Na base do conhecimento está o erro

Lula da Silva ou o futuro do Brasil

Lula 1988

 

O meu avô sempre me disse: “Quem não deve, não teme!”

Lula da Silva teme e não é pouco. Ao refugiar-se atrás de instrumentos políticos – imunidade – que impedem o curso normal das investigações judiciais, Lula da Silva está apenas a aumentar as suspeitas que recaem sobre si.
Se tivesse a sua consciência tranquila, não agiria desta forma. Admito que não seja fácil estar nas bocas do mundo por estes motivos, mas indo a tribunal e sendo por este considerado inocente, Lula ficaria com a sua imagem integralmente reabilitada. Mas não foi essa a sua opção. Antes pelo contrário.

Como muito bem notou o Rui Albuquerque, “o que se está a passar no Brasil é coisa nunca vista em lado nenhum. Com raríssimas excepções, não há na classe dirigente desse imenso país um só político que não esteja envolvido em escândalos de corrupção. E se me pedirem para pôr as mãos no fogo por qualquer uma dessas «excepções raríssimas», garantidamente não o farei. A verdade é que atrás de um sempre vêm outros e que os acusadores de hoje são os acusados de amanhã.”

E esta é a circunstância que me deixa mais perplexo. A corrupção não é um fenómeno exclusivo da direita. Também existe na esquerda. E se revisitarmos a história, percebemos que a corrupção da esquerda não é brincadeira nenhuma.

Contudo, ao ler o que expressam os partidários de Lula da Silva, até parece que o homem pode ser corrupto porque os que estiveram antes dele também o foram. Pensava que um homem que se afirmou contra a corrupção, e seus efeitos na sociedade, agisse, ou procurasse agir, doutra forma? Mas não. Pelos vistos, Lula da Silva usufrui do beneplácito de quem o apoia e de quem o sucedeu. Quiçá, para alguns, até deve ser corrupto?

A corrupção não está adstrita à ideologia ou ao posicionamento partidário. É uma particularidade humana. No limite, qualquer é um pode ser corrupto.

Há mais de trinta anos escrevi isto: “No universo físico, tudo é uma questão de escala. No universo social, tudo é uma questão de opção”.
A opção tomada por Lula da Silva, não abona em seu favor. E, pelos vistos, a corrupção não termina com ele. Dilma Rousseff também tem muito a explicar.

No meio disto tudo, lamento pelo povo brasileiro. Não mereciam este tipo de comportamento, nem este exemplo.

A história também nos ensina que os totalitarismos e as ditaduras estão sempre à espera. Só é preciso que a democracia falhe!

Independentemente das circunstâncias, esta frase, expressa por Lula em 1988, ameaça revelar-se profética.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s