of debt, just as they had done in response to the 2008 global financial crisis. What is more, the country was already saturated with transportation infrastructure, so an additional mile of road or high-speed rail wasn’t going to add much to growth. And because almost all able-bodied workers had already moved from the countryside to urban areas, relocating labor wouldn’t arrest the decline in productivity, either. Finally, the social and environmental costs of China’s previous growth paradigm had become both unsustainable and destabilizing, as staggering air pollution and environmental devastation provoked acute anger among Chinese citizens.

Perhaps the most consequential shifts to have occurred on Xi’s watch are advances in new technologies such as artificial intelligence, robotics, and biomedical engineering, among others. Xi believes that dominating the “commanding heights” of these new tools will play a critical role in China’s economic, military, and geopolitical fate, and he has mobilized the party to transform the country into a high-tech powerhouse. This includes expending vast sums to develop the country’s R & D and production capabilities in technologies deemed critical to national security, from semiconductors to batteries. As Xi stated in 2014, first-mover advantage will go to “whoever holds the nose of the ox of science and technology innovation.”

Xi also hopes that new technologies can help the CCP overcome, or at least circumvent, nearly all of China’s domestic challenges. The negative impacts of a shrinking workforce, he believes, can be blunted by an aggressive push toward automation, and job losses in traditional industries can be offset by opportunities in newer, high-tech sectors. “Whether we can stiffen our back in the international arena and cross the ‘middle-income trap’ depends to a large extent on the improvement of science and technology innovation capability,” Xi said in 2014.

New technologies serve other purposes, as well. Facial recognition tools and artificial intelligence give China’s internal security organs new ways to surveil citizens and suppress dissent. The party’s “military-civil fusion” strategy strives to harness these new technologies to significantly bolster the Chinese military’s warfighting capabilities. And advances in green technology offer the prospect of simultaneously pursuing economic growth and pollution abatement, two goals Beijing has generally seen as being in tension.

THE PARANOID STYLE IN CHINESE POLITICS

This convergence of changes and developments would have occurred regardless of who assumed power in China in 2012. Perhaps another leader would have undertaken a similarly bold agenda. Yet among contemporary Chinese political figures, Xi has demonstrated an unrivaled skill for bureaucratic infighting. And he clearly believes that he is a figure of historical significance, on whom the CCP’s fate rests.

In order to push forward significant change, Xi has overseen the construction of a new political order, one underpinned by a massive increase in the power and authority of the CCP. Yet beyond this elevation of party power, perhaps Xi’s most critical legacy will be his expansive redefinition of national security. His advocacy of a “comprehensive national security concept” emerged in early 2014, and in a speech that April, he announced that China faced “the most complicated internal and external factors in its history.” Although this was clearly hyperbole—war with the United States in Korea and the nationwide famine of the late 1950s were more complicated—Xi’s message to the political system was clear: a new era of risk and uncertainty confronts the party.

The CCP’s long experience of defections, attempted coups, and subversion by outside actors predisposes it to acute paranoia, something that reached a fever pitch in the Mao era. Xi risks institutionalizing this paranoid style. One result of blurring the line between internal and external security has been threat inflation: party cadres in low-crime, low-risk areas now issue warnings of terrorism, “color revolutions,” and “Christian infiltration.” In Xinjiang, fears of separatism have been used to justify turning the entire region into a dystopian high-tech prison. And in Hong Kong, Xi has established a “national security” bureaucracy that can ignore local laws and operate in total secrecy as it weeds out perceived threats to Beijing’s iron-fisted rule. In both places, Xi has demonstrated that he is willing to accept international opprobrium when he feels that the party’s core interests are at stake.

At home, Xi stokes nationalist sentiment by framing China as surrounded and besieged by enemies, exploiting a deeply emotional (and highly distorted) view of the past, and romanticizing China’s battles against the Japanese in World War II and its “victory” over the United States in the Korean War. By warning that China has entered a period of heightened risk from “hostile foreign forces,” Xi is attempting to accommodate Chinese citizens to the idea of more difficult times ahead and ensure that the party and he himself are viewed as stabilizing forces.

Xi has placed China on a risky trajectory, one that threatens the achievements his predecessors secured.

Meanwhile, to exploit a perceived window of opportunity during an American retreat from global affairs, Beijing has advanced aggressively on multiple foreign policy fronts. These include the use of “gray zone” tactics, such as employing commercial fishing boats to assert territorial interests in the South China Sea and establishing China’s first overseas military base, in Djibouti. China’s vast domestic market has allowed Xi to threaten countries that don’t demonstrate political and diplomatic obedience, as evidenced by Beijing’s recent campaign of economic coercion against Australia in response to Canberra’s call for an independent investigation into the origins of the virus that causes COVID-19. Similarly, Xi has encouraged Chinese “Wolf Warrior” diplomats to intimidate and harass host countries that criticize or otherwise antagonize China. Earlier this year, Beijing levied sanctions against Jo Smith Finley, a British anthropologist and political scientist who studies Xinjiang, and the Mercator Institute for China Studies, a German think tank, whose work the CCP claimed had “severely harm[ed] China’s sovereignty and interests.”

Mao Zedong and Deng Xiaoping demonstrated strategic patience in asserting China’s interests on the global stage. Indeed, Mao told U.S. President Richard Nixon that China could wait 100 years to reclaim Taiwan, and Deng negotiated the return of Hong Kong under the promise (since broken by Xi) of a 50-year period of local autonomy. Both leaders had a profound sense of China’s relative fragility and the importance of careful, nuanced statesmanship. Xi does not share their equanimity, or their confidence in long-term solutions.

That has sparked concerns that Xi will attempt an extraordinarily risky gambit to take Taiwan by force by 2027, the 100th anniversary of the founding of the People’s Liberation Army. It seems doubtful, however, that he would invite a possible military conflict with the United States just 110 miles from China’s shoreline. Assuming the PLA were successful in overcoming Taiwan’s defenses, to say nothing of surmounting possible U.S. involvement, Xi would then have to carry out a military occupation against sustained resistance for an indeterminate length of time. An attempted takeover of Taiwan would undermine nearly all of Xi’s other global and domestic ambitions. Nevertheless, although the more extreme scenarios might remain unlikely for the time being, Xi will continue to have China flaunt its strength in its neighborhood and push outward in pursuit of its interests. On many issues, he appears to want final resolution on his watch.

THE MAN OF THE SYSTEM

Xi’s tendency to believe he can shape the precise course of China’s trajectory calls to mind the economist Adam Smith’s description of “the man of system”: a leader “so enamored with the supposed beauty of his own ideal plan of government, that he cannot suffer the smallest deviation from any part of it.” In order to realize his near-term goals, Xi has abandoned the invisible hand of the market and forged an economic system that relies on state actors to reach predetermined objectives.

Critical to this shift has been Xi’s reliance on industrial policy, a tool of economic statecraft that had fallen out of favor until near the end of the tenure of Xi’s predecessor, Hu, when it began to shape Beijing’s approach to technological innovation. The year 2015 marked an important inflection point, with the introduction of supersized industrial policy programs that sought not just to advance a given technology or industry but also to remake the entire structure of the economy. These included the Made in China 2025 plan, which aims to upgrade China’s manufacturing capabilities in a number of important sectors; the Internet Plus strategy, a scheme to integrate information technology into more traditional industries; and the 14th Five-Year Plan, which outlines an ambitious agenda to decrease China’s reliance on foreign technology inputs. Through such policies, Beijing channels tens of trillions of yuan into companies, technologies, and sectors it considers strategically significant. It does this by means of direct subsidies, tax rebates, and quasi-market “government guidance funds,” which resemble state-controlled venture capital firms.

Thus far, Beijing’s track record in this area is decidedly mixed: in many cases, vast sums of investment have produced meager returns. But as the economist Barry Naughton has cautioned, “Chinese industrial policies are so large, and so new, that we are not yet in a position to evaluate them. They may turn out to be successful, but it is also possible that they will turn out to be disastrous.”

Xi believes he can mold China’s future as did the emperors of the country’s storied past.

Related to this industrial policy is Xi’s approach to China’s private-sector companies, including many of the technological and financial giants that just a few years ago observers viewed as possible agents of political and social change. Technological innovation put firms such as Ant Group and Tencent in control of critical new data flows and financial technology. Xi clearly perceived this as an unacceptable threat, as demonstrated by the CCP’s recent spiking of Ant Group’s initial public offering in the wake of comments made by its founder, Jack Ma, that many perceived as critical of the party.

Xi is willing to forgo a boost in China’s international financial prestige to protect the party’s interests and send a signal to business elites: the party comes first. This is no David and Goliath story, however. It’s more akin to a family feud, given the close and enduring connections between China’s nominally private firms and its political system. Indeed, nearly all of China’s most successful entrepreneurs are members of the CCP, and for many companies, success depends on favors granted by the party, including protection from foreign competition. But whereas previous Chinese leaders granted wide latitude to the private sector, Xi has forcefully drawn a line. Doing so has further restricted the country’s ability to innovate. No matter how sophisticated Beijing’s regulators and state investors may be, sustained innovation and gains in productivity cannot occur without a vibrant private sector.

GRAND STRATEGY OR GRAND TRAGEDY?

In order to seize temporary advantages and forestall domestic challenges, Xi has positioned himself for a 15-year race, one for which he has mobilized the awesome capabilities of a system that he now commands unchallenged. Xi’s truncated time frame compels a sense of urgency that will define Beijing’s policy agenda, risk tolerance, and willingness to compromise as it sprints ahead. This will narrow the options available to countries hoping to shape China’s behavior or hoping that the “Wolf Warrior” attitude will naturally recede.

The United States can disprove Beijing’s contention that its democracy has atrophied and that Washington’s star is dimming by strengthening the resilience of American society and improving the competence of the U.S. government. If the United States and its allies invest in innovation and human capital, they can forestall Xi’s efforts to gain first-mover advantage in emerging and critical technologies. Likewise, a more active and forward-looking U.S. role in shaping the global order would limit Beijing’s ability to spread illiberal ideas beyond China’s borders.

Unwittingly, Xi has put China into competition with itself, in a race to determine if its many strengths can outstrip the pathologies that Xi himself has introduced to the system. By the time he assumed power, the CCP had established a fairly predictable process for the regular and peaceful transition of power. Next fall, the 20th Party Congress will be held, and normally, a leader who has been in charge as long as Xi has would step aside. To date, however, there is no expectation that Xi will do so. This is an extraordinarily risky move, not just for the CCP itself but also for the future of China. With no successor in sight, if Xi dies unexpectedly in the next decade, the country could be thrown into chaos.

Even assuming that Xi remains healthy while in power, the longer his tenure persists, the more the CCP will resemble a cult of personality, as it did under Mao. Elements of this are already evident, with visible sycophancy among China’s political class now the norm. Paeans to the greatness of “Xi Jinping Thought” may strike outsiders as merely curious or even comical, but they have a genuinely deleterious effect on the quality of decision-making and information flows within the party.

It would be ironic, and tragic, if Xi, a leader with a mission to save the party and the country, instead imperiled both. His current course threatens to undo the great progress China has made over the past four decades. In the end, Xi may be correct that the next decade will determine China’s long-term success. What he likely does not understand is that he himself may be the biggest obstacle.


Quem pagou os custos da EMPORDEF?

Resultado líquido consolidado: 57,2 milhões de euros negativos; capital próprio consolidado: 73,9 milhões de euros negativos; passivo consolidado: cerca de 827 milhões de euros. Accountability? Zero!

Texto publicado n’ Observador – 26 de Fevereiro 2021

Programa do XIX Governo previa a reestruturação das indústrias da defesa, visando a sua sustentabilidade e privatização. Este propósito já constava no Programa de Estabilidade e Crescimento (PEC) 2010-2013 que, para esse fim, preconizava quatro processos de alienação, a saber: Estaleiros Navais de Viana do Castelo, S.A. (ENVC), EDISOFT – Empresa de Serviços e Desenvolvimento de Software, S.A., EMPORDEF — Tecnologias de Informação, S.A e EID – Empresa de investigação e Desenvolvimento de Eletrónica, S.A.

No contexto da conclusão do ciclo de privatizações, que conduziu à alienação parcial de participações sociais na EDISOFT e EID – que passaram a ser empresas privadas com capitais públicos (e onde o Estado passou a ser minoritário, sem funções de gestão corrente) –, à subconcessão dos ENVC, e não tendo havido interessados na aquisição da EMPORDEF TI, em 2014, deu-se início à liquidação da holding das indústrias da Defesa, EMPORDEF, S.G.P.S., S.A., cuja atividade consistia na gestão das participações sociais detidas pelo Estado em sociedades ligadas direta ou indiretamente às atividades da Defesa.

