Na base do conhecimento está o erro

A(s) Lusoponte(s) ou o “Estado-polvo”

O caso da Lusoponte serve para exemplificar o estado das coisas em Portugal.

É evidente que foram vários os niveis de controle e fiscalização que falharam aqui, mas a dupla retenção ocorrida neste caso teria igualmente ocorrido se o PS estivesse no exercício do poder executivo.

Além do mais, não são apenas os 4,4 milhões de euros que a Lusoponte deveria devolver. Também devia entregar uma compensação. Ou não beneficiou com o dinheiro recebido indevidamente enquanto o teve em seu poder?

Mas o que é de reter é que não há Governo nenhum, tanto o actual como os anteriores, que tenha noção da(s) realidade(s) do país, nem das circunstâncias que envolvem as responsabilidades do Estado ou daqueles as devem ao Estado.

Ou acreditam que não há mais “lusopontes” por aí?

Como tal, creio não ser asneira afirmar que o polvo já se integrou no Estado e que vivemos no Estado-polvo.

 

Advertisements

2 responses

  1. Joana Maria-Lobo

    Olá Vicente,
    neste momento Portugal é uma única, gigantesca e total Lusoponte!

    2012-03-12 at 23:09

    • VFS

      Infelizmente

      2012-03-12 at 23:33

Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out / Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out / Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out / Change )

Google+ photo

You are commenting using your Google+ account. Log Out / Change )

Connecting to %s