Na base do conhecimento está o erro

Archive for September, 2016

Do elementar!

riqueza


Porque é que a esquerda não gosta da história?

Mortagua Galamba.jpg

Um dos maiores inimigos da esquerda, com particular incidência para a portuguesa, é a história. O conhecimento que possuem da mesma está distorcido e não é, de todo, integral. Ora, esta circunstância é mais visível no desconhecimento, imenso, que patenteiam sobre as ideias que defendem e advogam, nomeadamente, sobre a génese e os acontecimentos do socialismo e comunismo e do legado dos seus fundadores, com um destaque especial para Marx.

Não é de estranhar que estejam limitados ao apregoar de slogans e clichés, desprovidos de argumentação substantiva, que repetem para lá da exaustão.

Exemplos, quase paradigmáticos, deste paradoxo são a Mariana Mortágua e o João Galamba.

Este texto da Maria de Fátima Bonifácio fala por si:

“Mariana não sabe, não tem mundo para saber como são os verdadeiros ricos. Mas sabe uma coisa: “Não se pode ser rico inocentemente.” Todos roubaram, exploraram, ou são réus de qualquer crime semelhante.”


Mariana Mortágua e os ricos

2016-02-05-mariana-mortagua

O que a Mariana Mortágua sabe da Revolução dos Cravos deve ter sido fantasiado pela sua família. Quase de certeza que não teve conhecimento de todos os episódios que fizeram o período em questão.

Saberá, certamente, que na altura também tentaram acabar com os ricos. Mas, será que tem conhecimento do conversa entre Olof Palme e Otelo Saraiva de Carvalho?

Olof Palme ficou na história por ter conseguido conjugar eficazmente uma economia de mercado com um Estado Social. Pouco depois do 25 de abril, questionou Otelo sobre os seus objectivos para Portugal, A resposta imediata deste, que surpreendeu o sueco, foi: “Queremos acabar com os ricos”.

Olof Palme respondeu: “Curioso, nós na Suécia queremos é acabar com os pobres”.

A Mariana devia aprender com a história e, particularmente, com os suecos. Os portugueses deviam aprender que nenhum partido da esquerda alguma vez fará com que Portugal possa ser parecido com a Suécia.