Importa recordar que as decisões de privatização das participações sociais detidas pela EMPORDEF e sua subsequente liquidação, resultaram do acordo feito com a Troika e, para tal, através da Resolução do Conselho de Ministros (RCM) n.º 42/2014, que expunha a situação calamitosa da empresa – um resultado líquido consolidado de 57,2 milhões negativos, um total de capital próprio consolidado de 73,9 milhões de euros negativos e um passivo consolidado total de cerca de 827 milhões de euros, nos quais se incluíam 200 milhões de euros de financiamento obtido de curto prazo – situação que foi determinante para o início do processo conducente à dissolução e liquidação da empresa.

Por sua vez, a RCM n.º 50/2015, de 17 de julho, para além de indicar um prazo de 120 dias para a liquidação e que os direitos e responsabilidades remanescentes da EMPORDEF seriam transferidas para o Estado, via Direção-Geral do Tesouro e Finanças (DGTF), também determinou um prazo de 15 dias para a dissolução da EMPORDEF e que na sua liquidação e extinção fossem seguidas estas linhas de orientação:

  • Promover a dissolução da DEFLOC – Locação de Equipamentos de Defesa, S.A., e da DEFAERLOC – Locação de Aeronaves Militares, S.A., no prazo máximo de 30 dias;
  • Proceder à reorganização das participações do núcleo naval, mediante a transferência para a Arsenal do Alfeite, S.A., da participação no capital social da Navalrocha – Sociedade de Construção e Reparações Navais, S.A.;
  • Proceder à transferência para o Estado, através da Direção-Geral do Tesouro e Finanças, da participação no capital social da IDD – Plataformas das Indústrias de Defesa Nacionais, S.A.;
  • Concluir o processo de venda da participação na EID, S.A., cujas receitas seriam afectas ao reembolso das dívidas da EMPORDEF, nomeadamente perante a Arsenal do Alfeite, S.A.;
  • Concluir o processo de liquidação e extinção da ENVC, S.A., no prazo de 90 dias, a contar da data da publicação da presente resolução, prorrogável nos termos legais;
  • Promover a alienação dos imóveis disponíveis para venda.

Ora, a 30 de dezembro de 2019, quatro anos, cinco meses, uma semana e seis dias depois, já sob a égide do governo de António Costa, a EMPORDEF continuava em processo de liquidação, conforme é exposto no Despacho n.º 786/2020. Neste despacho também se definiu a reestruturação da IDD – Plataforma das Indústrias de Defesa Nacionais, S.A. (desde 29 de junho de 2020, IdD – Portugal Defence, S.A.) que na prática passou a ser uma holding, tendo assumido, entre outras, todas as participações da EMPORDEF que deveriam ter sido objecto de dissolução, liquidação, extinção e/ou venda. Miraculosamente, em 24 horas, foi registado o encerramento da liquidação da EMPORDEF [verificável no anexo 2 do relatório e contas da IdD, SA, 2019 (na página 84)].

É muito provável que tenha sido a DGTF, como acionista, a assumir todos os encargos financeiros, mas o montante dos mesmos é desconhecido. Isto é o que se sabe:

  1. Apesar da liquidação da holding EMPORDEF ter sido iniciada em 2014, em 2019 continuava por concretizar;
  2. Em 2020, foi criada uma  nova holding IdD – Portugal Defence, S.A., que passou a deter, através de aumento de capital em espécie, as seguintes participações detidas pelo Estado, algumas minoritárias, no sector da Defesa:
    1. OGMA – Indústria Aeronáutica de Portugal, S.A.;
    2. Arsenal do Alfeite, S.A.;
    3. Navalrocha – Sociedade de Construção e Reparações Navais, S.A.;
    4. EEN – EMPORDEF Engenharia Naval, S.A.;
    5. EID, S.A.;
    6. EMPORDEF TI, S.A.;
    7. EDISOFT, S.A.;
    8. Extra – Explosivos da Trafaria, S.A.;
  3. Do conjunto das participações sociais que migraram para a nova holding, encontram-se as detidas pela EMPORDEF, designadamente, as empresas cujos processos de privatização estiveram previstos no PEC 2010-2013 e no Programa do XIX Governo, mas que acabaram por não se concretizar.
  4. Tudo indica que o aumento de capital em espécie seja equivalente a 104 milhões 450 mil euros porque o capital social da IdD, S.A., aumentou de 50.000,00 € para 104.500.000,00 €.

É indesmentível que o XXI Governo não deu continuidade aos processos de privatização do sector da Defesa, previstos or José Sócrates e encetados por Pedro Passos Coelho, processos esses que poderiam ter minorado o impacto de encargos financeiros para o Estado.

Aliás, na linha da experiência passada, o que se verifica é que a “nova” holding mantém os maus hábitos herdados, sendo impossível ignorar que as empresas entretanto privatizadas apresentam uma situação estável, ao mesmo tempo que as empresas que se mantiveram sob gestão estatal, exibem significativas fragilidades, como é notícia, no caso do Arsenal do Alfeite, onde a tesouraria e a falta de encomendas fazem perigar o pagamento de salários e de fornecedores.

Acresce que o escrutínio sobre a liquidação da EMPORDEF continua a exibir elevada opacidade. Aos dias de hoje, não é possível saber qual o prejuízo que o Estado assumiu com a liquidação da EMPORDEF. O apoio técnico da função acionista do Estado (DGTF-UTAM) não divulga a informação sobre estes processos, nem sobre o Sector Empresarial do Estado, datando de 2015 a última informação disponívelEstranhamente, também a instituição superior de controlo, o Tribunal de Contas, que zela pela boa gestão dos dinheiros públicos, não tem apresentado qualquer resultado de auditorias sobre a dissolução e liquidação de empresas públicas, remontando a março de 2005 (relatório n.º 13/2005 – 2ª secção) o último trabalho feito a este nível.

Porém, isto é apenas uma parte do labirinto – um sinuoso e opaco labirinto deliberadamente construído para dificultar a accountability do Estado. Tudo isto está a ser conseguido com a complacência das “pessoas de confiança”, nomeadas e colocadas pelo Governo, nas entidades reguladoras e controladoras do Estado. O Governo chama a isto transparência. Eu classifico como obscurantismo ou capitalismo de compadrio.

Transparência é permitir que qualquer informação sobre a gestão do Estado esteja acessível a qualquer cidadão a qualquer momento.

Por essa razão é imperioso que o governo responda a estas questões:

  • A EMPORDEF foi ou não liquidada?
  • Há um registo de liquidação. Foi executado?
  • Tendo sido, quanto custou ao Estado?
  • Se não foi concluída a liquidação, qual o valor do passivo actual da EMPORDEF?
  • Quem são os seus credores, e qual o montante em dívida aos bancos?
  • Por curiosidade, de todas as empresas referidas, a única que se manteve sob gestão pública foi a Arsenal do Alfeite, S.A. Qual é situação actual desta empresa?

Sociais-democratas à esquerda do PCP.

As acólitas de Francisco “Tele-evangelista” Louçã – o homem que aderiu à Liga Comunista Internacional (LCI), partido político (fundado em 1973) de matriz trotskista que se declarou como a secção portuguesa da IV Internacional, e que em 1978 se fundiu com o partido revolucionário dos trabalhadores (PRT), originando, um ano depois, o partido socialista revolucionário (PSR), – Catarina Martins e Marisa Matias são sociais-democratas.

Tinha a ideia de que os trotskistas, à semelhança do que Marx tinha afirmado, defendiam a mudança da sociedade pela via da revolução, preferencialmente permanente, desprezando a via evolucionária e reformista preconizada por Ferdinand Lassalle (fundador da social-democracia), que foi revista e aperfeiçoada por Eduard Bernstein.

Este tipo de contradições não é novidade nos bloquistas. Se tiverem de renegar aquilo em que acreditam, fazem-no sem qualquer problema. Há uma divisão essencial no socialismo: os que são democratas e os que são totalitários. Um dos fundamentos para essa divisão reside precisamente na forma de mudança da sociedade. A social-democracia é democrática, o trotskismo não.

Recorde-se que Francisco “Tele-evangelista” Louçã, juntamente com o seu camarado Luís Fazenda, depois de eleitos para a Assembleia da República, fizeram uma birra por quererem sentar-se à esquerda do PCP. Pouco tempo depois, a 21 de julho de 2005, numa entrevista ao Público, Francisco Louçã afirmou que queria ser uma alternativa ao governo socialista, ou seja, ao PS. Contudo, na mesma entrevista Louçã definiu o BE como “socialista do século XXI”. E que tipo de socialismo defende o BE? Segundo o próprio tele-evangelista, pela radicalidade e transformação política consistente com o posicionamento do BE à esquerda do PCP (2 de março de 2008, DN).

A social-democracia não fica à esquerda do PCP. Fica à direita do PS. O tele-evangelista e as suas acólitas sabem-no perfeitamente. São hipócritas, desonestos e populistas, disponíveis para serem o que for necessário ser para terem mais um voto.

Ao fazê-lo demonstram toda a sua incoerência face ao que defendem ideologicamente.


The state in the time of covid-19

Big government is needed to fight the pandemic. What matters is how it shrinks back again afterwards – The Economist

IN JUST A few weeks a virus a ten-thousandth of a millimetre in diameter has transformed Western democracies. States have shut down businesses and sealed people indoors. They have promised trillions of dollars to keep the economy on life support. If South Korea and Singapore are a guide, medical and electronic privacy are about to be cast aside. It is the most dramatic extension of state power since the second world war.

One taboo after another has been broken. Not just in the threat of fines or prison for ordinary people doing ordinary things, but also in the size and scope of the government’s role in the economy. In America Congress is poised to pass a package worth almost $2trn, 10% of GDP, twice what was promised in 2007-09. Credit guarantees by Britain, France and other countries are worth 15% of GDP. Central banks are printing money and using it to buy assets they used to spurn. For a while, at least, governments are seeking to ban bankruptcy.

For believers in limited government and open markets, covid-19 poses a problem. The state must act decisively. But history suggests that after crises the state does not give up all the ground it has taken. Today that has implications not just for the economy, but also for the surveillance of individuals.

It is no accident that the state grows during crises. Governments might have stumbled in the pandemic, but they alone can coerce and mobilise vast resources rapidly. Today they are needed to enforce business closures and isolation to stop the virus. Only they can help offset the resulting economic collapse. In America and the euro area GDP could drop by 5-10% year-on-year, perhaps more.

One reason the state’s role has changed so rapidly is that covid-19 spreads like wildfire. In less than four months it has gone from a market in Wuhan to almost every country in the world. The past week logged 253,000 new cases. People are scared of the example of Italy, where almost 74,000 recorded cases have overwhelmed a world-class health system, leading to over 7,500 deaths.

That fear is the other reason for rapid change. When Britain’s government tried to hang back so as to minimise state interference, it was accused of doing too little, too late. France, by contrast, passed a law this week giving the government the power not just to control people’s movements, but also to manage prices and requisition goods. During the crisis its president, Emmanuel Macron, has seen his approval ratings soar.

In most of the world the state has so far responded to covid-19 with a mix of coercion and economic heft. As the pandemic proceeds, it is also likely to exploit its unique power to monitor people using their data (see article). Hong Kong uses apps on phones that show where you are in order to enforce quarantines. China has a passporting system to record who is safe to be out. Phone data help modellers predict the spread of the disease. And if a government suppresses covid-19, as China has, it will need to prevent a second wave among the many who are still susceptible, by pouncing on every new cluster. South Korea says that automatically tracing the contacts of fresh infections, using mobile technology, gets results in ten minutes instead of 24 hours.

This vast increase in state power has taken place with almost no time for debate. Some will reassure themselves that it is just temporary and that it will leave almost no mark, as with Spanish flu a century ago. However, the scale of the response makes covid-19 more like a war or the Depression. And here the record suggests that crises lead to a permanently bigger state with many more powers and responsibilities and the taxes to pay for them. The welfare state, income tax, nationalisation, all grew out of conflict and crisis (see article).

As that list suggests, some of today’s changes will be desirable. It would be good if governments were better prepared for the next pandemic; so, too, if they invested in public health, including in America, where reform is badly needed. Some countries need decent sick pay.

Other changes may be less clear-cut, but will be hard to undo because they were backed by powerful constituencies even before the pandemic. One example is the further unpicking of the euro-zone pact that is supposed to impose discipline on the member-states’ borrowing. Likewise, Britain has taken its railways under state control—a step that is supposed to be temporary but which may never be retracted.

