Na base do conhecimento está o erro

Archive for October, 2011

O PS e o voto no OE2012

Aparentemente, há no PS quem não tenha gostado do silêncio de José Sócrates [ou da sua (não) influência] relativamente ao voto socialista no Orçamento de Estado para 2012.

Coitado do homem. Não há maneira de o deixarem em paz. Ainda por cima quando ele está cheio de problemas.

Tem que estudar ética, o que, diga-se, para quem não a possui, é integralmente difícil.

 


Custa assim tanto aprender (2)?

 

Nada como esclarecer alguns e ensinar outros!


Querem sangue mas não há dinheiro!

Não é difícil perceber porque é que aqueles que se enquadram ideologicamente na esquerda e extrema-esquerda andam todos contentes.

Como é facilmente demonstrado pelo historial dos resultados eleitorais, pelas vias democráticas não conseguem ser governo.
Assim, só através duma revolução é que alcançarão o poder.
Mas a história ensina-nos que quem foi responsável por cortar cabeças também perdeu a sua.

É triste que nesta altura, a principal preocupação dos partidos políticos, independentemente do quadrante ideológico, seja o retirar de dividendos em favor próprio.

Por fim, para aqueles que parecem querer sangue, já não há dinheiro!

A revolução de Abril encontrou os cofres cheios, mas estes estão vazios há muito tempo.
E Abril também já se foi.
Só permanecem os mesmos sindicatos de há trinta anos, na maior parte dos casos com as mesmas pessoas e com as mesmas reivindicações como se o mundo não mudasse.

Acordem! Existir custa dinheiro e a malta até vive mais uns anitos.

Como tal, o que será verdadeiramente imperdoável é o derramar de sangue em vão!


“Nova” democracia?

Qual é o risco que corre um cidadão ao adormecer, i.e. deixar de participar activamente, em democracia?

Acordar em ditadura!

Um dia destes vamos despertar tarde demais.
Nessa altura, teremos por cá uma democracia do tipo chinês!

(imagino quem ficaria contentíssimo!)


Sobre a liberdade

Liberdade não é apenas a possibilidade de escolha.
Liberdade é aceitar a reponsabilidade pela escolha feita!


Mais um sem (bom) senso

Este homem não é uma pessoa qualquer. É um sociólogo de reputação internacional!
Por isso mesmo não entendo como foi capaz de ter dito o que disse à SIC (aqui). Há maneiras e maneiras de se dizerem as coisas, principalmente em tempos conturbados. Ainda por cima quando Boaventura de Sousa Santos é um defensor da aproximação entre a ciência e o senso comum.

Há mais de 20 anos que escrevo – trabalhos académicos, cartas aos leitores e artigos de opinião – a defender uma profunda reforma do sistema político, a qual, na minha opinião é coincidente com as ideias de Boaventura de Sousa Santos.

Mas não percebo onde está o (bom) senso destas suas declarações.


Onde está o bom senso?

Fiquei estupefacto ao ouvir as declarações destes bispos da Igreja (aqui e aqui)!
Não ponho em causa a sua liberdade de expressão, mas não compreendo (ou aceito) a falta de bom senso.

Será que a Igreja quer sangue?


Chamem os políticos à responsabilidade

 

Não é apenas José Sócrates (e demais ministros ou afins) que devem responder pela gestão ruinosa.
O Alberto João Jardim também deve.
Assim como todos aqueles que doravante não gerirem devidamente os bens públicos que lhes forem confiados!


Deplorável

A postura do PS, personificada por Carlos Zorrinho, é integralmente deplorável.

Então a apresentação do OE 2012 é suficiente para o PS deixar de ter responsabilidade pela situação do país?
São políticos como este que levaram o país à bancarrota. E Portugal não pode continuar a ter pessoas deste calibre nos órgãos do Estado.

Só assim teremos futuro.


OE 2012


Proposta

No âmbito das comemorações do dia de hoje e em virtude de actualmente sermos mais uma ilusão dum país ou um país em ilusão do que um país per si, proponho que nos passemos a designar por:

(I)LUSITÂNIA *

Quem subscreve?

* o I está entre parênteses porque ainda me resta a esperança do sonho.


Tribunal de Contas

Na liderança de entidades como o Tribunal de Contas, é preciso homens que não venham de partidos nem que tenham exercidos funções executivas.
Guilherme de Oliveira Martins, um exemplo perfeito do falhanço de supervisão, uma vez que não tem a decência de demitir, devia ser exonerado do cargo.

Defendo que o Tribunal de Contas seja dirigido por um juiz, indicado pelo Conselho Superior de Magistratura. Porém, este tipo de indicação só deverá acontecer após a despartidarização deste órgão.