More worrying is the spread of bad habits. Governments may retreat into autarky. Some fear running out of the ingredients for medicines, many of which are made in China. Russia has imposed a temporary ban on exporting grain. Industrialists and politicians have lost trust in supply chains. It is but a small step from there to long-term state support for the national champions that will have just been bailed out by taxpayers. Trade’s prospects are already dim (see article); all this would further cloud them—and the recovery. And in the long term, a vast and lasting expansion of the state together with dramatically higher public debt (see article) is likely to lead to a lumbering, less dynamic kind of capitalism.

But that is not the biggest problem. The greater worries lie elsewhere, in the abuse of office and the threats to freedom. Some politicians are already making power grabs, as in Hungary, where the government is seeking an indefinite state of emergency. Israel’s prime minister, Binyamin Netanyahu, appears to see the crisis as a chance to evade a trial for corruption.

The most worrying is the dissemination of intrusive surveillance. Invasive data collection and processing will spread because it offers a real edge in managing the disease. But they also require the state to have routine access to citizens’ medical and electronic records. The temptation will be to use surveillance after the pandemic, much as anti-terror legislation was extended after 9/11. This might start with tracing TB cases or drug dealers. Nobody knows where it would end, especially if, having dealt with covid-19, surveillance-mad China is seen as a model.

Surveillance may well be needed to cope with covid-19. Rules with sunset clauses and scrutiny built in can help stop it at that. But the main defence against the overmighty state, in tech and the economy, will be citizens themselves. They must remember that a pandemic government is not fit for everyday life.


COVID-19 – Global

Leiam este artigo do New York TimesWhich country has flattened the curve for coronavirus?

Vão ficar a perceber porque andei a reclamar por medidas mais draconianas todos estes dias.

É preciso pressionar o governo. António Costa não pode falhar outra vez.


Feliz Ano de 2009

Janus, embora omnipresente, está cada vez mais próximo. Os festejos da passagem de ano já passaram e nas tradicionais (?) mensagens de Ano Novo tivemos os mais rasgados elogios à esplendorosa governação neo-socialista do país.

Sim, neo-socialismo. O socialismo de Mário Soares foi enterrado há muito tempo. E os neo-socialistas não gostam de Soares. Renegam veementemente o 25 de novembro e desdenham integralmente a gestão soarista do IX governo. Mário Soares procurou resolver problemas na realidade. Os neo-socialistas não. Qual é o problema que não pode ser resolvido no Facebook, Twitter, etc.? E quando os fogos e as cheias se sucedem ou é impossível disfarçar as deficiências dos serviços do Estado, dizem que a culpa é do Passos Coelho e encomendam a Augusto Santos Silva mais um código de conduta.

O leitor poderá estar a indagar-se sobre duas coisas: Primeiro, quem foi o mentor do neo-socialismo em Portugal? Segundo, porquê feliz ano de 2009?

O mentor do neo-socialismo é José Sócrates. O homem que não acredita no pagamento de dívidas e a quem, apesar de não o fazerem em público, os governantes neo-socialistas chamam carinhosamente de “reverendíssimo Mestre”.

À semelhança de José Sócrates, de quem foram, na sua maioria, discípulos, os governantes neo-socialistas não acreditam no assumir das responsabilidades. Se fossem uma das personagens do Hotel Transilvânia, só poderiam ser a do “não fui eu”.

Porém, crêem-se exemplares e revestidos das mais altas virtudes: Imaculados, como se tivessem um registo invejável de actividade no sector privado – sem jamais terem recebido apoios e/ou subsídios estatais; Íntegros, pois nunca omitiram nenhuma informação a qualquer tribunal português; Incensuráveis, na isenção, regra que Raríssimas vezes foi quebrada, devido à incapacidade para obterem proveitos próprios ou para beneficiar o PS e/ou os seus militantes ou simpatizantes; Abnegados, passam noites em claro a pensar na redução da carga fiscal; Tolerantes, sempre disponíveis para o contraditório e para a defesa da liberdade de expressão, contagiando outros órgãos de soberania (a cruzada de Ferro Rodrigues contra a vergonha demonstra-o).

Há quem diga que governantes com este tipo de qualidades, mais cedo ou mais tarde, farão parte da Congregação dos Santos Ritos. Eu reitero estamos perante os deuses de Olisipo. A santidade é insuficiente.

Já a referência ao ano de 2009 deve-se às incontornáveis parecenças. Há dez anos o PS de Sócrates ganhava eleições sem maioria, Costa acabou de o fazer; Sócrates queria combater a corrupção, Costa também; Sócrates prometeu não aumentar a carga fiscal, Costa idem; Sócrates tinha o TGV (que já custou 200 milhões de euros aos contribuintes), Costa tem a ferrovia; Sócrates tinha as PPP, Costa não só as tem como as vai multiplicar sem as exigência que a lei impunha; Sócrates tinha os PEC, Costa tem as cativações; Sócrates queria um aeroporto, Costa também (com 5 metros de elevação); Sócrates tinha o Simplex, Costa tem um novo Simplex; Até os empresários eram maus. E, tal como Sócrates, Costa também tem Augusto Santos Silva no governo.

Nem Guterres ou Sócrates acertaram com as funções ideais para Santos Silva. António Costa foi lapidar. O Ministério dos Negócios Estrangeiros, onde quase tudo é confidencial, classificado e raramente transparente, é a escolha perfeita para um homem que não gosta nada de prestar contas.

Augusto Santos Silva é a expressão dum paradoxo. Há 25 anos que é um dos rostos do futuro do PS. Possuidor duma educação elevadíssima, recusa-se a fazer uso do insulto. Nunca insulta. São brincadeiras. Ele é o “ayatollah de Barcarena”, a “broa do Costa”, a “feira do gado”. Por vezes, pede desculpa, mas do que realmente gosta é de malhar. E não discrimina ninguém. Tanto malha na direita como na esquerda, embora confesse ter um carinho especial pelos plebeus e chiques do PCP e do BE.

Como gestor público viajou em executiva quando a lei o proibia e fez uso dum cartão de crédito com um plafond mensal de dez mil euros que não tinha pedido. Para além disso, contribuiu para um pântano, uma bancarrota e a falência dos serviços públicos. Não consta que alguma vez tenha tido iniciativa ou actividade empresarial, mas classifica os empresários de “fraquíssimos”. Se pedisse asilo à Coreia do Norte deixaria de ter preocupações com o tecido empresarial. E, quiçá, alcançaria mais um sonho sociológico.

As brincadeiras de Santos Silva – nem todas – levam à penitência. Trata-se dum comportamento recorrente. Dificilmente será a última vez. No entanto, persiste hirto e firme no caminho dos códigos de conduta. Há pessoas que definitivamente estão para além da redenção.

Dito isto, há uma coisa que António Costa não tem no governo: José Sócrates. Contudo, Sócrates nunca plantou sobreiros na areia. O D. Dinis também não. Como António Costa sabe tanto de gestão pública como de agricultura, espero que, com o revivalismo socretino, a “quoitra” não ande por aí.

PS – O OE 2020 tem mais de mil incoerências (será recorde?), mas o saldo não muda. E o PCP abstém-se nos 600 milhões para o novo banco. O socialismo tem futuro. Bom Ano Novo!

 

Publicado no Observador a 11 de janeiro de 2020


Keep calm and enjoy socialism

As bandeiras eleitorais socialistas de 2019, são as mesmas de 2009. E voltarão a ser iguais em 2029 porque nenhum socialista prescinde de uma fórmula gastadora.

Comentários lidos num post facebookiano duma amiga socialista (sim, tenho amigos que não são liberais e ainda bem), estão na origem deste artigo.

post em si limitava-se a dizer que a pessoa em questão pagava menos impostos desde que António Costa é primeiro-ministro. Apesar que o aumento da carga fiscal ser inegável e ser reconhecido por Mário Centeno, não é impossível que tal suceda. Mas um caso individual não representa a totalidade dos contribuintes. Porém, surpreendentemente ou não, o entusiasmo de alguns dos comentários demonstrava até que ponto pode ir a cegueira ideológica. Quando outras pessoas afirmavam que pagavam mais impostos, as respostas dos correligionários da autora manifestavam um imenso espanto. Desprezando qualquer argumento, chegaram ao ponto de tentar reescrever a história negando (ou procurando apagar) o magnífico legado da gestão socialista – um pântano e três bancarrotas – que aqui recordo.

Este seguidismo é de estranhar? O caciquismo, para além de implicar o fim da pluralidade, exige obediência cega. Daí que seja por aclamação que usualmente são eleitos os líderes socialistas, particularmente os que têm aura de salvador. Por que razão são ovacionados? Porque são infalíveis. Os socialistas nunca se enganam. Não há deuses no Olimpo. Mas Olisipo está repleta de divindades socialistas.

Note-se que este tipo de apoiante fervoroso de António Costa é o mesmo que apoiou incondicionalmente José Sócrates, esse mítico novo homem político, protótipo do herói socialista moderno, que perante o abismo não hesitou em afundar-nos. Algum socialista rasgou as vestes em angústia pela gestão danosa do Sócrates? Algum socialista pediu desculpa pela bancarrota que nos trouxe a troika? José Vieira da Silva, Augusto Santos Silva e António Costa, que eram membros do governo que afundou Portugal, não o fizeram. Nem o farão.

A gestão socialista já teve titãs, mas nenhum ao nível de Sócrates. Se Hesíodo fosse vivo não sei que lugar reservaria a José Sócrates na “Genealogia dos Deuses”, mas suspeito que o destaque fosse 44 vezes superior aos restantes. E como, infelizmente, Sócrates deixou escola é necessário ter em conta a longevidade da gestão pública de António Costa, cujo corolário, antes da liderança do actual governo, era ter sido número dois de José Sócrates.

Ora, foi precisamente como número dois de Sócrates que António Costa implementou a desastrosa reforma da Protecção Civil, reforma essa que treze anos depois ainda custa dinheiro aos portugueses. Nesse aspecto, gastar dinheiro a mais, os socialistas são todos idênticos. No incumprimento de promessas também. Em 2009, Sócrates prometia não aumentar a carga fiscal. Cinco meses depois faltava à palavra. Em 2015, António Costa afirmava que a austeridade tinha acabado e que iria reverter o aumento de impostos. Contudo, uma das suas primeiras medidas foi aumentar o ISP em seis cêntimos por litro.

Mas há outras semelhanças que fazem de António Costa um Sócrates 2.0 e um príncipe da gestão socialista. Silenciar é uma delas. Sócrates tinha a Manuela Moura Guedes, Costa tem a Sandra Felgueiras. Sócrates tinha os “Magalhães”, Costa tem os “Fernões” (tablets) – já sendo vislumbráveis as salivas pavlovianas com as vendas à Venezuela de Nicolás Maduro. Isto sem esquecer os aeroportos, terceiras travessias do tejo, etc., e, claro, o combate à corrupção. Há décadas que o PS diz que combate a corrupção. Resultados? Nenhum. Porquê? Razões familiares…

Texto publicado no Observador


Evaporações Bloquistas

No bloco de esquerda nada se transforma e tudo se perde. Os princípios e a seriedade também foram vaporizados. Até já são sociais-democratas (Quo vadis, Trotsky?). 

Material de sensibilização, é a melhor definição de promessas da esquerda. As promessas da esquerda não são feitas para serem cumpridas. São feitas #ComPrimos, mas não para cumprir. Aliás, é precisamente esta componente familiar que incentiva a sensibilização. Afinal, não há nada mais nobre do que ajudar a família.

Ora, em tempos de eleições, inflacionada pela competitividade, o material de sensibilização adquire outra característica: multiplicação. Ou seja, todos os dias a esquerda apresenta novas promessas. Trata-se de um manancial tão vasto que só tem rival nas gotas de água que preenchem a Hoover Dam. É precisamente com este pressuposto – fonte de riqueza – que quero abordar o material de sensibilização eleitoral bloquista ou, como os próprios afirmam, social-democrata. 

A líder bloquista, ao defender o seu programa eleitoral, expressou uma profunda (lá está, sensibilização) preocupação com a escassez de água e com a energia. Todavia, ao fazê-lo, – pasme-se ou não – manifestou-se contra o número de barragens e contra a perda de água devido à evaporação.

Aprendi, na escola primária, que o ciclo hidrológico é um movimento circular que envolve três processos: (1) Evaporação [dos corpos d’água (oceanos, rios, lagos e lagunas)] e evapotranspiração (das plantas terrestres e animais); (2) Precipitação, pela condensação do vapor de água do ar (na terra ou no mar) e; (3) Escoamento superficial (em terra e no mar). Assim, onde está a perda? Porém, como terminei a primária há 43 anos, é possível que agora a água evapore para a lua.

Tamanho desconhecimento só pode significar cegueira ideológica. Como bem notou o João Pires da Cruz, para o BE “uma barragem é uma forma de opressão sobre a água!”. Mas nada de pânico. Da mesma maneira que a ciência foi ignorada em prol de políticas identitárias e como a natureza está errada, o bloco irá fazer uma lei para substituir a hidrologia por outra coisa qualquer e proibir perdas com evaporação.

Para Catarina Martins, as barragens não contam para as “questões óbvias do uso eficiente da água”, pois não constituem uma reserva hídrica, não produzem energia hidroelétrica, nem permitem regularizar o caudal de água ao longo do ano. Preocupada com a perda de água, a resposta bloquista é, entre outras coisas, perder ainda mais água.

O bloco de esquerda não é uma alternativa séria. Nas hostes bloquistas nada se transforma e tudo se perde. Os princípios e a seriedade também foram vaporizados, quiçá atomizados. Até já são sociais-democratas (Quo vadis, Trotsky?).

Os bloquistas também não são fonte de riqueza. Longe disso. Quando forem governo, Portugal não se evaporará. Cairá, irremediavelmente, na miséria. E acreditem que os bloquistas só descansarão quando conseguirem a miséria. Não querem ser uma Irlanda, uma Holanda ou um Luxemburgo. Porque diabo gostariam que Portugal fosse um país rico e desenvolvido? Preferem os modelos políticos, sociais e económicos que vigoraram ou vigoram em paraísos como Cuba ou Venezuela, para não recordar a Albânia de Enver Hoxha.

Ah, sim! Catarina Martins também afirmou ser necessário negociar com Espanha os caudais dos rios. Já sabemos qual é a sugestão que o bloco apresentará ao Governo espanhol: acabar com as barragens em terras de Cervantes.

Eis a solução bloquista para o problema da escassez da água e do défice energético: acabar com as barragens. Perante isto, perguntam o que representa o bloco para Portugal? A resposta é evidente. Nada mais e nada menos do que o caminho para a perdição.

 

Texto publicado no Observador


NATO Should Set Limits On Russia’s Actions In The East

The events leading to Crimea’s secession from Ukraine are not a series of ad-hoc moves, but part of a calculated plan by Russia’s leaders that fits Alexander Dugin’s vision of ‘Eurasianism’.
Accordingly, Russia is determined to follow its own Eurasian path, while the real goal of Eurasianism is the formation of a new political integration bloc. The European Union (EU) and NATO response must set limits on Russia.

A Retrospective View
Following the end of the Cold War, the North Atlantic Treaty Organization (NATO) did not disappear as did the Warsaw Pact. On the contrary, NATO grew in size and depth, welcoming former Soviet republics, such as the Baltic states, as members. As a result, in 1999 NATO changed its strategic concept, and the scope of NATO interventions expanded to remote 65ºE and 70ºE meridians of Afghanistan. In 2002, the establishment of the NATO-Russia Council reinforced the relationship between NATO and Russia. Later, at the November 2010 Lisbon Summit, NATO’s new Strategic Concept was published in response to the changing international security environment. This “Active Engagement, Modern Defense” concept reaffirmed the importance of strategic cooperation with Russia, and it strengthened the political consultations and practical NATO-Russia cooperation. The world has undergone radical change since the Cold War. In the 1980s, who would have thought that NATO and Russia would be partners?
However, almost all of this happened in a period of Russian economic weakness and political disorientation. After President Boris Yeltsin’s 1999 resignation, Vladimir Putin, a former KGB agent, took over control of Russia. Putin’s presidency coincided with an outstanding economic recovery (1) and soon Russia re-emerged as an economic and energy superpower. Yet nostalgia proved irresistible in 2014, when Vladimir Putin demonstrated that he had been living in the Cold War era. Russia’s new economic capacity permitted an increase in military spending. The political posture of the Russian leadership changed as well, as evidenced by Putin’s Munich speech in February 2007 and the 2008 Georgia war. Thus, Russia’s agenda clashed anew with NATO enlargement, which from 1999 to 2004 grew to include Czech Republic, Hungary, Poland, Bulgaria, Estonia, Latvia, Lithuania, Romania, Slovakia and Slovenia. Thus, Russian concerns over NATO resurfaced (2). Finally, the 2010 Russian Federation Military Doctrine expressed disapproval of NATO Eastern expansion and listed NATO as an external threat (3).

A Russian Spring?
Russia’s subsequent actions indicate that Moscow has devised a new strategy aimed at the restoration of Russia’s past glory. Some preparatory steps along this route, including Russia’s exit from the Treaty on Conventional Armed Forces in Europe, should have been viewed as a tactical move rather than diplomatic protest (4). Such steps are consistent with a realization of a general assertive Russian strategy that paved the way to war with Georgia in 2008. In fact, Russian hawks were convinced after the intervention in Georgia
that they had found a way to prevent further NATO enlargement (5). President Dmitry Medvedev’s statements in November 2011 echo that conviction (6). The naval base in Gudauta, Abkhazia, and Russia’s “Sevastopol agreements” with Ukraine, which extended the Black Sea Fleet lease until 2042, advanced Russia’s military doctrine and also contained NATO.
NATO cannot grant membership to a country hosting a non-member military base on its territory. So far, Russia’s strategy has worked: neither Ukraine nor Georgia has joined NATO since Russia invaded them.
Crimea’s secession from Ukraine and inclusion into the Russian Federation may be seen as a continuation of the same strategy. Earlier this year, when Putin realized that Viktor Yanukovych was going to be impeached by the Ukrainian Parliament and that Ukraine would not join the Eurasian Customs Union, Putin responded according to the script he used with Georgia in 2008, the only difference being that Crimea requested formal inclusion in the Russian Federation. On March 18 the Treaty of Accession of the Republic of Crimea and Sevastopol to the Russian Federation was signed (7).
Seen from this perspective, Viktor Yanukovych’s call for a referendum towards a ‘federalization’ of Ukraine is just an act in Vladimir Putin’s screenplay. The fact that the city of Donetsk (8) and Eastern Ukraine (9) are already being targeted confirms that Russia likely is not going to stop. Furthermore, Odessa may follow the same path (10). Observing these events, one must assume that the most likely scenario is the creation of a new Eastern bloc of satellite states headed by Moscow. Having in mind both the psychological profile of the current Russian leaders, particularly Vladimir Putin, and the sequence in the evolution of Russia with the West, tiny regions like Transnístria (11) or Gagaúzia (12) are going to be disputed, as well.

Friends or Foes?
Russia does not have a high opinion of the European Union on defense and security issues, not only due to the EU’s lack of competence in this area but also because the EU is no match to Russia in military terms. Moreover, aware of its energy predominance over Europe, Russia favors bilateral negotiations with the EU member states. In addition, Russia not only challenged but also rejected EU’s most fundamental feature, its normative power or “Model Power Europe” (13). In fact, Russia was able to promote Europeanization from the East by reversing the political conditionality and asymmetry within the EU-Russia relation (14). Concerning Ukraine, EU actions were disappointing, to say the least. However, this is not surprising: EU action parallels what happened during and after the 2008 Georgia war. Back then, the Extraordinary European Council suspended negotiations with Russia until Russian troops’ withdrawal from Georgia. Talks resumed, notwithstanding the fact that the Russian troops had not withdrawn. Given the fact that the EU did not ponder political alternatives to these actions, the inevitable question arises about what the EU cherishes most, its energy or its values (15).
For its part, NATO decided to suspend cooperation with Russia, but Russia’s leadership does not seem too offended. Alexander Lukashevich, Russia’s foreign ministry spokesman, recalled that this is not the first time such a gesture was assumed by the West and that after Russia’s war with Georgia NATO-Russia militar cooperation resumed (16). But while Russia is not worried about the interruption of a dialogue with NATO, Moscow does fear the integration of Ukraine and Georgia into NATO. Thus far, Western sanctions do not seem to have had an effect on the Kremlin strategy (17). Quite the contrary (18). Hence, if “freezing assets” is not an issue for Russians, what is? The Kremlin propaganda at the same time does its best to discredit any proactive policy by the West towards Crimea. According to the notorious Director General of the Rossiya Segodnya International Information Agency, Dmitry Kiselev, even the present response of the West, restrained though it is, deserves the following label: “Western behavior borders on schizophrenia” (19).

Boldness: Unexpected and Necessary
None of the three countries that are victims of Russia’s actual or potential separatist policy – Ukraine, Georgia, and Moldova – can join NATO or the EU with a ‘pending’ territorial conflict with a neighbor. Therefore, the cost of their accession may well be giving up a part of their country. If these states are willing to pay such high price, NATO must welcome them as members as soon as possible. Speeding up Ukrainian, Georgian and Moldovan accession to NATO would be the bold move. Membership Action Plan would not be sufficient (20). Moscow, which has always claimed that NATO enlargement was a broken promise, may be surprised by a swift, unified response, as those in the Kremlin have come to expect feeble behavior and sluggish responses from the EU and even from NATO. A bold move by NATO would finally set limits on Russia’s assertiveness. New Russian interventions in Georgia and Moldova are possible (21). Alexander Grushko, Russia’s permanent representative to NATO, reaffirmed Russia’s warning about Ukraine and Georgia membership. But will Russia really intervene if these countries became NATO members? After all, if we are before a novum frigus bellum we know it will not be the same as the previous Cold War. The division lines are already different, perhaps to a higher degree than is commonly thought. Any move that checks Russia’s influence is welcome (22).
Already some positive signs that could be the necessary precondition for such actions are appearing. NATO Secretary-General, Anders Fogh Rasmussen, has stated that “Russia’s military aggression in Ukraine is in blatant breach of its international commitments and it is a violation of Ukraine’s sovereignty and territorial integrity” (23). In Athens on April 5, Sweden’s Foreign Minister Carl Bildt stated that the EU “should be very firm on international law and the rules that must apply”. Referring to the banner “Crimea is in my heart” placed behind Vladimir Putin during a rally last month, Bildt went further noting that we should wonder what else Putin cares about (24). Indeed, one must ask what is going to be the cost of the resurgence of Russian greatness, and how far Russia’s leadership might go. However, we know one thing already: any sign of hesitation from the West will be interpreted by Moscow as a license to proceed with Russia’s previous course. Presently, Russia is well ahead in the triggering of events. Should the EU and especially NATO conform? Now is the time for decision. Deciding according to convenience means a loss of credibility. It also shows a marked lack of values. EU countries must show cohesion and speak with a single voice. NATO must act according to its essential purpose. A refocusing and ‘returning’ to Europe on the part of NATO, rather than a stubborn maintenance of the “Asian pivot”, is wise. And taking a stand against Russia confirms NATO’s raison d’être.

Notes

1 International Monetary Fund, “Russia – Gross Domestic Product, constant prices” (IMF, World Economic Outlook, October 2013).
2 Vladimir Putin, “Press Statement and Answers to Journalists’ Questions Following a meeting of the Russia-NATO Council” (President of Russia, 4 April 2008).
3 Dmitry Medvedev, “The Military Doctrine of the Russian Federation” (President of Russia, 5 February 2010).
4 Yuri Zarakhovich, “Why Putin Pulled Out of a Key Treaty” (Time, 14 July 2007).
5 Denis Dyomkin, “Russia says Georgia war stopped NATO expansion” (Reuters, 21 November 2008).
6 Dmitry Astahov, “Russia’s 2008 war with Georgia prevented NATO growth – Medvedev” (Ria Novosti, 21 November 2011).
7 Bridget Kendall, “Crimea crisis: Russian President Putin’s speech annotated” (BBC News, 19 March 2014).
8 Maria Finoshina, “Eastern Ukrainian city of Donetsk rallies in favor of independence referendum” (RT, 5 April 2014).
9 “Ukraine crisis: What is happening where?” (BBC News, 14 April 2014).
10 Anastasia Vlasova and Oksana Grytsenko, “Ukrainian nationalists, pro-Russian separatists stage rival rallies in Odessa” (KyivPost, 6 April 2014).
11 Christian Oliver, “Tiny Transnistria becomes the frontline in east-west struggle” (Financial Times, 4 April 2014).
12 Tiago Ferreira Lopes, “Post-soviet Unfrozen Dilemmas: Profiling Gagauzia” (State Building and Fragility Monitor, No. 7, March 2014).
13 Laura Ferreira-Pereira, “The European Union as a ‘Model Power’: Spreading Peace, Democracy and Human Rights in the Wider World”, in Federiga Bindi (ed.), The European Union Foreign Policy: Assessing Europe’s Role in the World (Brookings Institution Press, 2012).
14 Alena Vysotskaya Guedes Vieira, “The many patterns of Europeanization: European Union Relations with Russia, Ukraine and Belarus”, in Teresa Cierco (ed.), The European Union Neighborhood. Challenges and Opportunities (Farnham: Ashgate, 2013).
15 Council of the European Union, “Council conclusions on Ukraine” (European Union, 20/21 March 2014).
16 Timothy Heritage, “Russia says NATO reverts to Cold War-era mindset” (Reuters, 2 April 2014).
17 “Russian Deputy PM Plays Down Western Sanctions” (Ria Novosti, 15 March 2014).
18 Igor Ivanov, “Western Sanctions Are a Sign of Weakness” (The Moscow Times, 27 March 2014).
19 “Western behavior borders on schizophrenia” (Ria Novosti, 5 April 2014).
20 Joshua Kucera, “Ivanishvili: We Will Get NATO MAP in 2014” (Eurasianet.org, 2 May 2013).
21 Nicu Popescu, “After Crimea: Putin’s Balance Sheet” (EUISS, Issue Alert No. 24, 4 April 2014); Giorgi Menabde, “Kremlin’s Followers in Georgia Become Active” (The Jamestown Foundation, 3 April 2014).
22 “Eurasian Economic Union Treaty Could Be Signed by May” (Ria Novosti, 3 April 2014).
23 Fred Dews, “NATO Secretary-General: Russia’s Annexation of Crimea Is Illegal and Illegitimate” (Brookings Now, 19 March 2014).
24 Demetris Nellas, “EU Working With Russia, Ukraine to Defuse Crisis” (Associated Press, 5 April 2014).

Read more here: IPRIS Viewpoint 144


Estaline, PSD, Pluralidade e o cidadão

Confesso que estive para dar outro título a esta reflexão. Afinal, a época da caça ao cidadão abriu mais cedo este ano.

Estamos em ano de eleições. Autárquicas, além do mais, onde o grau de aproximação e de identificação com o cidadão é maior. Como tal, os partidos políticos preparam-se para atirar “charme” aos eleitores. Vão falar de cidadania, da importância do papel do cidadão e de pluralidade. Vão falar da utilidade da participação dos cidadãos nos projectos que defendem, da necessidade dum melhor futuro e de pluralidade. Vão falar dos seus candidatos, das maravilhas da gestão dos mesmos e de pluralidade. Vão falar, sobretudo, de pluralidade, mas não a praticarão! Principalmente, se os cidadãos questionarem a legitimidade da sua perpetuação ao cargo público.

A interpretação da lei 46/2005, de limitação dos mandatos, e a procura de esclarecimento sobre a leitura do extenso articulado deste diploma, composto por dois artigos, que alguns cidadãos procuraram junto do órgão indicado para o efeito, o tribunal, provocou uma reacção muito pouco democrática por parte do PSD e de alguns dos seus candidatos.

Porque é que tal aconteceu? Porque, aparentemente, o PSD e os seus candidatos, que deviam ser pluralistas, não lidaram bem com a diversidade de leituras, particularmente com as que não foram concordantes com os seus objectivos. Ora, este tipo de postura é muito mais condizente com o comportamento com um partido totalitarista do que com um partido social-democrata.

Note-se que os cidadãos não precisam da autorização dos partidos políticos para esclarecerem as suas dúvidas. Nem os candidatos dos partidos devem encarar as interrogações dos seus concidadãos como uma ofensa pessoal. Antes, pelo contrário. Até porque se o tribunal sustentar a pretensão dos candidatos, estes ficam mais legitimados. E, simultaneamente, os cidadãos ficam esclarecidos quanto à significação da lei.

Efectivamente, a época de caça ao cidadão já abriu. Infelizmente, alguns deles, por terem a ousadia de questionar, estão a ser atingidos no seu bom nome. Isto é inaceitável!

Ao saber que outro recurso aos tribunais foi movido contra a sua candidatura ao Porto, Luís Filipe Menezes, apenas proferiu esta frase: “Volta Estaline que estás perdoado”.

Quem é que se está a comportar como tal? O cidadão ou o candidato?


Luís Filipe Menezes ou o presidente de câmara vitalício!

Ao personalizar o título desta pequena reflexão, talvez esteja a ser injusto. Afinal, há mais autarcas em circunstâncias idênticas. Álvaro Amaro, Fernando Seara, Fernando Costa, Francisco Amaral, João Rocha, Jorge Pulido Valente, José Estevens, entre outros, e todos eles quiçá tenham o mesmo objectivo. Mas, Luís Filipe Menezes é especial porque quer ser candidato à minha cidade. Porém, encontrou alguns obstáculos: a lei, a sua interpretação e os cidadãos.

Todos os políticos manifestam apreço pela pluralidade e cidadania. Todavia, quando os cidadãos questionam a perpetuação dos actores políticos cai a Sé e a Torre dos Clérigos e reclama-se contra uma possível anarquia cívica e institucional. Se já tribunais é o diabo, cidadãos a interpretar a lei é uma heresia. É aqui que a “tolerância” política se desmorona. Os cidadãos não podem querer esclarecer as suas dúvidas quanto à observância da lei. Não. Cidadãos como estes estão contra os partidos e os políticos. Logo, podem ser denegridos, ou melhor, gentilmente classificados.

Ora, a Constituição da República Portuguesa, pelo seu art.º 118, impede o exercício vitalício de cargos políticos e prevê a possibilidade de limitação à renovação sucessiva de mandatos aos titulares de funções executivas e a já célebre lei 46/2005, que o PSD ajudou a redigir, efectivamente estabelece limites à renovação sucessiva de mandatos dos presidentes dos órgãos executivos das autarquias. Curiosamente, este diploma tem uma particularidade que torna complicadíssima a sua interpretação. Só tem dois artigos, sendo que o segundo apenas expressa a entrada em vigor. Por sua vez, o primeiro artigo é constituído por três números. São eles:

  1. “O presidente de câmara municipal e o presidente de junta de freguesia só podem ser eleitos para três mandatos consecutivos, salvo se no momento da entrada em vigor da presente lei tiverem cumprido ou estiverem a cumprir, pelo menos, o 3º mandato consecutivo, circunstância em que poderão ser eleitos para mais um mandato consecutivo.”
  2. O presidente de câmara municipal e o presidente de junta de freguesia, depois de concluídos os mandatos referidos no número anterior, não podem assumir aquelas funções durante o quadriénio imediatamente subsequente ao último mandato consecutivo permitido.”
  3. “No caso de renúncia ao mandato, os titulares dos órgãos referidos nos números anteriores não podem candidatar-se nas eleições imediatas nem nas que se realizem no quadriénio imediatamente subsequente à renúncia.”

Felizmente para nós, os partidos e respectivos intervenientes políticos estão sempre dispostos a ensinar a sociedade. Luís Filipe Menezes está a candidatar-se às mesmas funções que ainda exerce sem nenhum intervalo de tempo, mas de acordo com a sua argumentação, e do PSD, não se verifica nenhuma ilegalidade porque uma vez que não se recandidata a Gaia não se trata de uma renovação de mandato. Ficamos assim a saber que funções e quadriénio são sinónimos de geografia.

Contudo, a nossa aprendizagem não cessa aqui. Também aprendemos que Luís Filipe Menezes não quer ser Presidente da Câmara Municipal de Gaia eternamente. Nem do Porto ou de qualquer outra no futuro. Aparentemente, Luís Filipe Menezes só quer ser Presidente de Câmara vitalício!

É neste contexto que posso vislumbrar o dilema que terá em 2025.
Matosinhos? Gondomar? ou Maia?


Leituras indispensáveis (10)

Até já – por Pedro Santos Guerreiro

“Um desconhecido demitiu-se do Governo. Querem fazer uma algazarra disso. Fazer do desconhecido um mártir. Alinhar no populismo fácil de atacar a EDP. Invocar a lenga-lenga de que os lóbis ganham sempre. Pois querem. Querem e fazem bem.

Henrique Gomes era um desconhecido. Depois do bulício destes dias, vai continuar a sê-lo: as polémicas em Portugal são como o Carnaval, duram dois dias e, no fundo, ninguém leva a mal. Mas a política de subsidiação energética está longe de ser uma desconhecida. Henrique Gomes quis alterá-la, não conseguiu, então demitiu-se. Álvaro Santos Pereira e Passos Coelho também quiseram mudá-la, não conseguiram, então mudaram de opinião.

O sector da energia é sempre subsidiado. Na construção ou na operação, há sempre subsídios, evidentes ou evanescentes, até no petróleo. O primeiro mito a desfazer é portanto que a alternativa a subsidiar produção de energia é… não subsidiar produção de energia. O que há é muitos lóbis a disputar as fatias do bolo. Quando Patrick Monteiro de Barros quis construir uma refinaria em Sines, ela seria paga pelo Estado; quando se ataca as eólicas para construir nuclear, é com subsídios; quando as indústrias defendem a cogeração, querem subsídios; quando se anunciam carros eléctricos, micro-produção caseira ou os maiores parques de solar fotovoltaica da Europa, é porque há subsídios, subsídios, subsídios. Pronto: é só para desintoxicar dos paladinos da boa utilização dos dinheiros públicos que não querem mais que apropriar-se deles.

Subsidiar não é em si mesmo errado. No caso da cogeração, é preciso separar os escandalosos casos de quem anda a queimar “a seco” só para receber subsídio das indústrias que incluem a energia no seu processo produtivo. No caso das barragens e das eólicas, já aqui foi dito, essa opção estratégica está tomada, não se desmantela agora, aproveita recursos naturais de Portugal e será mais competitiva à medida que o petróleo inexoravelmente encarece. O problema não é pois a subsidiação, mas a escolha tecnológica que assiste e, no caso, é o seu valor, se é justo ou excessivo. Porque “subsídio” é apenas um nome fino para impostos que pagamos cegos e tarifas que suportamos mudos. A factura energética é uma fartura energética. Para muita, muita gente, incluindo autarquias.

O subsídio é excessivo? A “troika” diz que sim. Santos Pereira e Passos diziam, antes, que sim. Um estudo encomendado pelo Governo diz que sim. Quem diz que não? Quem recebe. A EDP, pois claro. Mas não só: a Endesa, a Iberdrola, todos os operadores de renováveis, que andam calados atrás das costas largas de António Mexia.

Os CMEC são contratos com uma origem antiga, custam 27 euros por ano a cada família portuguesa e são, já aqui foi escrito, um excelente negócio para a EDP, pois o Estado assume o risco da operação. Era isso que Henrique Gomes queria desfazer. Debalde. E porquê?

Essa é a grande pergunta: porquê? O Governo queria. A troika exigiu. O Ministério da Economia avançou com um imposto especial para tirar de um lado o que os subsídios davam por outro. Adiou-se tudo por causa da privatização. Perdeu-se o tempo certo. A secretária de Estado do Tesouro anunciou no dia da venda aos chineses que o Governo continuava livre para decidir tarifas. Não continuou nada: os chineses enfureceram-se. O Governo, se os queria enganar, enganou-se. E calou-se.

Não foi só um secretário de Estado que se demitiu de um cargo, foi um Governo que se demitiu da sua função, tornando-se perigosamente parecido com quem criticara violentamente no passado.

O encaixe brutal da privatização tem contrapartidas, como se viu nas nomeações de políticos para a administração, como se vê agora nesta postura obediente aos chineses. No fundo, percebe-se agora, parte desse encaixe da privatização será pago por nós, consumidores e indústrias. É por isso que este é o país “até já”: Santos Pereira diz até já a Henrique Gomes, Passos diz até já a Sócrates, todos dizemos até já aos lóbis, mudamos para que tudo fique na mesma, neste até já Portugal, até já sectores não transaccionáveis, até já cepa torta, sempre “até” e sempre “já” e sempre “nunca”, nunca, nunca mais saímos disto.”


Leituras indispensáveis (9)

 

Macaquinhos do Chinês


A civilização da pobreza

“History is again on the move”
Arnold Toynbee

Os recentes motins ocorridos em Inglaterra e a manifesta incapacidade de actuação por parte do Estado inglês e seus agentes evidenciaram o estado de espírito a que chegámos na Europa e no mundo.

De um lado são os “indignados” nas Portas do Sol, em Madrid, e os que já tiveram o seu momento de glória nos arredores de Paris quando permitiram ao então ministro do Interior, Nicolas Sarkozy, brilhar na reposição da ordem; do outro lado são os ataques à dívida soberana dos Estados que integram o euro e a Primavera Árabe da Tunísia à Líbia.

A meio do ano de 2011, vivemos um ambiente fortemente desequilibrado na avaliação da situação política. As agências de notação financeira são hoje agentes de perturbação nessa avaliação da situação política das economias mundiais. Não adianta votar, seja em quem for, quando dois ou três senhores, fechados numa sala qualquer, decidem quem continua em jogo, mesmo que se esteja a falar do presidente dos Estados Unidos. O escrutínio popular vale muito pouco nesta democracia.

Em Portugal, basta-nos o programa da troika e mostrar que temos um Governo com grande capacidade para aumentar a receita mas sem rapidez para diminuir a despesa.

Desde a Revolução de Abril de 1974, há 37 anos, que os diferentes governos têm tentado reformar o Estado. Sem êxito. O que tem sido grave é que, por isso, afecta aquilo que se pretendia: aumentar o bem–estar social e económico da população; promover a igualdade de oportunidades entre os cidadãos; orientar o desenvolvimento económico e social no sentido de um crescimento equilibrado de todos os sectores e regiões.

Acontece que, analisando todos os índices aferidores e qualidade de vida e bem-estar, concluímos que continuamos a ser um dos países mais pobres da Europa.

É verdade que foram dados passos importantes para a integração europeia, mas a nossa dinâmica evolutiva foi sempre mais lenta, vendo, por isso, todos os parceiros a distanciarem-se, relegando-nos para a cauda da Europa.

Isto tem conduzido a que o aparelho administrativo do Estado, que regulamenta a vida de todos os cidadãos, tenha crescido com uma enorme acumulação de defeitos e vícios, criando uma estrutura pesada e burocrática, cujos custos de manutenção, adicionados à sua má gestão, originaram incalculáveis prejuízos muito difíceis de contabilizar.

O Estado está a burocratizar-se e a centralizar-se cada vez mais! Há que tornear esta situação, implementando uma verdadeira e integral descentralização político-administrativa que acabe com as ligações de dependência entre o poder central e os débeis poderes autárquicos.

O papel do Estado não é de certeza estar no controle da economia, mas também não é o de criar condições para existirem, cada vez mais, poucos ricos e muitos pobres.

O Estado tem de ser regulador e não se pode demitir dessa função, bem como das demais funções de soberania: a segurança e a administração da justiça.

A civilização da pobreza não pode ser a alternativa ao fim do Estado social. Não acreditamos que a resposta de reduzir a despesa social seja a caridade de alguns no cumprimento do que deve ser a missão de todos, pois, como afirma o insuspeito Hayek, considerado por muitos como o paladino da liberdade e da responsabilidade individuais, “não há razão para que, numa sociedade livre, o Governo não deva assegurar a todos protecção contra severa carência, na forma de um rendimento mínimo garantido, ou um limiar abaixo do qual ninguém tenha necessidade de descer”.

Estou convicto de que os responsáveis políticos sabem que não basta pedir sacrifícios à maioria dos portugueses – e que é preciso dar o exemplo. Um exemplo que tem de ser uma prática e uma ideologia.

Quanto à prática, estamos todos numa grande expectativa. Quanto à ideologia, basta aprender com Francisco Sá Carneiro, segundo o qual “é preciso transformar Portugal numa democracia do tipo europeu e ocidental. Uma democracia onde a vontade do povo fosse soberana, onde vigorasse o primado da pessoa humana, onde se eliminassem as injustiças sociais, sem perverter, nem violar as liberdades individuais e onde a criatividade dos portugueses se afirmasse plenamente”.

António Tavares
Diário de Notícias de 8 de Setembro de 2011


Registar o ADN?

Mudar de opinião é algo perfeitamente normal, principalmente se essa mudança estiver sustentada em mais informação.

Aparentemente, foi o que os partidos do Governo fizeram relativamente ao Acordo, entre o nosso país e os EUA, que visa reforçar a cooperação na prevenção e combate ao crime e que prevê a partilha, mútua, de dados pessoais como o ADN dos cidadãos portugueses. Enquanto oposição, PSD e CDS-PP, afirmaram as suas preocupações sobre o mesmo.

O que eu não percebo é a falta de elucidação aos cidadãos sobre as razões para esta alteração, especialmente quando o Estado Português não é o “propietário” dos dados pessoais dos portugueses.
Quando este tipo de situações, relativas a alterações de entendimento de partidos que eram oposição e passam a ser Governo, se verificam os esclarecimentos deviam ser imediatos.

Como tal não é a regra, será que cada cidadão deve registar ou patentear o seu ADN?


O fim do “el dorado” será tempo de revelação

A Europa viveu alguns anos de grande pujância e crescimento económico onde tudo era acessível, inclusive para aqueles que não tinham capacidade financeira.
E, no que nos diz respeito, até muito recentemente, mesmo após a crise financeira de 2008, os nossos representantes eleitos continuaram a gastar como se nada se passasse.

Ora, liderar em tempo de el dorado é fácil.
Também ser eleito o é. Basta continuar a alimentar a ilusão das massas.
Já em tempos complicados …

O carácter das pessoas revela-se nos tempos difíceis.
Os tempos que se aproximam vão revelar a fibra dos políticos portugueses.
Não quero que Portugal tenha líderes virtuosos, sem qualquer mácula. Apenas espero que apareçam homens de carácter, dispostos a servir o país e não a servir-se deste.

Creio, no entanto, que muitos dos nossos actuais eleitos (principalmente, nas autarquias) não sabem nem têm perfil para liderar em tempos de vacas magras!

P.S. – Ao interpretar o sonho, José avisa o Faraó para sete anos de abundância e sete anos de fome. Não é preciso ser vidente para saber que fazer com que sonhos em tornem em ilusões dá mau resultado. E desejo que a crise não se prolongue por sete anos.


E se o Euro acabar?

 

Pelos vistos, é uma hipótese … em aberto.

Ou não? (aqui)


A Economia não mente!

 

Economics does not lie (aqui)

Novos proteccionismos (aqui)

Nostalgias (aqui)

 


Realidades alternativas ou cenários reais?

Os recursos naturais não são inesgotáveis. O ar, a água, os combustíveis fósseis, etc., são recursos naturais que, por acção directa e indirecta do homem e por necessidade de alimentação dos mecanismos de sustentação dos vários modelos de agregação social que civilização humana originou, tem um período de duração. Naturalmente, uns mais do que os outros. Isto não é novidade.

O que é novidade é o que nos diz o estudo “Metal Stocks and Sustainability” da autoria de Robert Gordon e Thomas Graedel da Universidade de Yale e Marlen Bertram da Organização Europeia dos Refinadores de Alumínio. Segundo este estudo, as reservas de cobre, zinco e de outros metais poderão não ser capazes de provir eternamente as necessidades da população global, mesmo tendo em conta intensos programas de reciclagem.

Actualmente, existe um “equilíbrio” que resulta da grande procura dos países desenvolvidos pelos recursos minerais face à fraca procura dos países do terceiro mundo. Mas adivinham-se tensões e disputas entre os países desenvolvidos para responderem às suas necessidades de recursos naturais e minerais, uma vez que a procura não dá mostras de abrandar. Antes pelo contrário, a tendência é de aumento.

Tendo em conta a escassez dos recursos energéticos e minerais, a fraca implementação, por parte dos países desenvolvidos, das orientações e práticas contidas na ideia do desenvolvimento sustentável e não esquecendo as consequências que o aumento do preço destes recursos têm nos orçamentos dos Estados e no nível de vida dos cidadãos, é conveniente ponderar os seguintes cenários:

1. Consciente que o ouro negro não é um recurso eterno e contrariamente às políticas estratégicas que outros países árabes, igualmente produtores de petróleo, implementaram, o Irão optou pelo desenvolvimento de um programa nuclear, alegando, entre outros argumentos, as insuficiências das suas infra-estruturas para o fornecimento de energia à sua população.

Considerando os recentes desenvolvimentos nas relações da comunidade internacional, as directrizes de política externa que a administração norte-americana pôs em pratica na sequência dos atentados de 11 de Setembro, acordos previamente estabelecidos e as realidades inerentes à teocracia iraniana é muito natural a preocupação que a comunidade internacional – encabeçados pelos Estados Unidos e pela União Europeia – manifestou pela possibilidade de o Irão usar esse programa não apenas para fins civis mas também para a criação de um arsenal nuclear.

Aquilo que me leva a referir este cenário é a possibilidade de as reservas de petróleo iraniano não serem tão grandes como se diz serem. Daqui podem-se tirar duas ilações: Se as reservas de petróleo que o Irão diz ter são reais e estão correctas, não devem restar dúvidas que o Irão tenciona dar um uso militar, para além de um uso civil, ao seu programa nuclear. Se, por outro lado, as reservas de petróleo iraniano não correspondem à realidade, então a principal utilização do seu programa nuclear visa o uso civil, não descartando o uso militar. Apesar de ambas as deduções não serem nada tranquilizadoras e de irem estimular o aumento do preço do crude, esta última possibilidade, caso seja confirmada, terá um efeito desproporcional no mercado mundial cuja primeira consequência será um desmesurado aumento no preço do barril de petróleo.

2. Nas duas últimas décadas, o desenvolvimento industrial à escala mundial tem sido continuamente crescente tendo-se vindo a notar o incremento da importância de dois países na economia mundial.
A Índia e a China são dois dos países com maior taxa de crescimento mundial e são os mercados mais atractivos do mundo. De entre os dois, destaca-se o caso da China pelo seu potencial em vários sectores de actividade económica e com taxas de crescimento sustentáveis bem acima da média global. Aliás, o mercado chinês é já o mercado que atrai mais investimento directo estrangeiro.
Para suportar as taxas de crescimento originadas pelo boom da sua economia interna, a China passou, em vinte anos, de maior exportador de petróleo da Ásia a segundo maior consumidor e terceiro maior importador mundial. Por sua vez, no que se refere à procura por recursos minerais, o consumo chinês aumentou, no período de quinze anos, de 7% para cerca de 20%, e este valor pode duplicar no fim desta década.
Esta necessidade de recursos levou o Governo chinês a estabelecer uma rede de posições estratégicas, principalmente através de acordos bilaterais, nos locais e trajectos das fontes mundiais destes recursos procurando apenas assegurar o seu fornecimento e consequentemente o continuar do seu crescimento económico. Este é o objectivo da diplomacia económica chinesa que, segundo Wang Jisi, reitor da Escola de Estudos Internacionais de Beijing, não pretende desafiar a ordem mundial, mas apenas aproveitar a conjuntura favorável que a imagem actual dos Estados Unidos permite.

Paralelamente a estes panoramas, a China tem vindo a desenvolver um programa espacial que recentemente lhe possibilitou ser o terceiro país do mundo a colocar um homem em órbita. Com o sucesso alcançado, os responsáveis chineses anunciaram uma missão tripulada à lua e a construção de uma estação espacial.
Ora, todos estes pormenores dão uma nova perspectiva ao programa espacial chinês pois, o exaurir das reservas dos recursos naturais e minerais terrestres vai acelerar a exploração do espaço. Talvez estejam alicerçados nas ideias de John S. Lewis (Mining the Sky: Untold Riches from the Asteroids, Comets and Planets). Quem é que nos diz que a China não pretende ser o primeiro país a explorar as fontes de minérios extra-planetárias?

Com as vantagens adquiridas nesta iniciativa, a China, para além de usufruir directamente dessas novas fontes de recursos minerais, pode vender, a terceiros países, o know-how e os produtos, obtendo lucros adicionais. Mas a principal relevância que advirá, ao ser o primeiro a utilizar este tipo de recursos e de novas tecnologias, é a posição dominante que terá na estratégia de desenvolvimento espacial.

Publicado: 26 de Abril de 2007 – O Primeiro de Janeiro


A importância do voto válido

A influência do cidadão português nos destinos da Nação resume-se à participação efectiva nos diversos actos eleitorais, pois vivemos numa ditadura partidária.

Apesar de a Constituição da República Portuguesa (CRP) consagrar os direitos e deveres dos cidadãos e de, no que respeita à actuação destes na vida pública, i.e., órgãos de organização política do Estado, incentivar uma participação activa, não há dúvida que a CRP é limitativa, particularmente quanto à eleição para a Assembleia da República, ao estipular que apenas podem ser candidatos a deputados os cidadãos que sejam parte nas listas dos partidos políticos (círculos plurinominais).

São vários os argumentos para tal. O sistema eleitoral, a noção do deputado da nação, etc. Mas, na essência, pouca distinção há entre tais razões. Na realidade, para além de limitaren o acesso dos cidadãos aos cargos públicos também implicam a perda de responsabilidade dos titulares desses cargos pelos actos que praticam durante a sua vigência.

Então, podem perguntar, como é que encontramos sinais desta ditadura partidária? O primeiro desses sinais é precisamente a necessidade de ser incluído nas listas do partido. Não é difícil perceber que a quase totalidade dos lugares de governação são ocupados por filiados do partido, por pessoas que nunca trabalharam fora do âmbito partidário, seja a colar cartazes ou a fazer outra actividade afim. Aqui, para além doutros cenários, gravitam o caciquismo, o clientelismo, e, mais grave ainda, a falta de qualificação dos nossos líderes e/ou governantes.

O «voto útil» é outro dos sinais. Porquê? Porque implica um voto de exclusão. A ideia de uma escolha democrática pressupõe um voto de inclusão e este só existe se a escolha for positiva. Quando se vota num determinado partido apenas para impedir que outro partido ganhe, está-se a praticar uma escolha negativa.

É inquestionável que o quadro da actual CRP resulta do fruto das experiências e das tentativas praticadas nas anteriores Constituições, e que procura traduzir um ideal de justiça e de perfeição que é elaborado por homens que são imperfeitos. Como muito bem nota Jorge de Miranda, “não bastam as fórmulas constitucionais, por melhores que sejam, para prevenir ou resolver os problemas políticos”.

Mas também é verdade que a nossa “jovem” democracia está baseada nos mesmos pressupostos desde a sua génese. Se gratidão é devida aos partidos, a sua pendência não deve ser eterna. Goste-se ou não, se as organizações não se adaptam aos tempos tornam-se obsoletas. Por isso, talvez seja altura de ponderar uma revisão ao nosso sistema eleitoral.

Quando teorizam sobre o poder nacional, os politólogos tem em consideração, dentre dos diversos factores da equação, a adesão da população à estratégia nacional. Verdadeiras reformas são necessárias. Sem elas, a adesão da população desaparecerá.

Evidentemente, como são os deputados os detentores das prerrogativas capazes de realizar tal alteração, não é de esperar que o façam de boa vontade. Afinal, serão os principais prejudicados.

E ouvindo as vozes de descontentamento que a população manifesta para com os seus representantes políticos e o crescente afastamento entre eleitores e eleitos, à primeira vista é bastante atractivo a não participação nas eleições ou o manifestar do desagrado através do voto branco ou nulo. Mas trata-se de uma ilusão que apenas beneficia os candidatos. A melhor maneira de provocar incerteza do resultado nos candidatos é expressar validamente uma escolha nos sufrágios, i.e., votar, mas sem ser branco ou nulo.

No que respeita às eleições presidenciais, que decorrerão em Janeiro do próximo ano, a escolha vai cingir-se a uma dualidade muito simples: permitir a manutenção de um sistema inadequado e ultrapassado ou propiciar a mudança para um modelo compatível com a realidade que vivenciamos e com as aspirações que acalentamos.

Independentemente da escolha de cada um, relembro que a influência do cidadão está praticamente confinada à participação nos sufrágios eleitorais, pelo que é muito importante que a sua actuação seja activa fazendo com que o número de votos brancos e nulos não continue a atingir os níveis que tem atingido. Só assim será possível evitar os vencedores antecipados.

Por fim – porque ao contrário do que possa parecer, a democracia não é um dado adquirido mas uma dádiva que se conquista e que se deve manter – para além das conotações ou das opiniões pessoais e porque também devemos ler autores que não gostamos, recomendo as leituras, entre outras, das seguintes obras: Em primeiro lugar, a CRP. Depois, sem qualquer ordem específica, “A Democracia” (Anthony Arblaster); “Sobre a Democracia e outros estudos” (Aldous Huxley); “The Crisis of Parliamentary Democracy” (Carl Schmitt); “Entre o Passado e o Futuro” e “Verdade e política” (Hannah Arendt); e “Democracia” (Robert A. Dahl).


Desagregação?

Não é novidade que a sociedade ocidental está em declínio.

Por vários motivos. O desfasamento do sistema de organização política face ao desenvolvimento tecnológico é capaz de ser o mais perceptível. Mas os restantes não devem ser negligenciados. Como o relacionamento entre os poderes, central e local, do Estado, que é um dos factores que pugna pela unidade e integridade nacional.

A falta de confiança entre os titulares destes poderes não é brincadeira nenhuma. É algo que pode colocar em causa a sobrevivência da nação.


Discurso Prémio Pessoa 2009 – Dom Manuel Clemente

 

Porque há coisas que devem ser lidas!

 

Isto realmente somos, os portugueses

Seremos problemáticos, os portugueses, mas por nos resumirmos demais. Olhemos a nossa historiografia, desde que a começámos a fazer e até bem perto donde estamos: há grandes figuras, de “hagiografia” variada, e há a generalidade das gentes, depois do “povo” e mais proximamente da “nação”…

Não nos encontramos assim. Sonhamos ou detestamos heróis, conforme a mentalidade da época; resistimos hoje às identificações massivas e nesta reacção ficamos mais lúcidos.

Ainda assim, teimamos. Recordo, dos anos cinquenta, a instrução primária e o começo do secundário. – E recordo o quê, como tantos da minha geração? Certamente os professores mais dedicados e pacientes, também os momentos de jogo e recreio, bem como alguns momentos de recompensa ou reprimenda. Recordo as árvores que se viam pela janela, com folhas perenes ou caducas, no primeiro ensino do que seria a vida, entre o que fica e o que passa. – E além disso? Certamente o ler, o escrever e o contar, da caligrafia à tabuada. E, doutras coisas fixadas, especialmente a geografia dos mapas e os cognomes dos reis. Também o muito patriotismo da altura, com alusões a batalhas vencidas no passado e estrofes igualmente convencidas. E, na parede dum espaço circum-escolar, qualquer coisa como isto: “Ninguém pode amar mais Portugal do que os portugueses …”.

Farrapos de memória, diríamos, e abstracções ambíguas, também. Pois de concreto, real e consistente ficaram rostos e seguiram-se os percursos pessoais de antigos colegas, com maior ou menor sucesso em vários campos. E, em todos eles, a respectiva existência como sobrevivência, no duplo sentido que a palavra consente: persistir vivendo e viver acima, além, criativamente. Isto sim, sobrou realmente.

Considerações pessoais que, sendo de interesse muito relativo, valem por compartilhadas. Mas delas poderei partir para outras, a que hoje não nos devemos esquivar. Perguntando-nos: – Nas actuais circunstâncias, podemos contar com o quê, do que sobrevenha do passado para o que importa ao futuro?

Retomo a afirmação inicial: resumimo-nos exageradamente, entre grandes figuras e imensas generalidades. Alusões simplistas, em si mesmas, que sempre iludem a realidade.

– O que são, efectivamente, as grandes figuras? Nenhuma – positiva ou negativamente – corresponde por inteiro ao que fizeram dela, como ninguém é o que os outros reparam a seu propósito. Os heróis – ou anti-heróis – revelam-se demasiadamente maleáveis ao que sucessivas ideologias deles queiram fazer. E é por isso que, não pondo em causa o real valor que tiveram tais pessoas, a sua utilização fantasmagórica mais nos distrai do presente e menos nos serve para o futuro. Viveram e fizerem o seu tempo e o melhor que nos dão é coragem para fazermos o nosso, tão particular e responsavelmente como eles próprios viveram as suas vidas.

Desde o princípio que fantasiamos, para bem ou para menos bem. Do princípio de nos querermos como um todo e um todo “português”, com o preenchimento e o contorno que a palavra foi tendo. Assim as velhas crónicas fizeram de Afonso Henriques um novo Constantino, para garantir pelo céu a independência da terra. Assim Os Lusíadas cantaram uma genealogia pátria, em que igualmente o céu guiava as naus do Gama, mesmo com o concurso do Olimpo, ao gosto renascentista. Assim, o grande Vieira recolheu tudo – dos profetas bíblicos ao nosso Bandarra, das antigas sibilas a autores raríssimos – para garantir que um jovem rei sumido nos areais africanos havia de ressurgir, mesmo em familiares sucessivos. Assim, dos românticos aos mais recentes, continua a apelar-se aos “egrégios avós”, para nos regenerarmos num viço perdido, mais aristocrático ou popular, conforme o sentimento de cada um.

Por outro lado, não faltam sucessivos bodes expiatórios, individuais ou colectivos, que tudo contra-explicariam por maldade ou reacção. Dispenso-me de os nomear, tão recorrentes se tornaram.

Em nada disto somos autenticamente nós e com tudo isto teimamos em decepcionar-nos. Não, realmente não somos o contraste de grandes picos singulares com imensas planuras colectivas. Não somos nem podemos considerar-nos eternos devedores de descomunais figuras ou meros encomendadores de grandes almas. Não somos, nem devemos ser imperadores do mundo ou mendigos da Europa.

Porque o que somos, realmente somos, é a herança actual e viva de muitos homens e mulheres que, vivendo, convivendo e morrendo como todos os demais, recortaram e em geral sustentaram a mais antiga realidade política do nosso Continente; que, dentro e fora dela, criaram e criam uma maneira de estar consigo e com os outros que concita a admiração de muitos e oportunamente serve a comunidade internacional. Dizemo-nos numa língua onde a variedade humana sempre encontra ou inova a palavra e o som apropriados. Manifestamos uma capacidade de resistência e adaptação criativa, que só requer mais auto-confiança e acompanhamento público para ir por diante. Somos, em suma, uma pequena geografia onde o mundo inteiro se pode encontrar, como cais de embarque e cais de chegada, para partir de novo.

Isto somos também. Mas ainda é pouco, para o que somos realmente. Aquém e além das grandes figuras, aquém e além das generalizações habituais, somos pessoas, portuguesmente pessoas, tão concretas no modo de viver e de fazer, como manifestando particular e socialmente a nossa maneira própria – e neste sentido cultivada e cultural – de sentir e agir. Isto sim, somos nós, os portugueses.

Mencionei rapidamente o Padre António Vieira, figura – exactamente porque concreta figura – que requer aqui maior detalhe. Com Fernando Pessoa e tantos outros, partilho toda a admiração pela personagem, qual figura autêntica, indisfarçável no conjunto, ainda que ao conjunto português tivesse sempre na mente e no coração.

Creio ser Vieira um dos maiores exemplos de como se ultrapassa a dicotomia entre grandes figuras e multidões indistintas, uma vez que a sua grandeza é claramente “pessoal”. Ser pessoa é acontecer em relação com os outros. Da relação e para a relação, através da sensibilidade e da consciência próprias, individuais neste sentido aberto.

Aludi atrás a Camões e a’ Os Lusíadas. E direi que a actualidade que mantêm não é a da mitificação das figuras cantadas ou descantadas, mas da realidade humana que transportam por dentro dos artifícios literários. Do Atlântico ao Pacífico, o poeta passara muito mar e por vezes muito mal. De Lisboa a Goa ou Macau, conhecera muita gente, acalentara muitos sonhos, sofrera grandes desilusões, conhecera nobres e plebeus, ricos e maltrapilhos. Por isso, todos preenchiam aquele “povo que queria o mar”. Todos e cada um, mesmo sem dispensar os “velhos” que ficavam no Restelo, cheios de razões e cautelas.

É esta qualidade pessoal, relacional, integrando individualidades e colectivos – tomados estes por conjugação de individualidades -, que garante a actualidade duma tradição. Assim também com o Padre António Vieira, em quem me deterei um pouco mais, até como homenagem a Fernando Pessoa que por ele nutria excepcional consideração.

Como Camões, também Vieira tinha em si mesmo um Portugal inteiro e expandido. Não partira para o Oriente, mas para o Ocidente, para o Brasil que conhecera menino e onde se fizera jesuíta e missionário da “bandeira” que escolhera. Os seus escritos, para serem pregados ou lidos, estão preenchidos de experiências próprias e alheias, dos últimos sertões às cidades mais concorridas de lá e de cá. Por isso é tão universal como o Império que sonhava, mas onde coubessem todos. Não é um cume isolado, sobressai na cordilheira, pessoa entre pessoas e para as pessoas. O que, digamos, nem sempre é fácil de ser, quando se enfrentam preconceitos.

Vieira é caso acabado de como em Portugal – di-lo-ia doutros países também – sempre nos desperdiçamos quando não consideramos o que cada um é e pode oferecer aos outros, do presente para o futuro. Quando regressou a Lisboa, missionário da Restauração, vinha ainda mais português, porque mais universal, de tanta floresta desvendada e de tanto mar que cruzara. Assim veio e era ele.

No tempo que se seguiu, porém, mais depressa o consideraram bem ou mal, em torno de lugares comuns, pró ou contra esta ideia, aquela política, ou aqueloutro grupo. E este tipo de apreciações rápidas impediu-lhe o reconhecimento devido e o melhor aproveitamento da sua real figura e altíssimo valor. De facto, a aceitação interpessoal requer de todos a aceitação prévia e a benevolência persistente: não se recebe sem recipiente capaz.

Será em Roma, num exílio de circunstância (1670-1675), que Vieira nos deixará o retrato desta antiga pecha. O “pretexto” será Santo António, o assunto será António Vieira, mas em geral fala de nós todos.

– Que nos diz o Padre António Vieira naqueles sermões romanos? Alguma coisa do santo e muitíssimo de nós e da nossa dificuldade em captar a realidade, tão fixados nos mantemos em mitos individuais ou colectivos.

No 1º sermão, Vieira é muito positivo, prenunciando a “dilatação da fé e do império” no destino primevo de Fernando Martins, que mudara de nome e de vida ao conhecer os primeiros franciscanos, passando a ser António e pregoeiro evangélico, além fronteiras. Mas partira, insiste Vieira, como primeira realização do modo português de ser, daqui para o mundo.

Os trechos mantêm toda a frescura e, certamente, gostamos de nos ouvir assim, como o Padre Vieira nos retrata no antigo taumaturgo: “… será o argumento do meu discurso este: Que Santo António foi luz do mundo, porque foi verdadeiro português; e que foi verdadeiro português porque foi luz do mundo. […] Bem pudera Santo António ser luz do mundo, sendo de outra nação; mas uma vez que nasceu português, não fora verdadeiro português se não fora luz do mundo, porque o ser luz do mundo nos outros homens, é só privilégio da Graça; nos Portugueses é também obrigação da natureza” (Sermão de Santo António, pregado na igreja de Santo António dos Portugueses, 22 de Maio de 1670. In Padre António Vieira, Sermões de Roma e outros textos. Selecção e apresentação de Manuel Correia Fernandes. Estarreja: MEL Editores, 2009, p. 191).

Reparemos: é o grande Vieira que prega, é ao português mais universalmente conhecido que alude, mas é a todos “nós” que qualifica, que seríamos naturalmente o que os outros só excepcionalmente também podiam ser: gente luminosa, para irradiar além de si.

E, como sempre acontece na pena e na voz do “imperador da língua portuguesa”, o argumento encontra expressões que não resisto a reproduzir, sempre a figurar-nos em Santo António e – quase subliminarmente – nele mesmo, António Vieira: “E se António era luz do mundo, como não havia de sair da pátria? Este foi o segundo movimento. Saiu como luz do mundo e saiu como português. Sem sair ninguém pode ser grande […]. Assim o fez o grande espírito de António, e assim era obrigado a o fazer, porque nasceu português” (ibidem, p. 197-198).

Vieira vê a exiguidade territorial como causa providencial do destino pátrio. Chegaria para berço mas não para a sementeira nem para o túmulo, porque Portugal só no mundo inteiro descansaria, sendo essa a sua glória, mesmo que trágico-marítima. E explica: “Por isso nos deu Deus tão pouca terra para o nascimento, e tantas para a sepultura. Para nascer, pouca terra; para morrer, toda a terra; para nascer, Portugal; para morrer, o mundo. Perguntai a vossos avós quantos saíram, e quão poucos tornaram? Mas estes são os ossos de que mais se deve prezar vosso sangue” (ibidem, p. 198).

No 2º sermão romano que lhe dedica, Vieira já alude a Santo António para acentuar as nossas contradições. António saíra de Portugal simplesmente para ser “António”, ou seja, para se realizar como escolhera e cria ter sido escolhido. É neste passo que o discurso transita ainda mais directamente de António de Lisboa para António Vieira, quatro séculos e meio depois. E, muito consciente do que quisera e valia, Vieira deixa-nos concluir que ele próprio tivera de ir a Itália para poder ser português; como voltaria ao Brasil para o ser definitivamente. Mas di-lo antes de mais do Santo: “O que agora só digo sobre o que já disse, é que, assim como Santo António foi obrigado a deixar Portugal, para ser Português, assim foi necessário que se tirasse dentre os Portugueses, para ser tão grande homem, e tão grande santo como foi” (Sermão de Santo António, escrito mas não pregado em Roma em 1671. Ibidem, p. 211).

O que, visto positivamente, é para os portugueses partir, visto negativamente é para alguns exilarem-se. Exilarem-se para poderem realizar fora da pátria o que a naturalidade lhes destinava. Como se nos ofuscássemos com o brilho próprio, ou não nos admitíssemos como realmente somos. Vai ser Vieira a dizê-lo, ainda em Roma, mas a observação é recorrente até aos nossos dias: “… luzir português entre portugueses, e muito menos luzir com a sua luz, é cousa muito dificultosa na nossa terra. Com a luz alheia vi eu lá luzir alguns; mas com a própria, […] nem Santo António, quanto mais os outros” (ibidem, p. 212).

De várias maneiras reprovava Vieira a nossa incapacidade de mútua admiração, mesmo quando teríamos toda as razões para ela. Não resisto a citar aqui duas delas, por me parecer o autor por demais certeiro. Oiçamo-lo, sempre a propósito de Santo António, e ainda mais a nosso propósito: “Os mesmos que agora amam, e veneram tanto a Santo António, se viveram em seu tempo, o haviam de aborrecer e perseguir; e as mesmas maravilhas, que tanto celebram e encarecem, se foram obradas na sua pátria, as haviam de escurecer e aniquilar. […] é consequência própria e natural da inveja, perseguir os presentes e estimar os passados, matar os vivos e celebrar os mortos” (ibidem, p. 234-235). Como se dissesse que tanta luz nos ofusca e só a toleramos ao longe, ou na sombra que deixe. – Ainda hoje?

Pior ainda, a segunda alusão, permanecendo a dificuldade em olharmo-nos de frente, quando isso signifique o simples reconhecimento da qualidade do outro. Escreve Vieira: “… é necessário que advirtamos primeiro uma notável habilidade e astúcia, que usa a inveja para desluzir e escurecer as boas obras, e para lhes envenenar e destruir a mesma bondade. E qual vos parece que será esta habilidade e astúcia! É que nunca olha para toda a obra boa de claro em claro, assim como é em si mesma; senão que sempre a procura tomar por um lado, e por aquela parte, ou ponta donde menos claramente se descobre a sua bondade, para ter em que morder e que arguir” (ibidem, p. 238). De novo nos perguntemos: – Ainda hoje? Seja como for, rendamo-nos de vez a nós mesmos. Cientes de que só reconhecendo francamente o bem que haja, rejeitaremos por contraste o mal que se lhe oponha.

Daqui mesmo teremos de partir agora, mais realistas. A modernidade foi-se afirmando, como civilização e cultura, na medida em que deixámos de imaginar o todo e desistimos de ser absolutos. Trata-se de dominar o possível, quer na consideração do que há, quer na criação do que possa haver, com lucidez, trabalho e colaboração. Teve – sempre a modernidade – uma fase porventura mais individualista, qual tributo adolescente à liberdade pretendida, mas percebe agora que só solidariamente se realiza e que não há verdadeiro desenvolvimento que não seja “de todo o homem e do homem todo” (Paulo VI). De todos para todos, pela potenciação do concurso de cada um.

Temos certamente muito para dar, num colectivo por cada um preenchido e melhorado. A educação não deve ser meramente individual, nem imediatamente nacional. É pessoal – e por isso inter-pessoal -, pois assim mesmo somos, pessoas que transportam legados, resultantes estes do passado que importa para o futuro. Pessoas que articulam relações sócio-culturais complementares, das famílias à comunidade política, nacional e internacional.

Em cada patamar de sociabilidade se guardará a memória e germinará o que vier, pessoalmente e em grupo. E cada patamar será reconhecido e valorizado pelo que estiver mais acima, ou mais no centro da organização social, porque esta é a verdade das coisas, que acontecem do local para o universal, ou quando o universal toca no local. Como sabemos, a mediatização permite ambiguidades e alienações, sempre que abstrai das circunstâncias, generaliza apreciações e desperta quimeras.

A depreciação das pessoas concretas, nos níveis precisos em que coexistem, é herdeira ainda da apetência pelos heróis imaginários, quer da memória antiga, quer da virtualidade tecnológica de hoje em dia. A pouca confiança colectiva provém da fraca tessitura que mantemos, porque olhamos imediatamente para o todo. Ora, Portugal tem na conjugação dos seus muitos “corpos intermédios” quer a melhor realização do seu presente, quer a mais sólida base do seu futuro.

Famílias, comunidades religiosas, instituições públicas, autárquicas e particulares, associações e empresas da mais variada índole manifestam, elas sim, o que temos de mais certo e promissor. Para quem as frequenta ou visita são, tantas vezes, o melhor antídoto contra a desesperança e o maior incentivo para seguir em frente.

Aí nos reencontramos, nas palavras ditas, nas ideias realizadas e nas vidas consistentes, com autênticos heroísmos, para não desistir, não fechar, não adiar. Aí seremos finalmente o que Vieira não encontrava no que aparentavam os seus contemporâneos, resistentes ao Portugal imenso que ele próprio transportava.

Era sonhador, decerto. Mas sonhador dos sonhos que cumpria, do Amazonas à Europa, com um mar infindo pelo meio. Quando requeria maior aceitação inter-étnica e até inter-religiosa, desejava o que já vivia e persistia em inculcar aos outros. Ainda hoje, constrói realmente um bom futuro quem extrai idealismo do que faz, concretamente faz, e não desista de fazer. Aí mesmo, onde a origem e a criatividade se colocam, de modo situado e solidário. Só ai, sem fantasmas nem frustrações, ambos descabidos.

O melhor de Portugal pouco aparece e não abre geralmente os noticiários. Mas existe e por ele mesmo continuamos nós a existir. Apesar de tudo, mas não apesar de nós. Em muitas escolas, estatais ou particulares, em muitos estabelecimentos de saúde, serviços públicos e instituições particulares de solidariedade social, deparamos com abnegações quotidianas e boas vontades que não esmorecem, antes parecem recrudescer no meio das dificuldades. Em muitos jovens licenciados há uma vontade de vencer e convencer, que consegue ultrapassar positivamente a escassez das ofertas de trabalho, criando para si para outros novas oportunidades, por vezes em domínios imprevistos ou pouco explorados. Assim como há empresários e gestores com verdadeiro sentido de missão, que revelam surpreendente capacidade de inovar e conquistar mercados, a par de reais preocupações com a manutenção e a criação dos postos de trabalho dos seus colaboradores.

Estas realidades, verdadeiramente tais, entre os fantasmas da excepcionalidade ou das massas, dão afinal pelo simples nome deste Prémio: referem-se à “pessoa”, a cada pessoa que nós somos, sempre com os outros e por vezes magnificamente. Significando isto cada um de nós, não abstractamente considerado, mas no concreto da sua vida e das suas relações, interpenetradas com as dos outros e com o respectivo meio.

Concluo com a inteira confiança nas pessoas que somos, os portugueses. E com a certeza firme de que, sendo verdadeiro objectivo do Estado e de todos os responsáveis sociais salvaguardar e promover a dignidade da pessoa humana, aumentaremos para isso as possibilidades materiais, culturais e espirituais existentes, que, no conjunto, constituem o nosso bem comum, na subsidiariedade e na solidariedade.

Assim acontecendo, a “história do futuro”, como António Vieira a entreviu, ultrapassará os seus melhores vaticínios. Sem imperialismos serôdios nem injustificáveis desistências, seremos um Portugal à altura de si mesmo, na grande largueza do mundo.”

 

Lisboa, 27 de Abril de 2010

Manuel Clemente


Nova ameaça?

 

Decorem este acrónimo: NDM-1

Segundo um estudo publicado no The Lancet, poderá tratar-se na nova ameaça à saúde mundial.


Exploração espacial(?)

Há muito que sabemos que as reservas do nosso planeta não são inesgotáveis.
Infelizmente, só agora começamos a ter consciência desse facto.

Felizmente, há alternativas no nosso canto do espaço.

Leiam este artigo da Wired (aqui).

Mas fica esta pergunta.
Será que seremos capazes de ir para o espaço como humanos ou a ganância irá prevalecer?